Sexta Selvagem: Verme-do-Grilo-da-Mata

por Piter Kehoma Boll

Semana passada apresentei o pequeno grilo-da-mata, então usarei isso como uma oportunidade de apresentar, hoje, um de seus parasitas, o verme-do-grilo-da-mata Paragordius tricuspidatus.

Dois indivíduos do verme-do-grilo-da-mata. Foto de Andreas Schmidt-Rhaesa.**

O verme-do-grilo-da-mata é um membro do filo Nematomorpha, comumente conhecidos como vermes-crina-de-cavalo. Os adultos são vermes de vida livre que habitam corpos de água doce, especialmente rios e arroios, e possuem um comportamento reprodutivo peculiar no qual muitos vermes ficam “amarrados” um ao outro em um enorme nó, como uma orgia de vermes. Após o acasalamento terminar, a fêmea põe seus ovos na borda da água, no solo, onde podem eventualmente ser ingeridos por grilos-da-mata vivendo por perto.

Dentro do grilo, os ovos eclodem e as larvas começam a se desenvolver dentro da cavidade corporal do grilo, preenchendo-o completamente durante seu desenvolvimento. Quando o verme está pronto para deixar o hospedeiro, ele é capaz de controlar o comportamento do grilo, induzindo-o a pular num corpo d’água, o que permite ao parasita deixar o hospedeiro e ir à procura de um parceiro para acasalar, recomeçando o ciclo.

Paragordius tricuspidatus (seta) deixando o corpo de um grilo-da-mata. Foto extraída de Ponton et al. (2006) (Veja referências).

Um comportamento interessante do verme-do-grilo-da-mata é sua habilidade de escapar do corpo de um predador. Geralmente quando o grilo-da-mata pula na água e o verme está tentando sair de seu corpo, um predador aquático, como um peixe ou uma rã, pode acabar comendo o grilo, o que levaria ao fim da vida do parasita também. Recentemente, porém, descobriu-se que o verme é capaz de escapar do corpo do predador, geralmente pela boca, quando o grilo é comido. Este é o primeiro caso conhecido de um parasita escapando do predador de seu hospedeiro.

Precisamos admitir que vermes parasitas possuem uma vida cheia de aventuras.

– – –

Curta nossa página no Facebook!

Siga-me (@piterkeo) no Twitter!

– – –

Referências:

Thomas, F.; Ulitsky, P.; Augier, R.; Dusticier, N.; Samuel, D.; Strambi, C.; Biron, D. G.; Cayre, M. (2003) Biochemical and histological changes in the brain of the cricket Nemobius sylvestris infected by the manipulative parasite Paragordius tricuspidatus (Nematomorpha)International Journal of Parasitology 33: 435–443.

Ponton, F.; Lebarbechon, C.; Lefèvre, T.; Biron, D. G.; Duneau, D.; Hughes, D. P.; Thomas, F. (2006) Parasite survives predation on its hostNature 440: 756.

– – –

**Creative Commons License Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons de Atribuição e Compartilhamento Igual 3.0 Não Adaptada.

Deixe um comentário

Arquivado em Parasitas, Sexta Selvagem, vermes

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s