Arquivo da categoria: Botânica

A história da Sistemática: Plantas no Systema Naturae, 1758 (parte 6)

por Piter Kehoma Boll

Finalmente uma nova postagem na série sobre a história da sistemática. Esta é a sexta parte da classificação das plantas por Linnaeus. Veja as partes 1, 2, 3, 4 e 5. Aqui, apresentarei mais duas classes que são caracterizadas por terem estames surgindo de uma base comum na flor.

16. Monadelphia (“irmãos únicos”)

“Maridos, ou irmãos, surgindo de uma base”, isto é, os filamentos dos estames são fundidos em um corpo único.

16.1 Monadelphia Pentandria (“irmãos únicos, cinco machos”), cinco estames fundidos numa estrutura única: Waltheria (malvas-brancas), Hermannia (hermânias), Bombax (paineiras), Melochia (melóquias).

1758Linnaeus_monadelphia_pentandria

Estas 5 espécies partenciam à ordem Monadelphia Pentandria de Linnaeus (da esquerda para a direita: douradinha (Waltheria indica), hermânia-de-três-folhas (Hermannia trifoliata), erva-de-chocolate (Melochia corchorifolia), paineira-vermelha (Bombax aculeatum, agora Bombax ceiba). Créditos a J. M. Garg (douradinha), C. E. Timothy Paine (hermânia), Jeevan Jose (erva-de-chocolate), Dinesh Walke (paineira).

16.2 Monadelphia Decandria (“irmãos únicos, dez machos”), dez estames fundidos numa estrutura única: Connarus (madeira-zebrada-da-Índia), Geranium (gerânios), Hugonia (uma espécie de identidade duvidosa).

1758Linnaeus_monadelphia_decandria

As espécies acima foram postas por Linnaeus na ordem Monadelphia Decandria: madeira-zebrada-da-Índia (Connarus monocarpus, esquerda) e gerânio-da-Bulgária (Geranium macrorhizum, direita). Créditos a Dinesh Valke (madeira-zebrada) e usuário Hardyplants da Wikipedia (gerânio).

16.3 Monadelphia Polyandria (“irmãos únicos, muitos machos”), muitos estames fundidos numa estrutura única: Stewartia (camélia-de-seda), Napaea (malva-da-clareira), Sida (guanxumas), Adansonia (baobás), Pentapetes (gojicas), Gossypium (algodões), Lavatera (malvas-arbóreas), Malva (malvas), Malope (malvervas), Urena (aguaximas), Alcea (malvas-reais), Hibiscus (hibiscos), Althaea (malvaviscos), Camellia (camélia).

1758Linnaeus_monadelphia_polyandria

Linnaeus classificou as espécies acima como Monadelphia Polyandria (da esquerda para a direita, de cima para baixo): baobá-comum (Adansonia digitata), guanxuma-rombifólia (Sida rhombifolia), malva-da-clareira (Napaea dioica), malva-real-comum (Alcea rosea), malva-comum (Malva sylvestris), malva-arbórea-de-jardim (Lavatera thuringiaca), aguaxima-comum (Urena lobata), algodão-do-Levante (Gossypium herbaceum), hibisco-chinês (Hibiscus rosa-sinensis), gojica (Pentapetes phoenicea), camélia-de-seda (Stewartia malacodendron), camélia-comum (Camellia japonica). Créditos a Jeevan Jose (guanxuma), Pablo Alberto Salguero Quiles (malvavisco), Stan Shebs (malva-real), Joanna Voulgaraki (malva), Bob Peterson (aguaxima), H. Zell (algodão), Andrew Fogg (hibisco), Frank Vicentz (camélia), usuários da Wikipedia Atamari (baobá), Botaurus stellaris (malva-arbórea), Melburnian (camélia-de-seda), usuários do flickr peganum (malva-da-clareira) e Lalithamba (gojica).

17. Diadelphia (“dois irmãos”)

“Maridos originando de uma base dupla, bem como de uma mãe dupla”, isto é, os filamentos dos estames são agrupados em dois corpos.

17.1 Diadelphia Pentandria (“dois irmãos, cinco machos”), duas estruturas formadas de cinco estames fundidos: Monnieria (moniéria).

17.2 Diadelphia Hexandria (“dois irmãos, seis machos”), duas estruturas formadas de seis estames fundidos: Fumaria (fumárias).

17.3 Diadelphia Octandria (“dois irmãos, oito machos”), duas estruturas formadas de oito estames fundidos: Polygala (leiteiras), Securidaca (segureiras).

1758Linnaeus_diadelphia_hexandria_octandria

A planta à esquerda, a fumária-comum (Fumaria officinalis) estava na ordem Diadelphia Hexandria, enquanto a planta à direita, a leiteira-comum (Polygala vulgaris), estava na ordem Diadelphia Octandria. Créditos a Isidre Blanc (fumária) e Radio Tonreg (leiteira).

17.4 Diadelphia Decandria (“dois irmãos, dez machos”), duas estruturas formadas de dez estames fundidos: Amorpha (falsa-anileira), Ebenus (ébanos), Erythrina (corticeiras), Spartium (vassouras), Genista (mais vassouras), Lupinus (tremoceiros), Anthyllis (antiles), Aeschynomene (angiquinhos), Piscidia (barbasco), Borbonia (tojos-do-cabo), Aspalathus (mais tojos-do-cabo), Ononis (rilha-bois), Crotalaria (crotalárias), Colutea (senas-bexigas), Phaseolus (feijões), Dolichos (feijões-longos, feijão-labelabe), Orobus (ervilhaquinhas), Pisum (ervilhas), Lathyrus (chícharos), Vicia (ervilhacas), Astragalus (ervilhacas-leiteiras), Biserrula (mais ervilhacas-leiteiras), Phaca (ainda mais ervilhacas-leiteiras), Psoralea (alguns trevos), Trifolium (trevos), Glycyrrhiza (alcaçuzes), Hedysarum (ervilhacas-doces), Coronilla (mais ervilhacas), Ornithopus (serradelas), Scorpiurus (cornilhões), Hippocrepis (ervilhacas-ferraduras), Medicago (alfafas), Trigonella (feno-grego e parentes), Glycine (sojas), Clitoria (clitórias), Robinia (robínias, caraganas e sesbânias), Indigofera (anileiras), Ulex (tojos), Cicer (grão-de-bico), Ervum (lentilhas, ervilhacas), Cytisus (laburnos e ainda mais vassouras), Galega (galegas), Lotus (trevinas), Arachis (amendoim).

1758Linnaeus_diadelphia_decandria

Estas 36 plantas foram incluídas na ordem Diadelphia Decandria (da esquerda para a direita, de cima para baixo): feijão-coral (Erythrina herbácea), barbasco (Piscidia erythrina, agora Piscidia piscipula), tojo-do-cabo-cordado (Borbonia cordata, agora Aspalathus cordata), vassoura-de-tecelão (Spartium junceum), vassoura-de-tintureiro (Genista tinctoria), falsa-anileira-do-deserto (Amorpha fruticosa), angiquinho-da-Índia (Aeschynomene indica), crotalária-azul (Crotalaria verricusa), rilha-boi-do-campo (Ononis arvensis), vulnerária (Anthyllis vulneraria), tramoceiro-branco (Lupinus albus), sena-bexiga (Colutea arborescens), feijão-comum (Phaseolus vulgaris), feijão-labelabe (Dolichus lablab, agora Lablab purpureus), ervilha-comum (Pisum sativum), ervilhaquinha-peluda (Orobus hirsutus, agora Lathyrus hirsutus), chícharo-comum (Lathyrus nissolia), ervilhaca-comum (Vicia sativa), grão-de-bico (Cicer arietinum), lentilha (Ervum lens, now Lens culinaris), laburno-comum (Cytisus laburnum, agora Laburnum anagyroides), tojo-comum (Ulex europaeus), amendoim (Arachis hypogaea), alcaçuz (Glycyrrhiza glabra), ervilhaca-escorpião (Coronilla glauca), serradela-brava (Ornithopus perpusillus), ervilhaca-ferradura (Hippocrepis comosa), cornilhão-pequeno (Scorpiurus muricatus), ervilhaca-doce-alpina (Hedusarum alpinum), anileira (Indigofera tinctoria), galega-comum (Galega officinalis), clitória-azul (Clitoria ternatea), soja-comum (Glycine max), ervilhaca-leiteira-alpina (Astragalus alpinus), trevo-branco (Trifolium repens), ébano-de-Creta (Ebenus cretica). Créditos a Everglades NPS (feijão-coral), Jon Richfield (tojo-do-cabo), Bernd Haynold (vassoura-de-tintureiro), Dinesh Valke (angiquinho), J. M. Garg (crotalária), Kristian Peters (rilha-boi, ervilhaca, serradela), Massimiliano Marcelli (tramoceiro), Mauricio Laurente (feijão), Bogdan Giuşcă (ervilhaquinha), Carl Davies-CSIRO (grão-de-bico), Christian Kooyman (lentilha), Jean François Gaffard (laburno), H. Zell (amendoim), Carsten Niehaus (ervilhaca-escorpião), Isidre Blanc (ervilhaca-ferradura), Hans Hillewaert (cornilhão, trevo), Nicola Cocchia (galega), Tusli Bhagat (clitória), Jörg Hempel (ervilhaca-leiteira), Rüdiger Kratz (ébano), usuários do flickr jayeshpatil912 (barbasco) e Eskimo Potato (ervilhaca-doce), usuários do Wikimedia ectonichus (vassoura-de-tecelão), AnRo0002 (falsa-anileira, vulnerária, sena-bexiga), Dalgial (lablab), Rasbak (ervilha), Sannse (chícharo), Rosser1954 (tojo), Pharaoh han (alcaçuz), Pancrat (anileira), vegetalist (soja).

18. Polyadelphia (“muitos irmãos”)

Maridos originando de mais de duas mães, isto é, estames juntados em três ou mais corpos.

18.1 Polyadelphia Pentandria (“muitos irmãos, cinco machos”), mais de duas estruturas de cinco estames fundidos: Theobroma (cacau e mutamba).

18.2 Polyadelphia Icosandria (“muitos irmãos, vinte machos”), mais de duas estruturas de vinte estames fundidos: Citrus (plantas de frutas cítricas).

18.3 Polyadelphia Polyandria (“muitos irmãos, muitos machos”), mais de duas estruturas de muitos estames fundidos: Hypericum (ervas-de-são-joão), Ascyrum (cruz-de-Santo-André).

1758Linnaeus_polyadelphia

O cacaueiro (Theobroma cacao, esquerda) era um dos membros da ordem Polyadelphia Pentandria; a cidra (Citrus medica, meio-esquerda) era um membro da ordem Polyadelphia Icosandria; e a erva-de-São-João-das-Baleares (Hypericum balearicum, meio-direita) e a cruz-de-Santo-André (Ascyrum hypericoides, agora Hypericum hypericoides) eram membros da ordem Polyadelphia Polyandria. Créditos a H. Zell (cacaueiro), Christer T Johansson (cidra), usuário Eric in SF do Wikimedia (erva-de-São-João) e Bob Peterson (cruz-de-Santo-André).

Com poucas exceções, a maioria das plantas nestas classes atualmente pertence às famílias Malvaceae e Fabaceae (Leguminosae) de plantas com flores. Acho que ainda precisamos de mais três postagens em plantas e teremos concluído! Espero que a próxima parte não demore tanto.

– – –

Referências:

Linnaeus, C. (1758) Systema Naturae per Regna Tria Naturae…

– – –

*Creative Commons License
Todas as imagens estão licenciadas sob uma Licença Creative Commons de Atribuição e Compartilhamento Igual 4.0 Internacional.

Anúncios

5 Comentários

Arquivado em Botânica, Sistemática, Taxonomia

Eles só se importam se você for fofo: como o carisma prejudica a biodiversidade

por Piter Kehoma Boll

Qual das duas espécies mostradas abaixo é mais carismática?

tangara_chilensis

Tangara chilensis (Tangará-do-paraíso). Foto do usuário do flickr ucumari.*

854px-apocrypta_guineensis2c_volw-wyfie_op_f_sur2c_manie_vd_schijff_bt2c_f

Apocrypta guineensis (uma vespa-do-figo). Foto do usuário JMK do Wikimedia.**

Você provavelmente escolheria a primeira. E se eu perguntasse qual merece mais atenção e esforços para ser preservada, você provavelmente escolheria a ave também, ou ao menos a maioria das pessoas escolheria. Mas qual é o problema com isso? É isso que vou mostrar.

Como todos sabemos, a proteção da diversidade biológica é um assunto importante do mundo atual. Felizmente, há campanhas crescentes promovendo a preservação da biodiversidade, mas infelizmente elas são quase sempre direcionadas a um pequeno subconjunto de espécies. Você pode encontrar organizações buscando proteger tartarugas marinhas, tigres, águias ou pandas-gigantes, mas você consegue pensar em alguma querendo proteger besouros? A maioria dos programas de preservação visa criaturas grandes e carismáticas, como mamíferos, aves e plantas com flores, enquanto organismos menores e não tão fofos seguem negligenciados. E isso não é só verdade em ambientes que incluem pessoas não-biólogas, mas em todos os campos de pesquisa. E mais do que apenas levando a uma proteção de ecossistemas tendenciosa, esta preferência leva a milhares de espécies mal estudadas que poderiam trazer revoluções biotecnológicas para a humanidade.

Num estudo interessante publicado recentemente na Scientific Reports da Nature (veja referência abaixo), Troudet et al. analisaram a tendência taxonômica em dados de biodiversidade ao comparar a ocorrência de dados em vários grupos taxonômicos à diversidade desses grupos. Os resultados são impressionantes, apesar de não muito surpreendentes. Os grupos mais carismáticos, como aves, são, pode-se dizer, superestudados, com um excesso de registros, enquanto outros, como insetos, são altamente subestudados. Enquanto aves apresentam um total de 200 milhões de ocorrências acima do registro ideal, insetos tem cerca de 200 milhões abaixo do número ideal. E a situação não parece estar melhorando muito ao longo dos anos.

41598_2017_9084_fig1_html

A tendência é interessante e clara. A linha vertical indica o número “ideal” de ocorrências de cada grupo. Uma barra verde indica um excesso de ocorrências, enquanto uma barra vermelha indica uma falta de ocorrências. Aves e insetos estão em extremos opostos, mas certamente o desvio dos insetos é bem pior. Figura extraída de Troudet et al. (2017).***

Além disso, o estudo conclui que a principal razão para tal disparidade é simplesmente a preferência da sociedade, ou seja, os grupos mais estudados são os mais amados pelas pessoas em geral. O assunto é realmente um simples caso de carisma e tem pouco a ver com razões científicas ou de viabilidade.

A única maneira de mudar este cenário é se encontrarmos uma maneira de aumentar a percepção e o interesse do público geral sobre grupos menos carismáticos. Temos que torná-los interessantes para o público leigo de forma a receber seu apoio e aumentar o número de biólogos futuros que escolherão trabalhar com essas criaturas negligenciadas, mas muito importantes.

– – –

Leia também:

Encontrados e depois perdidos: o lado não tão iluminado da taxonomia

– – –

Referência:

Troudet, J.; Grandcolas, P.; Blin, A,; Vignes-Lebbe, R.; Legendre, F. (2017) Taxonomic bias in biodiversity data and societal preferences. Scientific Report 7: 9132. https://dx.doi.org/10.1038/s41598-017-09084-6

– – –

*Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons de Atribuição Não Comercial Sem Derivações 2.0 Genérica.

**Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons de Atribuição e Compartilhamento Igual 3.0 Não Adaptada.

***Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons de Atribuição 4.0 Internacional.

Deixe um comentário

Arquivado em Botânica, Conservação, Sistemática, Taxonomia, Zoologia

Sexta Selvagem: Acroqueta-operculada

por Piter Kehoma Boll

Semana passada apresentei uma alga vermelha, o musgo-irlandês. Hoje estou trazendo outra alga, desta vez uma verde, mas essa não é uma alga verde comum, mas sim uma parasita do musgo-irlandês! Então vamos falar sobre Acrochaete operculata, ou a acroqueta-operculada, como eu decidi chamá-la em português, visto que obviamente não haveria um nome comum para uma alga que parasita outra alga.

Descoberta e nomeada em 1988, a acroqueta-operculada é um parasita exclusivo de Chondrus crispus. A infecção ocorre quando zoósporos flagelados do parasita se depositam na parede celular externa do musgo-irlandês, onde começam seu desenvolvimento e digerem a parede celular, penetrando os tecidos do hospedeiro. Em esporófitos do musgo-irlandês, a acroqueta-operculada digere a matriz intercelular e se espalha pela fronde, enquanto em gametófitos as infecções permanecem localizadas, formando pápulas. Os danos causados pela alga verde levam a infecções secundárias por outros organismos, especialmente bactérias, e as frondes infectadas acabam se despedaçando, completamente degradadas.

ccrispus

Uma fronde do hospedeiro (Chondrus crispus) à esquerda e a parasita Acrochaete operculata que infecta seus tecidos à direita. Foto extraída de chemgeo.uni-jena.de

Como mencionado semana passada, os esporófitos e os gametófitos do musgo-irlandês possuem diferentes formas do polissacarídeo carragenina e essa parece ser a razão por que o parasita infecta ambos diferentemente. Os esporófitos possuem lambda-carragenina, a qual parece aumentar a virulência do parasita, enquanto a kappa-carragenina do gametófito parece limitar a dispersão da alga verde.

Desde sua descoberta, a acroqueta-operculada e sua interação com o musgo-irlandês foram estudadas tanto como uma forma de reduzir os danos em cultivos da alga vermelha quanto como um modelo para entender a relação de plantas e seus patógenos.

– – –

Referências:

Bouarab, K.; Potin, P.; Weinberger, F.; Correa, J.; Kloareg, B. (2001) The Chondrus crispus-Acrochaete operculata host-pathogen association, a novel model in glycobiology and applied phycopathology. Journal of Applied Phycology 13(2): 185-193.

Correa, J. A.; McLachlan, J. L. (1993) Endophytic algae of Chondrus crispus (Rhodophyta). V. Fine structure of the infection by Acrochaete operculata (Chlorophyta). European Journal of Phycology 29(1): 33–47. http://dx.doi.org/10.1080/09670269400650461

Correa, J. A.; Nielsen, R.; Grund, D. W. (1988) Endophytic algae of Chondrus crispus (Rhodophyta). II. Acrochaete heteroclada sp. nov., A. operculata sp. nov., and Phaeophila dendroides (Chlorophyta). Journal of Phycology 24: 528–539. http://dx.doi.org/10.1111/j.1529-8817.1988.tb04258.x

 

Deixe um comentário

Arquivado em Algas, Botânica, Doenças, Parasitas, Sexta Selvagem

Sexta Selvagem: Musgo-Irlandês

por Piter Kehoma Boll

Crescendo abundantemente ao longo das costas do Atlântico Norte, nosso novo integrante da Sexta Selvagem é uma alga vermelha cartilaginosa conhecida comumente como musgo-irlandês e cientificamente como Chondrus crispus, que significa algo como “cartilagem crespa”.

chondrus_crispus

O musgo-irlandês geralmente aparece como uma massa de alga crespa macia e cartilaginosa com um tom vermelho ou roxo. Foto do usuário Kontos do Wikimedia.*

Atingindo cerca de 20 cm de comprimento, o musgo-irlandês fica preso ao substrato por uma base discoide e seu talo ramifica dicotomicamente quatro ou cinco vezes. A largura dos ramos pode variar de cerca de 2 a 15 mm e a cor varia ainda mais, indo de verde ou amarelado a vermelho escuro, roxo, marrom ou mesmo branco. Como com outras plantas, o musgo-irlandês tem uma forma gametófita (haploide) e uma esporófita (diploide). Os gametófitos tem uma iridescência azul (como visto na foto acima), enquanto os esporófitos possuem um padrão com pontos (também visto acima).

O musgo-irlandês é comestível e relativamente bem conhecido entre as comunidades vivendo onde ele cresce. Na Irlanda e na Escócia, ele é cozido com leite e adoçado para produzir um produto parecido com gelatina. A aparência cartilaginosa ou gelatinosa dessa alga e seus derivados é devido à presença de grandes concentrações de carragenina, um polissacarídeo que é amplamente usado na indústria alimentícia como agente engrossador e estabilizador e como uma alternativa vegana à gelatina.

Devido à sua importância econômica, o musgo-irlandês é cultivado em tanques para a extração de carragenina e outros produtos. Tanto o gametófito quanto o esporófito produzem carrageninas de tipos diferentes que podem ser usadas para diferentes propósitos.

– – –

Referências:

Chen, L. C.-M.; McLachlan, J. (1972) The life history of Chondrus crispus in culture. Canadian Journal of Botany 50(5): 1055–1060. http://doi.org/10.1139/b72-129

McCandless, E. L.; Craigie, J. S.; Walter, J. A. (1973) Carrageenans in the gametophytic and sporophytic stages of Chondrus crispus. Planta 112(3): 201–212.

Wikipedia. Chondrus crispus. Disponivel em < https://en.wikipedia.org/wiki/Chondrus_crispus >. Acesso em 1 de agosto de 2017.

– – –

*Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons de Atribuição e Compartilhamento Igual 3.0 Não Adaptada.

1 comentário

Arquivado em Algas, Botânica, Sexta Selvagem

Sexta Selvagem: Aperta-ruão

por Piter Kehoma Boll

Um parente da famosa pimenta-preta da Índia que é usada como tempero no mundo todo, a espécie de hoje, o aperta-ruão Piper aduncum, vem da América do Sul, tendo também outros nomes populares no Brasil, como mático, falso-jaborandi, tapa-buraco e pimenta-de-macaco.

Crescendo como uma pequena árvore ou arbusto, o aperta-ruão é disseminado pelo continente, sendo encontrado tanto na floresta Atlântica quanto na floresta Amazônica. Com um odor apimentado como as outras pimentas, ele pode ser usado como substituto a elas na preparação de comida, mas seus principais usos são medicinais.

Piper_aduncum

Detalhe de um ramo de Piper aduncum mostrando as inflorescências. Foto de João Medeiros.*

Ele é classicamente usado por populações locais como um antisséptico aplicado diretamente em feridas abertas e também como infusão ou pasta para tratar desordens gastrointestinais e problemas dos órgãos genitais. Estudos em laboratório usando extratos da planta concluíram que ela tem propriedades moluscidas e antibacterianas, assim tendo potencial de ser usado tanto como antisséptico quanto como pesticida contra moluscos.

Fora da América do Sul, o aperta-ruão se tornou uma espécie invasora problemática em várias ilhas do Pacífico, tal como Nova Guiné e Fiji. Na Papua-Nova Guiné, ela se tornou tão comum que foi incorporada na cultura dos povos locais, os quais a usam como fonte de madeira e como medicamento e pesticida.

– – –

Referências:

Maia, J., Zohhbi, M., Andrade, E., Santos, A., da Silva, M., Luz, A., & Bastos, C. (1998). Constituents of the essential oil ofPiper aduncum L. growing wild in the Amazon region Flavour and Fragrance Journal, 13 (4), 269-272 DOI: 10.1002/(SICI)1099-1026(1998070)13:43.0.CO;2-A

Orjala, J., Wright, A., Behrends, H., Folkers, G., Sticher, O., Rüegger, H., & Rali, T. (1994). Cytotoxic and Antibacterial Dihydrochalcones from Piper aduncum Journal of Natural Products, 57 (1), 18-26 DOI: 10.1021/np50103a003

Potzernheim, M., Bizzo, H., Silva, J., & Vieira, R. (2012). Chemical characterization of essential oil constituents of four populations of Piper aduncum L. from Distrito Federal, Brazil Biochemical Systematics and Ecology, 42, 25-31 DOI: 10.1016/j.bse.2011.12.025

Siges, T., Hartemink, A., Hebinck, P., & Allen, B. (2005). The Invasive Shrub Piper aduncum and Rural Livelihoods in the Finschhafen Area of Papua New Guinea Human Ecology, 33 (6), 875-893 DOI: 10.1007/s10745-005-8214-7

– – –

*Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons de Atribuição 2.0 Genérica.

Deixe um comentário

Arquivado em Botânica, Sexta Selvagem

Sexta Selvagem: Antócero-do-campo

por Piter Kehoma Boll

Três semanas atrás a Sexta Selvagem trouxe um musgo, sendo aquela a terceira planta não-vascular apresentada. E antes de voltarmos às plantas vasculares, vamos dar uma olhada em outro camarada não-vascular da única divisão não-vascular que ainda não foi apresentada aqui, os antóceros.

A espécie que escolhi para começar a participação de antóceros é o antócero-do-campo, Anthoceros agrestis.

Anthoceros_agrestis

Um pedaço de solo com o antócero-do-campo crescendo em cima. Foto do usuário BerndH do Wikimedia.*

Como outros antóceros, o antócero-do-campo tem uma fase gametófito dominante que aparece como uma planta achatada pequena crescendo bem perto do solo. O esporófito cresce sobre ele e tem a forma de um chifre vertical alongado, de onde o nome antócero (“chifre-flor”).

Encontrado na Europa e na América do Norte, o antócero-do-campo geralmente cresce em locais úmidos e está geralmente cercado de musgos. Seu gametófito tem algumas cavidades preenchidas de mucilagem que são o local favorito para espécies de cianobactérias do gênero Nostoc crescerem. Essa associação é o que faz os antóceros adquirirem seu tom ligeiramente azulado.

O antócero-do-campo tem o menor genoma de todas as plantas não-vasculares estudadas até o presente e por isso ele tem sido cultivado para servir como um interessante organismo-modelo.

– – –

Referências:

EOL – Encyclopedia of life. Field Hornwort. Disponível em <http://eol.org/pages/399515/overview&gt;. Acesso em 18 de maio de 2017.

Szövényi, P., Frangedakis, E., Ricca, M., Quandt, D., Wicke, S., & Langdale, J. (2015). Establishment of Anthoceros agrestis as a model species for studying the biology of hornworts BMC Plant Biology, 15 (1) DOI: 10.1186/s12870-015-0481-x

– – –

*Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons de Atribuição e Compartilhamento Igual 3.0 Não Adaptada.

Deixe um comentário

Arquivado em Botânica, Sexta Selvagem

Sexta Selvagem: Musgo-da-terra-espalhado

por Piter Kehoma Boll

Se você ainda acha que musgos não são interessantes, talvez mude de ideia depois de conhecer o musgo-da-terra-espalhado, Physcomitrella patens.

Encontrado em regiões temperadas do mundo, exceto na América do Sul, mas mais comum na América do Norte e na Eurásia, o musgo-da-terra-espalhado cresce perto de corpos d’água, sendo uma das primeiras espécies a colonizar o solo exposto em torno de poças d’água. Apesar de amplamente distribuído, não é uma espécie comum.

Physcomitrella_patens

O musgo-da-terra-espalhado crescendo na lama. Foto de Hermann Schachner.

Desde o começo dos anos 1970, o musgo-da-terra-espalhado vem sendo usado como organismo modelo, especialmente em relação a manipulação de genes. Diferente do que ocorre em plantas vasculares, a fase dominante em musgos é o gametófito, um organismo haploide, o que significa que ele tem apenas uma cópia de cada cromossomo nas células. Essa é uma condição ideal para o estudo da expressão de genes, já que a ativação e desativação de um gene não é mascarada por um segundo em outra cópia do cromossomo na mesma célula.

Physcomitrella_patens_ecotypes

Physcomitrella patens crescendo no laboratório. Créditos ao laboratório de Ralf Reski.*

Ao controlar a expressão gênica no musgo-da-terra-espalhado, pesquisadores podem traçar o papel de cada um deles no desenvolvimento da planta. Comparar esses dados com o que é conhecido de plantas com flores pode levar a um melhor entendimento de como o reino das plantas evoluiu.

– – –

Referências:

Cove, D. (2005). The Moss Physcomitrella patens Annual Review of Genetics, 39 (1), 339-358 DOI: 10.1146/annurev.genet.39.073003.110214

Schaefer, D. (2001). The Moss Physcomitrella patens, Now and Then PLANT PHYSIOLOGY, 127 (4), 1430-1438 DOI: 10.1104/pp.127.4.1430

– – –

*Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons de Atribuição e Compartilhamento Igual 3.0 Não Adaptada.

Deixe um comentário

Arquivado em Biologia Molecular, Botânica, Sexta Selvagem