Arquivo da categoria: Criptídeos

A Planaria elegans de Darwin: escondida, extinta ou mal identificada?

por Piter Kehoma Boll

Durante sua viagem épica no Beagle, Charles Darwin visitou o Rio de Janeiro, no Brasil, e coletou algumas incríveis planárias terrestres, um grupo que até então era muito pouco conhecido. Uma das espécies que ele encontrou foi Geoplana vaginuloides, a espécie-tipo do gênero Geoplana, na época chamada Planaria vaginuloides.

f6387-vaginuloides-pedrabranca40

Geoplana vaginuloides (Darwin, 1844), a primeira espécie de planária terrestre brasileira a ser descrita. Foto de Fernando Carbayo.*

A segunda espécie descrita por Darwin foi chamada Planaria elegans. A descrição de Darwin é como segue (traduzida do original em inglês):

“Posição dos orifícios como em P. vaginuloides. Parte anterior do corpo pouco alongada. Ocelos ausentes na extremidade anterior, e somente alguns poucos ao redor da margem do pé. Cores belas; dorso branco-neve, com duas linhas aproximadas de marrom-avermelhado; próximo dos lados com várias linhas finas paralelas do mesmo tom; pé branco, exteriormente marcado, junto com a margem do pé, com roxo-enegrecido-pálido: corpo cruzado por três anéis sem cor, nos dois posteriores se situam os orifícios. Comprimento 1 polegada; largura mais uniforme, e maior em proporção ao comprimento do corpo que na última espécie.
Hab. O mesmo que em P. vaginuloides. [Rio de Janeiro]”

E isso é tudo que sabemos desta espécie. Darwin não forneceu nenhum desenho e pesquisadores posteriores não registraram a espécie novamente, exceto quando mencionando a publicação de Darwin. Como você pode ver pela descrição, ela não é muito acurada. Ele não diz qual é a largura de cada linha ou banda, nem quantas as “várias linhas finas paralelas do mesmo tom” há. Aqui está um rápido desenho que eu fiz de como eu imagino que a criatura seria:

planaria_elegans-e1504825786935

Minha ideia de com o que a Planaria elegans de Darwin deve ter se parecido. Cabeça para a esquerda. Créditos para mim mesmo, Piter Kehoma Boll.**

Em 1938, Albert Riester descreveu uma planária terrestre de Barreira, um distrito na cidade de Teresópolis, Rio de Janeiro, chamando-a Geoplana barreirana. Ele a descreveu como segue (traduzido do original em alemão):

“Planária terrestre encontrada sobre uma folha depois de uma chuva; maior comprimento ca. 20 mm. Meio do dorso branco com duas finas estrias paralelas roxo-vermelhas (atropurpúreo claro). Do lado de fora do branco também limitado por vermelho pálido, então segue (de cada lado) uma faixa preta e lateralmente um padrão marmorado marrom-preto sobre um fundo marrom. A listra do meio termina na [extremidade] posterior. Cabeça manchada, marcada por faixas transversais manchadas (regenerado?). Lado inferior cinza, bordeado de marrom-preto. Extremidade anterior é arqueada para trás.”

Felizmente, Riester forneceu um desenho, o qual você pode ver abaixo:

barreirana_barreirana_riester

Geoplana barreirana desenhada por Riester (1938).

Elas se parecem um pouco, certo? Felizmente Geoplana barreirana (atualmente chamada Barreirana barreirana) foi encontrada por pesquisadores posteriores e temos fotografias! Veja um espécime abaixo:

f6284_barreiranatijuca3

Um espécime de Barreirana barreirana encontrado no Parque Nacional da Tijuca, Rio de Janeiro. Foto de Fernando Carbayo.*

Riester não descreveu nenhuma marca transversal em seus espécimes, mas ele pode tê-los confundido com perda de cor em espécies preservados ou algo assim. Fora isso o espécime é muito similar ao desenho de Riester, e a anatomia interna, a qual Riester forneceu também, é compatível.

Agora vamos tentar encaixar a descrição de Darwin de Planaria elegans nessa fotografia. Fundo branco, duas listras marrom-avermelhas e várias listras finas paralelas do mesmo tom. Ele provavelmente descreveu os animais a partir de espécimes preservados, mesmo tendo-os visto vivos e os coletado. Talvez as cores já estivessem um pouco apagadas e as listras pretas, que internamente tocam duas das listras avermelhadas, possam ter sido consideradas uma única listra vermelho-roxa? Não fica claro, na sua descrição, se há branco entre as linhas marrom-avermelhadas e os lados de “roxo-enegrecido pálido”, como eu fiz no desenho, ou não, como em Barreirana barreirana, mas certamente os lados cinza-escuros de B. barreirana poderia ser o mesmo que os lados roxo-enegrecido pálidos de Planaria elegans, não acha? E B. barreirana TEM três “anéis” brancos cruzado no corpo. Você pode ver o primeiro e o segundo bem claramente no espécime acima. O terceiro não é muito bem marcado, mas você pode ver uma terceira marca branca interrompendo os lados cinzas. E as segunda e quase terceira marcadas parecem estar bem onde se esperariam estar os dois orifícios (boca e gonóporo) da planária!

E quanto ao lado ventral?  Darwin descreveu o de P. elegans como sendo branco com borda roxo-enegrecida pálida como os lados do dorso. Riester descreveu o de G. barreirana como sendo cinza bordeado de marrom-preto. Aqui está o lado ventral de Barreirana barreirana:

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Lado ventral de Barreirana barreirana do Parque Nacional da Tijuca, Rio de Janeiro. Foto de Fernando Carbayo.*

É branco, ou cinza-claro talvez, e as bordas são da mesma cor dos lados do dorso!

Eu acho que é muito, muito provável que a Planaria elegans de Darwin e a Geoplana barreirana de Riester sejam a mesma espécie. O fato de ninguém mais além de Darwin jamais ter visto um espécime de P. elegans torna isso ainda mais provável.

O que você acha?

– – –

Veja também:

A fabulosa aventura taxonômica do gênero Geoplana.

– – –

Referências:

Darwin, C. (1844) Brief Description of several Terrestrial Planariae, and of some remarkable Marine Species, with an Account of their Habits. Annals and Magazine of Natural History 14, 241–251.

Riester, A. (1938) Beiträge zur Geoplaniden-Fauna Brasiliens. Abhandlungen der senkenbergischen naturforschenden Gesellschaft 441, 1–88.

– – –

*Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons de Atribuição Não Comercial 3.0 Não Adaptada.

**Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons de Atribuição e Compartilhamento Igual 4.0 Internacional.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Criptídeos, Extinção, Taxonomia, vermes, Zoologia

O que na Terra é Leimacopsis terricola? Um mistério platelmíntico.

por Piter Kehoma Boll

Ah, os velhos tempos…

Os séculos XVIII e XIX foram bem marcados por expedições mundiais de naturalistas a bordo de navios viajando ao redor do mundo. Charles Darwin é certamente o mais famoso deles, mas ele não foi o único.

Um destes naturalistas foi Karl Ludwig Schmarda, nascido em 1819. Ele estudou em Viena e foi posteriormente um professor em Graz, Áustria. De 1853 a 1857, ele viajou ao redor do mundo investigando várias localidades e coletando primariamente invertebrados. Depois de seu retorno, ele publicou um trabalho entitulado Neue wirbellose Thiere beobachtet und gesammelt auf einer Reise um die Erde 1853 bis 1857 (Novos animais invertebrados observados e amostrados em uma viagem ao redor da Terra, 1853 a 1857).

Entre os incontáveis animais que ele descreveu havia um verme que ele chamou de Prostheceraeus terricola. A descrição é como segue:

Prostheceraeus terricola. Schmarda.
Taf. VI. Fig. 69.

Char. : Corpus oblongo-lanceolatum. Dorsum convexum viride. Fascia mediana et margo purpureus. Tentacula subuliformia.

Der Körper ist weniger flach als in andern Planarien, länglich, hinten lanzettförmig zugespitzt, vorne beinahe quer abgeschnitten. Die Fühler sind kurz und pfriemenförmig zugespitzt. Der Rücken ist stark convex, fast grasgrün, mit einer purpurrothen Längslinie nach seinem ganzen Verlaufe. Der Rand nicht wellenförmig, purpurroth gesäumt. Die Hauchfläche ist grünlichgrau. Die Länge 20mm, grösste Breite 5mm. Die Augen sind am innern Rande und der Basis der Fühler. Die Gruppe im Nacken, habe ich nicht beobachtet. Die Mundöffnung ist im vordern Drittel. Die Geschlechtsöffnungen habe ich nicht aufgefunden.
Der Grund meiner unvollständigen Kenntniss dieser Thierform ist der Umstand, dass ich nur ein Exemplar in dem obern Theile des Quindiu-Passes ober der Region der Bergpalmen gefunden hatte, welches ich in Gallego skizzirte, das aber schon zu Grunde gegangen war, als ich es in meiner Abendstation in Tocho einer wiederholten nähern Prüfung unterziehen wollte.

Em português:

Corpo oblongo-lanceolado. Dorso convexo verde. Listras mediana e marginais roxas. Tentáculos em forma de furador.

O corpo é menos achatado que em outras planárias, alongado, atrás pontudo e lanceolado, na frente quase transversalmente cortado. Os sensores são curtos e em formato de furador. O dorso é fortemente convexo, quase verde-grama com uma linha roxa correndo completamente ao longo dele. Margem não ondulada e colorida de roxo. A superfície ventral é cinza esverdeado. Comprimento de 20 mm, largura máxima 5 mm. Os olhos são na borda interna e na base dos sensores. O grupo no pescoço em não observei. A abertura da boca é no terço anterior. A abertura sexual eu não encontrei.
A razão do meu conhecimento incompleto desta forma animal é devido à circunstância de encontrar apenas um espécime na parte superior da passagem Quindiu acima da região das palmeiras das montanhas, o qual rascunhei em Gallego, visto que ele já estava se deteriorando, para fazer uma revisão ao voltar para a estação em Tocho.

Aqui você pode ver um desenho do animal:

Desenho de Prostheceraeus terricola por Schmarda, 1859

Desenho de Prostheceraeus terricola por Schmarda, 1859

Schmarda pôs outros vermes no mesmo gênero, todos eles marinhos. O gênero é válido até hoje para espécies marinhas e elas são classificadas como pertencendo a Polycladida, aqueles belos platelmintos marinhos.

De fato, este animal na verdade se parece um pouco com um policladido, mas Schmarda o encontrou no topo das montanhas! Isso é bem incomum, e infelizmente ele encontrou somente um espécime.

Prostheceraeus giesbrechtii, outra espécie descrita por Schmarda (1859). Foto de Parent Géry.

Prostheceraeus giesbrechtii, outra espécie descrita por Schmarda (1859). Foto de Parent Géry.

Mais tarde, em 1862, K. M. Diesing fez uma revisão de turbelários e definiu que, como a criatura vivia na terra, ela certamente era uma coisa diferente de um policladido e a mudou para um novo gênero que ele chamou de Leimacopsis (semelhante a lesma):

XVIII. LEIMACOPSIS DIESING.
Prostheceraei spec. Schmarda.

Corpus elongato-lanceolatum, supra convexum. Caput corpore continuum antice truncatum, tentaculis duobus genuinis frontalibus. Ocelli numerosi tentaculorum. Os ventrale antrorsum situm, oesophago… Apertura genitalis. . . Terrestres, Americae tropicae.

1. Leimacopsis terricola DIESING.
Corpus elongato-lanceolatum, supra convexum, viride, vitta mediana corpori aequilonga et marginibus haud undulatis purpureis, subtus viridi-cinereum. Tentacula subuliformia, brevia. Ocelli ad marginem internum et ad basim tentaculorum. Os in anteriore corporis tertia parte. Longit. 10′”, latit. 2 1/3 “.
Prostheceraeus terricola Schmarda: Neue wirbell. Th. I. 1. 30. Tab. VI. 69.
Habitaculum. In parte superiore transitus Andium Quindiu, supra regionem Palmarum montanarum (Bergpalmen), specimen unicum (Schmarda).

É basicamente uma repetição da descrição de Schmarda e baseada somente nela. Parece que mais nenhum outro espécime fora encontrado até este tempo.

Anos mais tarde, em 1877, H. N. Moseley publicou um catálogo de todas as planárias terrestres conhecidas até o momento. Ele incluiu Leimacopsis terricola com a seguinte descrição:

Family. — Leimacopsidæ, Diesing.

Genus Leimacopsis. — Diesing, Revision der Turbellarien, Abtheilung Dendrocoelen, Sitzbt. Akad. Wiss., Wien, 1861, p. 488.
Leimacopsis terricola.—Diesing, 1. c.
Prostheraceus terricola. — Schmarda, ‘Neue Wirbellose Thiere,’ Th. 1, 1—30, Tab. VI, fig. 69.
With a pair of true frontal tentacles beset with numerous eyes. Occurs high up in the Andes at the pass of Quindiu, above the region of mountain palms.

Como pode-se ver, é novamente uma simples repetição da descrição de Schmarda baseada naquele único espécie de 20 anos antes, mas a partir de Diesing o animal passou a ser considerado uma planária terrestre em vez de um policladido.

Depois em 1899, Ludwig von Graff publicou sua grande monografia dos turbelários e eu estou certo de ter visto algo sobre Leimacopsis lá. Infelizmente nunca encontrei uma versão digital e não tenho uma cópia física de fácil acesso, mas de acordo com Ogren (1992), é só uma repetição de Schmarda. Graff, contudo, trocou a ortografia para Limacopsis, mas isso não é válido de acordo com o Código Internacional de Nomenclatura Zoológica.

Em 1914, finalmente um novo artigo, por O. Fuhrmann, foi publicado sobre planárias terrestres da Colômbia. Ele começa comentando que havia somente três espécies conhecidas para o país para esse momento, um deles sendo Limacopsis [sic] terricola. Contudo a espécie não foi encontrada de novo nessa ocasião…

Os anos se passaram e nada mudou. Em 1991, Ogren & Kawakatsu, em parte de seu índice de espécies de planárias terrestres, comentam que vários pesquisadores, incluindo E. M. Froehlich e L. H. Hyman, consideravam Leimacopsis terricola como sendo possivelmente uma lesma.

Em 1992, Robert Ogren escreveu uma revisão excelente desta espécie, a qual apresenta toda a informação que dei aqui e muito mais. Ele concluiu que o organismo é uma species inquerenda (que necessita de mais investigação) e nomen dubium (nome duvidoso). Não é possível considerar o animal nem como planária nem como molusco, ou qualquer outra coisa devido à falta de informação. Ogren o considerou como “claramente pertencendo ao mundo da criptozoologia”.

Como podemos ver, os criptídeos não precisam ser animais grandes como dinossauros ou pés-grandes. Mesmo pequenos vermes parecidos com lesmas dos Andes podem servir.

Leimacopsis terricola é certamente um organismo interessante. O que ele era realmente? Ele era real? Talvez uma pesquisa extensiva na árvore pudesse revelar algo… ou não. Vamos esperar… ou quem sabe… que tal ir para uma aventura na região andina colombiana em busca desta misteriosa criatura?

– – –

Referências:

Diesing, K. M. 1862. Revision der Turbellarien. Abtheilung: Dendrocoelen. Keiserlich-Königlichen Hof- und Staatsdruckerei DOI: 10.5962/bhl.title.2108

Fuhrmann, O. 1914. Planaires terrestres de Colombie. In: Fuhrmann & Mayor (eds.) Voyage d’Exploration Scientifique en Colombie. Mémoires de la Société des sciences naturelles de Neuchâtel, 5 (2), 748-792

Moseley, H. 1874. On the Anatomy and Histology of the Land-Planarians of Ceylon, with Some Account of Their Habits, and a Description of Two New Species, and with Notes on the Anatomy of Some European Aquatic Species. Philosophical Transactions of the Royal Society of London, 164, 105-171 DOI: 10.1098/rstl.1874.0005

Ogren, R. E. 1992. The systematic position of the cryptic land organism, Leimacopsis terricola (Schmarda, 1859)(olim Prostheceraeus)(Platyhelminthes). Journal of The Pennsylvania Academy of Science, 66 (3), 128-134

Ogren, R. E. & Kawakatsu, M. 1991. Index to the species of the family Geoplanidae (Turbellaria, Tricladida, Terricola) Part II: Caenoplaninae and Pelmatoplaninae. Bulletin of Fuji Women’s College, 29, 35-58

Schmarda, L. K. 1859. Thiere beobachtet und gesammelt auf einer Reise um die Erde 1853 bis 1857. Lepizig: W. Engelmann. DOI: 10.5962/bhl.title.14426

Deixe um comentário

Arquivado em Criptídeos, Sistemática, Zoologia