Arquivo do mês: agosto 2018

Sexta Selvagem: Grômia-gigante

por Piter Kehoma Boll

Algum tempo atrás eu apresentei uma interessante alga unicelular, o olho-do-marinheiro, que pode atingir cerca de 5 cm de diâmetro, sendo um dos maiores organismos unicelulares conhecidos.

Hoje conheceremos mais uma criatura deste tipo, mas não se trata de uma alga e sim de uma ameba testada mais proximamente relacionada aos foraminíferos. Chamada Gromia sphaerica, vou chamá-la aqui de grômia-gigante.

gromia fig2

Espécimes de grômia-gigante das Bahamas. Imagem extraída de Matz et al. (2008)

A grômia-gigante foi primeiro encontrada no Mar da Arábia a profundidades de mais de 1100 m e foi formalmente descrita em 2000. Ela vive deitada no substrato e geralmente está coberta por uma fina camada de sedimento, aparecendo como pequenas esferas espalhadas através do fundo do mar. O corpo é esférico ou em formato de uva, mas oco, com o interior preenchido de material fecal (chamados estercomas) ou outros fluidos. Esta célula esférica é coberta por uma concha, ou testa, de material orgânico que apresenta várias perfurações pequenas pelas quais finas expansões do citoplasma, formando um tipo de pseudópode, podem ser estendidas. O tamanho da testa pode chegar a 3 cm de diâmetro, sendo muito maior que a de seu parente mais bem conhecido, Gromia oviformis.

Em 2008, outra população da espécie foi encontrada em águas em torno das Bahamas. Os espécimes lá não são tão esféricos como na população do Mar da Arábia e foram vistos associados a rastros que indicam que estes organismos se movem lentamente através do sedimento. Os rastros se assemelham claramente a alguns rastros fósseis do Pré-Cambriano, que são geralmente considerados uma indicação da evolução precoce de animais pluricelulares. Contudo esta descoberta de organismos unicelulares capazes de produzir rastros similares aos associados a animais levanta dúvidas sobre o momento em que animais pluricelulares surgiram.

– – –

Curta nossa página no Facebook!

– – –

Referências:

Gooday AJ, Bowser SS, Bett BJ, Smith CR (2000) A large testate protist, Gromia sphaerica sp. nov. (Order Filosea), from the bathyal Arabian Sea. Deep-Sea Research II 47: 55–73.

Matz MV, Frank TM, Marshall NJ, Widder EA, Johnsen S (2008) Giant deep-sea protists produces bilaterian-like traces. Current Biology 18(23): 1849–1854. https://doi.org/10.1016/j.cub.2008.10.028

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em protistas, Sexta Selvagem

A história da Sistemática: Systema Naturae de 1758 a 1767–1770

por Piter Kehoma Boll

Read it in English

Em uma série de postagens anteriores, eu detalhei a classificação dos seres vivos por Linnaeus na sua obra Systema Naturae com apresentada na décima edição, publicada e 1758. Aqui, vou apresentar a classificação de forma resumida e mostrar mudanças que aconteceram entre a 10ª edição e a 13ª edição publicada em duas porta, uma 9 anos depois, em 1767, tratando dos animais, e uma 12 anos depois, em 1770, tratando das plantas.

Animais

Linnaeus classificou os animais em 6 classes: Mammalia, Aves, Amphibia, Pisces, Insecta e Vermes.

1. Mammalia incluía mamíferos e em 1758 eram classificados em 8 ordens: Primates, Bruta, Ferae, Bestiae, Glires, Pecora, Belluae, Cete (veja detalhes aqui).

A classificação dos mamíferos de Linnaeus em 1758 e 1767.

Em 1767, a ordem Bestiae não existe mais. Tatus (Dasypus) foram transferidos para Bruta, porcos (sus) para Belluae e os restantes para Ferae. Adicionalmente, rinocerontes (Rhinoceros) foram transferidos de Glires para Belluae e uma espécie de morcego foi transferida do gênero Vespertilio em Primates para um novo gênero, Noctilio, em Glires.

2. Aves incluía aves e em 1758 elas eram classificadas em 6 ordens: Accipitrae, Picae, Anseres, Grallae, Gallinae, Passeres (veja detalhes aqui).

Classificação dos aves de Linnaeus em 1758 e 1767.

Em 1767, cinco novos gêneros surgiram em Picae: Buphaga, os pica-bois, Trogon, os surucuás, Oriolus, os oriolos (anteriormente no gênero Coracias), Bucco, os rapazinhos, e Todus, os todinhos. Um novo gênero aparece em Anseres, Plotus, as biguatingas. A ordem Grallae recebe o novo gênero Palamedea, as seriemas e os tachãs, Parra, as jaçanãs, e Cancroma, a garça-bico-de-barco. A ordem Gallinae é aumentada com o novo gênero Didus, o dodô (que foi anteriormente um membro do gênero Struthio na ordem Grallae), e Numida, a galinha-de-Angola (anteriormente no gênero Phasianus). E, finalmente, a ordem Passeres recebeu os novos gêneros Pipra para os uirapurus (antes em Parus), Ampelis, os picoteiros e as cotingas (antes no gênero Lanius na ordem Accipitrae), Tanagra, os tangarás (antes em Fringilla), e Muscicapa, os papa-moscas (antes nos gêneros Corvus e Motacilla).

Também é interessante notar uma mudança no nome da ordem Accipitrae para Accipitres, e o gênero Jynx é aqui escrito Yunx.

3. Amphibia incluía répteis, anfíbios e alguns peixes e tinha 3 ordens: Reptiles, Serpentes e Nantes (veja detalhes aqui).

Classificação dos Anfíbios de Linnaeus em 1758 e 1767.

As ordens Reptiles e Serpentes se mantiveram as mesmas. A ordem Nantes, que em 1758 incluía principalmente peixes cartilaginosos, em 1767 incluía muitos gêneros que eram anteriormente classificados na classe Pisces, especialmente na ordem Branchiostegi (veja abaixo).

4. Pisces incluía a maioria dos peixes e tinha 5 ordens: Apodes, Jugulares, Thoracici, Abdominales e Branchiostegi (veja detalhes aqui).

Classificação dos peixes de Linnaeus em 1758 e 1767.

O gênero Ophidion foi transferido da ordem Jugulares para Apodes e aparece grafado como Ophidium. A ordem Thoracici recebeu o gênero adicional Cepola (suspensórios) e a ordem Abdominales foi aumentada com o gênero Amia (a amia), Teuthis e Elops (a ubarana), bem como o gênero Mormyrus, antes parte da ordem Branchiostegi que deixou de existir.

5. Insecta incluía artrópodes e tinha 7 ordens: Coleoptera, Hemiptera, Lepidoptera, Neuroptera, Hymenoptera, Diptera, Aptera (veja detalhes aqui).

Classificação dos insetos de Linnaeus em 1758 e 1767.

A ordem Coleoptera recebeu os novos gêneros Lucanus (vacalouras, antes em Scarabaeus), Byrrhus (besouros-pílula), Gyrinus (besouros-giradores, Bruchus (gorgulhos-da-ervilha), Ptinus (besouros-aranhas), Hispa, Lampyris (vagalumes). Os gêneros Blatta e Gryllus foram transferidos para Hemiptera e os louva-a-deuses foram removidos de Gryllus e receberam seu próprio gênero, Mantis. Além disso, as jequitiranaboias foram removidas do gênero Cicada e transferidas para Fulgora. Na ordem Neuroptera, as formigas-leão foram removidas do gênero Hemerobius e transferidas para o novo gênero Myrmeleon. Na ordem Hymenoptera, as vespas-cuco foram transferidas do gênero Sphex para o novo gênero Chrysis.

6. Vermes incluía vários vermes, moluscos, equinodermos, cnidários e a feiticeira. Havia 5 ordens: Intestina, Mollusca, Testacea, Lithophyta e Zoophyta (veja detalhes aqui).

Classificação dos vermes de Linnaeus em 1758 e 1767.

De 1758 a 1767, o gênero Furia, de uma espécie fictícia, foi transferido de Intestina para Zoophyta, e o gênero Teredo (turus) foi transferido de Intestina para Testacea. Um novo gênero Sipunculus, foi adicionado a Intestina para incluir os vermes-amendoim. Na ordem Mollusca, encontramos agora os novos gêneros Ascidia (ascídias), Aplysia (lebres-do-mar), Terebella (alguns poliquetos antes em Nereis) e Clio (algumas lesmas marinhas). O gênero Priapus, contendo as anêmonas-do-mar, é agora chamado Actinia. A ordem Testacea recebeu os novos gêneros Mactra (amêijoas, antes em Cardium) e Sabella (verme-leque, antes em Serpula). A ordem Lithophyta recebeu o novo gênero Cellepora (para briozoários). Na ordem Zoophyta, encontramos o novo gênero Flustra (para briozoários antes em Eschara), Vorticella (para ciliados antes em Hydra) e Chaos (para amebas, antes em Volvox). Um gênero adicional é visto em Zoophyta: Spongia (esponjas), transferido de Algae, lá no reino das plantas.

Plantas

O sistema de classificação das plantas era muito mais complicado que o dos animais. Havia plantas com flores regulares classificadas de acordo com o número de órgãos sexuais masculinos e femininos, respectivamente (como você pode ler em detalhes nas partes 1, 2, 3 e 4 das plantas no Systema Naturae). Pouco mudou exceto por alguns gêneros, como você pode ver na tabela abaixo.

Classificação de Linnaeus das plantas com flores hermafroditas regulares em 1758 e 1770. Veja a imagem em maior resolução aqui.

O mesmo é verdade para espécies nas classes Didynamia e Tetradyamia, que possuem flores com estames de diferentes tamanhos. Pouco mudou em sua classificação.

Classificação de Linnaeus das plantas com flores que possuem estames de dois tamanhos diferentes em 1758 e 1770.

Em relação às três classes caracterizadas por flores com estames aglomerados, podemos ver duas novas ordens na classe Monadelphia.

Classificação de Linnaeus das plantas com estames aglomerados em 1758 e 1770.

Na classe Syngenesia, podemos notar que a ordem Polygamia Superflua deixou de existir, com a maior parte das espécies transferida para Polygamia Aequalis, e uma nova ordem, Polygamia Segregata, está agora presente. Na classe Gynandria, uma nova ordem, Dodecandria, foi criada. Veja estas duas classes com mais detalhes aqui.

Classificação de Linnaeus das plantas com estames fundidos uns aos outros ou aos carpelos em 1758 e 1770.

Nas três classes de plantas com órgãos masculinos e femininos ocorrendo em flores separadas, acho que a novidade mais interessante é que o gênero Chara, que em 1758 foi classificado como um gênero de algas, está agora entre as plantas com flores na classe Monoecia, ordem Monandria.

Classificação de Linnaeus das plantas com órgãos masculinos e femininos em flores diferentes em 1758 e 1770.

Finalmente, entre as criptógamas, as “plantas sem flores”, pouco mudou exceto pela transferência de Chara para as plantas com flores e Spongia para o reino animal.

Classificação de Linnaeus das criptógamas em 1758 e 1770.

Enquanto Linnaeus continuou a desenvolver seu próprio sistema, outras classificações foram sendo propostas. Começaremos a olhar para elas nos próximos capítulos.

– – –

Referências:

Linnaeus, C. (1758) Systema Naturae per regna tria Naturae…

Linnaeus, C; (1967) Systema Naturae per regna tria Naturae….

Linnaeus, C. (1770) Systema Naturae per regna tria Naturae…

1 comentário

Arquivado em Botânica, Sistemática, Taxonomia, Zoologia

A história da Sistemática: Plantas no Systema Naturae, 1758 (Parte 9)

por Piter Kehoma Boll

A última parte da série está finalmente aqui! Veja também as partes 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7 e 8. A única classe que falta ser apresentada é Cryptogamia, as plantas sem flores.

24. Cryptogamia (“casamentos ocultos”)

“O casamento é celebrado em privado”, i.e., órgãos sexuais não são claramente visíveis.

24.1 Filices (fetos): Equisetum (cavalinhas), Onoclea (samambaia-sensível), Ophioglossum (línguas-de-cobra), Osmunda (samambaias-reais), Acrostichum (samambaias-de-couro), Polypodium (polipódios), Hemionitis (hemionites), Asplenium (asplênios), Blechnum (samambaias-pentes), Lonchitis (lonquites), Pteris (ptérides), Adiantum (avencas), Trichomanes (samambaias-felpudas e samambaias-laços), Marsilea (trevos-d’água), Pilularia (pilulárias), Isoetes (isoetas).

1758Linnaeus_cryptogamia_filices

A ordem Filices de Linnaeus incluía (da esquerda para a direita, de cima para baixo) a cavalinha-comum (Equisetum arvense), a samambaia-sensível (Onoclea sensibilis), a língua-de-cobra-comum (Ophioglossum vulgatum), a samambaia-real-comum (Osmunda regalis), a samambaia-de-couro-dourada (Acrostichum aureum) a ptéride-da-China (Pteris vittata), a samambaia-pente-ocidental (Blechnum occidentale), o asplênio-negro (Asplenium adiantum-nigrum), o polipódio-comum (Polypodium vulgare), o cabelo-de-Vênus (Adiantum capillus-veneris), a samambaia-laço (Trichomanes chinensis, agora Sphenomeris chinensis), o trevo-d’água-europeu (Marsilea quadrifolia), a pilulária-comum (Pilularia globulifera) e a isoeta-de-lago (Isoetes lacustris). Créditos a Rob Hille (cavalinha), Kurt Stueber (samambaia-real), Krzysztof Ziarnek (samambaia-pente), Forest & Kim Starr (asplênio e samambaia-laço), H. Zell (polipódio), Tato Grasso (cabelo-de-Vênus), Daria Inozemtseva (isoeta), usuários do Wikimedia JMK (ptéride), Keisotyo (trevo-d’água) e Kembangraps (pilulária), e usuário do flickr peganum (samambaia-sensível).

24.2 Musci (musgos): Lycopodium (licopódios), Porella (porelas), Sphagnum (esfagnos), Phascum (fascos), Fontinalis (musgos d’água), Buxbaumia (musgos-de-elfo), Splachnum (musgos-do-esterco), Polytrichum (musgos-cabelos), Mnium (musgos-calcários), Bryum (musgos-comuns), Hypnum (musgos-achatados).

1758Linnaeus_cryptogamia_musci

Entre as espécies da ordem Musci havia (da esquerda para a direita, de cima para baixo) o licopódio-comum (Lycopodium clavatum), a porela-pinada (Porella pinnata), o esfagno-das-pradarias (Sphagnum palustre), o musgo-d’água-comum (Fontinalis antipyretica), o musgo-de-elfo-comum (Buxbaumia aphylla), o musgo-cabelo-dos-Alpes (Polytrichum alpinum), o musgo-calcário-do-ano (Mnium hornum), o musgo-prateado (Bryum argenteum) e o musgo-cipreste (Hypnum cupressiforme). Créditos a Christian Fischer (licopódio), Rafael Medina (porela), Bernd Haynold (esfagno), Hermann Schachner (musgo-cabelo, musgo-prateado), Bernard Dupont (musgo-calcário), e usuários do Wikimedia AnRo0002 (musgo-d’água) e Aconcagua (musgo-cipreste).

24.3 Algae (algas): Jungermannia (hepáticas-folhosas), Targionia (targiônias), Marchantia (hepáticas-talosas), Blasia (blásia), Riccia (cristalárias), Anthoceros (antóceros), Lichen (líquens), Chara (caras), Tremella (vários organismos gelatinosos), Fucus (algas marrons e vemelhas), Ulva (alfaces-do-mar e noris), Conferva (várias algas filamentosas), Byssus (vários organismos crustosos e lanosos), Spongia (esponjas).

1758Linnaeus_cryptogamia_algae

A diversa ordem Algae incluía (da esquerda para a direita, de cima para baixo) a hepática-folhosa-da-mata (Jungermannia nemora, agora Scapania nemorea), a targiônia-comum (Targionia hypophylla), a hepática-língua-verde (Marchantia polymorpha), a blásia (Blasia pusilla), a cristalária-flutuante (Riccia fluitans), o antócero-liso (Anthoceros laevis, agora Phaeoceros levis), o líquen-mapa (Lichen geographicus, agora Rhizocarpon geographicum), a cara-comum (Chara vulgaris), a geleia-de-bruxa (Tremella nostoc, agora Nostoc commune), fuco-serrado (Fucus serratus), alface-do-mar-comum (Ulva lactuca), limo-da-rocha (Conferva rupestris, agora Cladophora ruprestris), lã-dourada (Byssus aurea, agora Trentepohlia aurea), e a esponja-de-banho (Spongia officinalis). Créditos a Bernd Haynold (hepática-folhosa, blásia), Luis Fernández García (targiônia), Benis Barthel (língua-verde), Christian Fischer (cristalária), Fritz Geller-Grimm (líquen), Lairich Rig (geleia-de-bruxa), Kristian Peters (alface-do-mar), Bioimages (limo-da-rocha), JK Johnson (lã-dourada), Guido Picchetti (esponja) e usuários do Wikimedia Oliver s. (antócero), Mnolf (caras) e Citron (fuco).

24.4 Fungi (fungos): Agaricus (cogumelos lamelados), Boletus (cogumelos com poros), Hydnum (cogumelos-dentados), Phallus (cogumelos fálicos), Clathrus (fungos com formato de dedo), Elvela (cogumelos em forma de sela), Peziza (cogumelos em forma de taça), Clavaria (cogumelos em forma de clava), Lycoperdon (cogumelos esféricos), Mucor (mofos).

1758Linnaeus_cryptogamia_fungi

A ordem Fungi continha (da esquerda para a direita, de cima para baixo) o cogumelo-do-campo (Agaricus campestres), a orelha-de-pau-vermelha-comum (Boletus sanguineus, agora Pycnoporus sanguineus), o dente-doce (Hydnum repandum), o falo-impudico (Phallus impudicus), o mixomiceto-algodão-doce (Clathrus denudatus, agora Arcyria denudata), o copo-de-vinagre (Peziza acetabulum, agora Helvella acetabulum), o cogumelo-clava-doce (Clavaria pistillaris, agora Clavariadelphus pistillaris), o peido-de-lobo-do-campo (Lypoderon cervinum, agora Lycoperdon lividum) e o bolor-alfinete-comum (Mucor mucedo). Créditos a Nathan Wilson (cogumelo-do-campo), Instituto Últimos Refúgios (orelha-de-pau), H. Krisp (dente-doce, copo-de-vinagre), Jörg Hempel (falo), Bea Leiderman (mixomiceto), Francisco J. Díez Martín (cogumelo-clava), Michel Beeckman (peido-de-lobo) e James Lindsey (bolor-alfinete).

Aqui podemos ver que a bagunça de Linnaeus chegou ao limite. Há mesmo animais classificados como plantas, como você pode ver com esponjas aparecendo como algas. Na verdade a ordem Algae incluía espécies pertencendo a quase todos os reinos atualmente reconhecidos, de bactérias a animais, fungos, plantas e heterocontas. As outras ordens são consideravelmente mais uniformes.

Terminamos o sistema de Linnaeus! Oba!

Eu farei uma postagem adicional com um resumo e então podemos seguir para mudanças que aconteceram nos sistemas seguintes. Vejo vocês lá!

– – –

Referência:

Linnaeus, C. (1758) Systema Naturae per regna tria Naturae…

– – –

Creative Commons License
Todas as imagens estão licenciadas sob uma Licença Creative Commons de Atribuição e Compartilhamento Igual 4.0 Internacional.

1 comentário

Arquivado em Botânica, Sistemática, Taxonomia

Sexta Selvagem: Peripato-de-Rowell

por Piter Kehoma Boll

Onicóforos formam um grupo intrigante de animais que são o grupo-irmão dos artrópodes e também o único filo animal com apenas espécies terrestres, apesar de espécies aquáticas serem conhecidas de registros fósseis.

Hoje decidi trazer uma espécie de onicóforo para ser nosso camarada da sexta. Cientificamente conhecido como Euperipatoides rowelli, decidi dar a ele o nome comum de peripato-de-Rowell.

61533_orig

Um espécie do peripato-de-Rowell em laboratório. Foto de Alan Couch.*

O peripato-de-Rowell é encontrado no sudeste da Austrália habitando florestas temperadas úmidas. Eles são animais pequenos, com cerca de 5 cm de comprimento e vivem em madeira em decomposição, morando em rachaduras e se alimentando de invertebrados pequenos como cupins e grilos.

Os troncos caídos são geralmente habitados por grupos de vários indivíduos que vivem em um tipo de relação social e são compostos de fêmeas, machos e jovens, as fêmeas sendo maiores e ocorrendo em maior número que os machos. Uma espécie de organização social também parece ocorrer, com uma fêmea sendo dominante e seguida em dominância pelas outras fêmeas, com machos e jovens ocupando a base da pirâmide. A captura de presas geralmente ocorre em grupo e após a presa ser abatida, a fêmea dominante comerá primeiro e somente após estar saciada ela permitirá que as outras fêmeas comam. Machos e jovens comem os restos deixados pelas fêmeas.

26038_orig

Bem-vindo ao nosso tronco! Foto de Andras Keszei.**

Troncos novos são colonizados por machos errantes. Estes liberam feromônios que atraem mais machos e posteriormente fêmeas. Assim, troncos recém-colonizados possuem uma agregação com mais machos, mas o número de fêmeas mais tarde ultrapassa o de machos. Foi sugerido que essa agregação inicial de machos os ajuda a atrair fêmeas devido ao aumento da concentração de feromônios.

Durante a reprodução, o macho deposita espermatóforos na pele da fêmea. Com a ajuda das células sanguíneas da fêmea, a parede corporal abaixo do espermatóforo é rompida e o esperma é liberado na cavidade corporal da fêmea, onde nada até o trato reprodutivo feminino.

Devido à sua abundância no sudeste da Austrália, o peripato-de-Rowell é uma espécie fácil de se obter e está aos poucos se tornando mais um organismo-modelo interessante.

– – –

Curta nossa página no Facebook!

– – –

Referências:

Barclay S, Ash JE, Rowell DM (2000) Environmental factors influencing the presence and abundance of a log-dwelling invertebrate, Euperipatoides rowelli(Onychophora: Peripatopsidae)Journal of Zoology 250: 425–436.

Barclay S, Rowell DM, Ash Je (2000) Pheromonally mediated colonization patterns in the velvet worm Euperipatoides rowelli (Onychophora)Journal of Zoology 250: 437–446.

Reinhardt J, Rowell DM (2006) Social behavior in an Australian velvet worm, Euperipatoides rowelli(Onychophora: Peripatopsidae)Journal of Zoology 250: 1–7.

Sunnucks P, Curach NC, Young A, French J, Cameron R, Briscoe DA, Tait NN (2000) Reproductive biology of the onychophoran Euperipatoides rowelliJournal of Zoology 250: 447–460.

– – –

*Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons de Atribuição 2.0 Genérica.

**Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons de Atribuição Não Comercial e Compartilhamento Igual 2.0 Genérica.

Deixe um comentário

Arquivado em Sexta Selvagem, vermes

Sexta Selvagem: Glomo-Funil-Versátil

por Piter Kehoma Boll

É hora de voltar para o mundo microscópico e apresentar as maravilhas que ele contém. Hoje a espécie escolhida é Funneliformis mosseae que, como sempre, não possui um nome comum. Eu, portanto, decidi chamá-la de glomo-funil-versátil.

O glomo-funil-versátil é um fungo da divisão Glomeromycota. Estes fungos são caracterizados por formarem uma relação endossimbionte com plantas através de estruturas chamadas micorrizas arbusculares, ou MAs para abreviar. Este tipo especial de micorriza é formado com o fungo crescendo dentro dos tecidos e das células das raízes das plantas. Sabe-se que cerca de 80% de todas as famílias de plantas vasculares contém MAs.

800px-spores_tomato_root

Esporos do glomo-funil-versátil em raízes de tomate. Foto do usuário Samson90 do Wikimedia.

Nossa espécie, o glomo-funil-versátil, é considerado um dos fungos mais comuns associados a raízes de plantas. Encontrado no mundo todo, ele pode formar MAs com muitas plantas diferentes, incluindo vários cultivares, como milho, cebola, tomate e muitos outros.

funneliformis_mosseae_spore

Um esporo único do glomo-funil-versátil mostrando a base em forma de funil à direita. Foto extraída de Schüßler & Walker (2010).

Como o glomo-funil-versátil vive dentro dos tecidos e das células das raízes, ele geralmente não é conspícuo, mas pode ser facilmente identificado por seus esporos, os quais possuem cerca de 0,2 mm de diâmetro e são agrupados em esporocarpos. A base do esporo possui um formato de funil, sendo esta a razão para o nome Funneliformis.

A associação do glomo-funil-versátil com plantas aumenta a absorção de nutrientes pelas plantas e também as ajuda a lidarem com ambientes contaminados por metais pesados, como o chumbo, ao absorver parte dos contaminantes, assim reduzindo seus efeitos deletérios nas plantas.

– – –

Curta nossa página no Facebook!

– – –

Referências:

Citterio, S.; Prato, N.; Fumagalli, P.; Aina, R.; Massa, N.; Santagostino, A.; Sgorbati, S.; Berta, G. (2005) The arbuscular mycorrhizal fungus Glomus mosseae induces growth and metal accumulation changes in Cannabis sativa LChemosphere 59(1): 21–29.

EOL – Encyclopedia of Life. Glomus mosseae. Available at < http://eol.org/pages/988675/overview >. Access on July 17, 2018.

Schüßler, A.; Walker, C. (2010) The Glomeromycota. A species list with new families and new genera. Gloucester, UK.

Xu, Z.; Ban, Y.; Yang, R.; Zhang, X.; Chen, H.; Tang, M. (2016) Impact of Funneliformis mosseae on the growth, lead uptake, and localization of Sophora viciifoliaCanadian Journal of Microbiology 62(4): 361–373.

Deixe um comentário

Arquivado em Fungos, Sexta Selvagem