A história da Sistemática: Plantas no Systema Naturae, 1758 (parte 3)

por Piter Kehoma Boll

Esta é a terceira parte sobre a classificação de Linnaeus das plantas. Veja aqui as parte 1 e parte 2.

7. Heptandria (“sete machos”)

“Sete maridos em cada casamento”, isto é, sete estames em uma flor hermafrodita.

7.1 Heptandria Monogynia (“sete machos e uma fêmea”), sete estames e um pistilo em uma flor hermafrodita: Trientalis (verdes-do-inverno), Aesculus (olhos-de-bode).

7.2 Heptandria Digynia (“sete machos e duas fêmeas”), sete estames e dois pistilos em uma flor hermafrodita: Limeum (límeos).

O verde-do-inverno-europeu (Trientalis europaea) e o castanheiro-da-Índia (Aesculus hippocastanum) estavam na ordem Heptandria Monogynia, enquanto o límeo-africano (Limeum africanum) estava na ordem Heptandria Digynia. Créditos a Beth Loft (verde-do-inverno), usuário do Wikimedia Opuntia (castanheiro-da-Índia) e Malcolm Manners (límeo).

O verde-do-inverno-europeu (Trientalis europaea, esquerda) e o castanheiro-da-Índia (Aesculus hippocastanum, centro) estavam na ordem Heptandria Monogynia, enquanto o límeo-africano (Limeum africanum, direita) estava na ordem Heptandria Digynia.
Créditos a Beth Loft (verde-do-inverno), usuário do Wikimedia Opuntia (castanheiro-da-Índia) e Malcolm Manners (límeo).

8. Octandria (“oito machos”)

“Oito maridos em um casamento”, isto é, oito estames em uma flor hermafrodita.

8.1 Octandria Monogynia (“oito machos e uma fêmea”), oito estames e um pistilo em uma flor hermafrodita: Tropaeolum (capuchinhas), Osbeckia (osbéquias), Rhexia (manacás-do-prado), Oenothera (estrelas-da-tarde), Gaura (moitas-borboleta), Epilobium (ervas-salgueiro), Combretum (escovas-de-macaco), Grislea (mais uma escova-de-macaco), Allophylus (olhos-de-pombo), Mimusops (cerejas-longas),  Jambolifera (paolai), Amyris (paus-tocha), Santalum (sândalos), Memecylon (espumas-azuis), Lawsonia (hena), Vaccinium (mirtilos, oxicocos), Erica (urzes), Daphne (dafnes), Dirca (paus-couro), Gnidia (gnídias), Stellera (esteleras), Passerina (pardaleiras), Lachnaea (lacneias), Baeckea (mirtas-urze).

Todas as plantas acima foram postas por Linnaeus na ordem Octandria Monogynia (da esquerda para a direita, de cima para baixo): capuchinha-de-jardim (Tropaeolum majus), osbéquia-da-China (Osbeckia chinesis), manacá-do-prado-da-Virgínia (Rhexia virginica), estrela-da-tarde-comum (Oenothera biennis), moita-borboleta-bienal (Gaura biennis), erva-salgueiro-eriçada (Epilobium hirsutum), escova-da-macaco-alaranjada (Combretum occidentale, agora Combretum fruticosum), cerejeira-espanhola (Mimusops elengi), paolai (Jambolifera pedunculata, agora Acronychia pedunculata), pau-tocha-da-praia (Amyris elemifera), sândalo-da-Índia (Santalum album), hena (Lawsonia inermis), mirtilo-do-banhado (Vaccinium corymbosum), urze-roxa (Erica cinerea), dafne-de-fevereiro (Daphne mezereum), pau-couro-oriental (Dirca palustris), gnídia-tomentosa (Gnidia tomentosa), jasmim-de-chão (Stellera chamaejasme), pardaleira-ciliada (Passerina ciliata, agora Struthiola ciliata), murta-urze-arbustiva (Baeckea frutescens). Créditos a Franz Xaver (osbéquia), Isidre Blanc (erva-salgueiro), Noel Leinekar (escova-de-macaco), Nyanatusita Bhikkhu (paolai), Smithsonian Institue (pau-tocha), J. M. Garg (sândalo), Kurt Stüber (mirtilo), Enrico Blasutto (dafne), Fritz Flohr Reynolds (pau-couro), Peter Baker (gnídia), Jan Reurink (jasmim-de-chão), Missouri Botanical Garden (pardaleira), Wibowo Djamitko (murta-urze), usuários do Wikimedia Armon (capuchinha), TeunSpaans (estrela-da-tarde), Tu7uh (hena), Peigimccann (urze), e usuário do flickr Lalithamba (cerejeira-espanhola).

Todas as plantas acima foram postas por Linnaeus na ordem Octandria Monogynia (da esquerda para a direita, de cima para baixo): capuchinha-de-jardim (Tropaeolum majus), osbéquia-da-China (Osbeckia chinesis), manacá-do-prado-da-Virgínia (Rhexia virginica), estrela-da-tarde-comum (Oenothera biennis), moita-borboleta-bienal (Gaura biennis), erva-salgueiro-eriçada (Epilobium hirsutum), escova-da-macaco-alaranjada (Combretum occidentale, agora Combretum fruticosum), cerejeira-espanhola (Mimusops elengi), paolai (Jambolifera pedunculata, agora Acronychia pedunculata), pau-tocha-da-praia (Amyris elemifera), sândalo-da-Índia (Santalum album), hena (Lawsonia inermis), mirtilo-do-banhado (Vaccinium corymbosum), urze-roxa (Erica cinerea), dafne-de-fevereiro (Daphne mezereum), pau-couro-oriental (Dirca palustris), gnídia-tomentosa (Gnidia tomentosa), jasmim-de-chão (Stellera chamaejasme), pardaleira-ciliada (Passerina ciliata, agora Struthiola ciliata), murta-urze-arbustiva (Baeckea frutescens). Créditos a Franz Xaver (osbéquia), Isidre Blanc (erva-salgueiro), Noel Leinekar (escova-de-macaco), Nyanatusita Bhikkhu (paolai), Smithsonian Institue (pau-tocha), J. M. Garg (sândalo), Kurt Stüber (mirtilo), Enrico Blasutto (dafne), Fritz Flohr Reynolds (pau-couro), Peter Baker (gnídia), Jan Reurink (jasmim-de-chão), Missouri Botanical Garden (pardaleira), Wibowo Djamitko (murta-urze), usuários do Wikimedia Armon (capuchinha), TeunSpaans (estrela-da-tarde), Tu7uh (hena), Peigimccann (urze), e usuário do flickr Lalithamba (cerejeira-espanhola).

8.2 Octandria Digynia (“oito machos e duas fêmeas”), oito estames e dois pistilos em uma flor hermafrodita: Galenia (galênias), Weinmannia (gramoinhas), Moehringia (arenárias-do-musgo).

Estas eram as únicas três espécies na ordem Octandria Digynia (da esquerda para a direita, de cima para baixo): galênia-africana (Galenia africana), gramoinha-pinada (Weinmannia pinnata), arenária-do-musgo-comum (Moehringia muscosa). Créditos a usuário do Wikimedia Jklaasen (galênia), Stan Shebs (gramoinha).

Estas eram as únicas três espécies na ordem Octandria Digynia (da esquerda para a direita): galênia-africana (Galenia africana), gramoinha-pinada (Weinmannia pinnata), arenária-do-musgo-comum (Moehringia muscosa). Créditos a usuário do Wikimedia Jklaasen (galênia), Stan Shebs (gramoinha).

8.3 Octandria Trigynia (“oito machos e três fêmeas”), oito estames e três pistilos em uma flor hermafrodita: Polygonum (ervas-de-bicho), Coccoloba (canassus e uvas-da-praia), Paullinia (cipós-caruru), Cardiospermum (planta-balão), Sapindus (saboeiros).

A ordem Octandria Trigynia incluía (da esquerda para a direita) a erva-de-bicho-comum (Polygonum aviculare), a uva-da-praia-comum (Coccoloba uvifera), o cipó-caruru-de-cacho (Paullinia pinnata), a planta-balão (Cardiospermum halicacabum) e o saboeiro-comum (Sapindus saponaria). Créditos a Daniel di Palma (uva-da-praia), Marco Schmidt (cipó-caruru), João Medeiros (saboeiro) e usuários do Wikimedia Dalgial (erva-de-bicho) e KENPEI (planta-balão).

A ordem Octandria Trigynia incluía (da esquerda para a direita) a erva-de-bicho-comum (Polygonum aviculare), a uva-da-praia-comum (Coccoloba uvifera), o cipó-caruru-de-cacho (Paullinia pinnata), a planta-balão (Cardiospermum halicacabum) e o saboeiro-comum (Sapindus saponaria). Créditos a Daniel di Palma (uva-da-praia), Marco Schmidt (cipó-caruru), João Medeiros (saboeiro) e usuários do Wikimedia Dalgial (erva-de-bicho) e KENPEI (planta-balão).

8.4 Octandria Tetragynia (“oito machos e quatro fêmeas”), oito estames e quatro pistilos em uma flor hermafrodita: Paris (nós-de-amante), Adoxa (moscatelina), Elatine (ervas-d’água).

O nó-de-amante-verdadeiro (<i>Paris quadrifolia</i>, esquerda), a moscatelina (<i>Adoxa moschatellina</i>, centro), e a erva-d’água-comum (<i>Elatine alsinastrum</i>, direita) estavam na ordem Octandria Tetragynia. Créditos a Stefan Lefnaer (erva-d’água) e usuários do Wikimedia Rasbak (nó-de-amante) e Pleple2000 (moscatelina).

O nó-de-amante-verdadeiro (Paris quadrifolia, esquerda), a moscatelina (Adoxa moschatellina, centro), e a erva-d’água-comum (Elatine alsinastrum, direita) estavam na ordem Octandria Tetragynia. Créditos a Stefan Lefnaer (erva-d’água) e usuários do Wikimedia Rasbak (nó-de-amante) e Pleple2000 (moscatelina).

9. Enneandria (“nove macos”)

“Nove maridos em cada casamento”, isto é, nove estames em uma flor hermafrodita.

9.1 Enneandria Monogynia (“nove machos e uma fêmea”), nove estames e um pistilo em uma flor hermafrodita: Laurus (loureiro, caneleira, abacateiro, etc), Tinus (cletra-ocidental).

9.2 Enneandria Trigynia (“nove machos e três fêmeas”), nove estames e três pistilos em uma flor hermafrodita: Rheum (ruibarbos).

9.3 Enneandria Hexagynia (“nove machos e seis fêmeas”), nove estames e seis pistilos em uma flor hermafrodita: Butomus (juncos-floridos).

(Da esquerda para a direita) o loureiro (Laurus nobilis) e a cletra-ocidental (Tinus occidentalis, agora Clethra mexicana) estavam na ordem Enneandria Monogynia. O ruibarbo (Rheum rhabarbaum) estava na ordem Enneandria Trigynia; e o junco-florido (Butomus umbellatus) estava na ordem Enneandria Hexagynia. Créditos a Júlio Reis (loureiro), Christian Fischer (junco-florido) e usuário do Wikimedia Rasbak (ruibarbo).

(Da esquerda para a direita) o loureiro (Laurus nobilis) e a cletra-ocidental (Tinus occidentalis, agora Clethra mexicana) estavam na ordem Enneandria Monogynia. O ruibarbo (Rheum rhabarbaum) estava na ordem Enneandria Trigynia; e o junco-florido (Butomus umbellatus) estava na ordem Enneandria Hexagynia. Créditos a Júlio Reis (loureiro), Christian Fischer (junco-florido) e usuário do Wikimedia Rasbak (ruibarbo).

10. Decandria (“dez machos”)

“Dez maridos em cada casamento”, isto é, dez estames em uma flor hermafrodita.

10.1 Decandria Monogynia (“dez machos e uma fêmea”), dez estames e um pistilo em uma flor hermafrodita: Sophora (vagens-colar), Anagyris (ouro-de-risco), Cercis (botões-rubros), Bauhinia (patas-de-vaca), Hymenaea (jatobá), Parkinsonia (cina-cina), Cassia (cássias e senas), Poinciana (flor-de-pavão), Caesalpinia (pau-ferros), Guilandia (moringas), Guaiacum (guaiacos), Cynometra (mães-de-cão), Anacardium (cajueiro), Dictamnus (arbusto-flamejante), Ruta (arrudas), Toluifera (balsameiro-de-tolu), Haematoxylum (campeche), Adenanthera (carolina), Trichilia (triquílias), Melia (cinamomo e amargosa), Zygophyllum (favagens), Fagonia (fagônias), Tribulus (abrolhos), Monotropa (cachimbos-de-holandês), Jussiaea (cruzes-de-malta), Melastoma (línguas-azuis, melastomas, pixiricas, etc), Kalmia (mata-ovelhas), Ledum (alecrim-bravo), Rhododendron (rododendros), Andromeda (alecrim-do-pântano, urzes-musgos), Epigaea (epigeia), Gaultheria (baga-de-buxo), Arbutus (medronheiros), Clethra (doce-de-verão), Pyrola (verdes-de-inverno), Samyda (carrapetas), Bucida (ucar).

A ordem Decandria Monogynia incluía (da esquerda para a direita, de cima para baixo): vagem-colar-comum (Sophora tomentosa), ouro-de-risco (Anagyris foetida), árvore-de-Judas (Cercis siliquastrum), pata-de-vaca-branca-anã (Bauhinia acuminata), jatobá (Hymenaea courbaril), cina-cina (Parkinsonia aculeata), canafístula (Cassia fistula), flor-de-pavão (Poinciana pulcherrima, agora Caesalpinia pulcherrima), pau-brasil-da-Índia (Caesalpinia sappan), moringa (Guilandia moringa, agora Moringa oleifera), guaiaco-comum (Guaiacum officinale), mãe-de-cão-comum (Cynometra cauliflora), cajueiro (Anacardium occidentale), arbusto-flamejante (Dictamnus albus), arruda-comum (Ruta graveolens), balsameiro-de-tolu (Toluifera balsamum, agora Myroxylon balsamum), campeche (Haematoxylum campechianum), carolina (Adenanthera pavonina), cinamomo (Melia azedarach), favagem-comum (Zygophyllum fabago), fagônia-de-Creta (Fagonia cretica), abrolho-comum (Tribulus terrestris), cachimbo-de-holandês-comum (Monotropa hypopitys), cruz-de-malta-do-Peru (Jussiaea peruviana, agora Ludwigia peruviana), melastoma-de-Malabar (Melastoma malabathricum), mata-ovelha-da-montanha (Kalmia latifólia), alecrim-bravo (Ledum palustre, agora Rhododendron tomentosum), rosa-dos-alpes-ferrugínea (Rhododendron ferrugineum), alecrim-do-pântano (Andromeda polifolia), epigeia (Epigaea repens), baga-de-buxo (Gaultheria procumbens), medronheiro-comum (Arbutus unedo), doce-de-verão (Clethra alnifolia), verde-de-inverno-redondo (Pyrola rotundifolia), carrapeta-verdadeira (Samyda guidonia, now Guarea guidonia), ucar (Bucida buceras). Créditos a Forest & Kim Starr (vagem-colar, guaiaco, cruz-de-malta, ucar), Luis Nunes Alberto (ouro-de-risco), Jeevan Jose (pata-de-vaca), Stan Shebs (cina-cina, flor-de-pavão), J. M. Garg (canafístula), W. A. Djamtiko (mãe-de-cão), Radomił Binek (arbusto-flamejante), Franz Xaver (arruda, melastoma), Quirico Jimenez (balsameiro-de-tolu), Shih-Shiuan Kao (cinamomo), Ariel Palmon (abrolho), Bernd Haynold (cachimbo-de-holandês), Jason Hollinger (mata-ovelha, baga-de-buxo), Muriel Bendel (alecrim-bravo, rosa-dos-alpes), Jacob W. Frank (alecrim-do-pântano), H. Zell (doce-de-verão), Erlend Bjørtvedt (verde-de-inverno), João Medeiros (carrapeta), usuário do flickr yimhafiz (moringa), e usuários do Wikimedia Kousvet (árvore-de-Judas), Conrado (jatobá), Vinayaraj (pau-brasil-da-Índia, cajueiro), Reefmonky (campeche), Delonix (carolina), Philmarin (favagem, medronheiro) e Llez (fagônia).

A ordem Decandria Monogynia incluía (da esquerda para a direita, de cima para baixo): vagem-colar-comum (Sophora tomentosa), ouro-de-risco (Anagyris foetida), árvore-de-Judas (Cercis siliquastrum), pata-de-vaca-branca-anã (Bauhinia acuminata), jatobá (Hymenaea courbaril), cina-cina (Parkinsonia aculeata), canafístula (Cassia fistula), flor-de-pavão (Poinciana pulcherrima, agora Caesalpinia pulcherrima), pau-brasil-da-Índia (Caesalpinia sappan), moringa (Guilandia moringa, agora Moringa oleifera), guaiaco-comum (Guaiacum officinale), mãe-de-cão-comum (Cynometra cauliflora), cajueiro (Anacardium occidentale), arbusto-flamejante (Dictamnus albus), arruda-comum (Ruta graveolens), balsameiro-de-tolu (Toluifera balsamum, agora Myroxylon balsamum), campeche (Haematoxylum campechianum), carolina (Adenanthera pavonina), cinamomo (Melia azedarach), favagem-comum (Zygophyllum fabago), fagônia-de-Creta (Fagonia cretica), abrolho-comum (Tribulus terrestris), cachimbo-de-holandês-comum (Monotropa hypopitys), cruz-de-malta-do-Peru (Jussiaea peruviana, agora Ludwigia peruviana), melastoma-de-Malabar (Melastoma malabathricum), mata-ovelha-da-montanha (Kalmia latifólia), alecrim-bravo (Ledum palustre, agora Rhododendron tomentosum), rosa-dos-alpes-ferrugínea (Rhododendron ferrugineum), alecrim-do-pântano (Andromeda polifolia), epigeia (Epigaea repens), baga-de-buxo (Gaultheria procumbens), medronheiro-comum (Arbutus unedo), doce-de-verão (Clethra alnifolia), verde-de-inverno-redondo (Pyrola rotundifolia), carrapeta-verdadeira (Samyda guidonia, now Guarea guidonia), ucar (Bucida buceras). Créditos a Forest & Kim Starr (vagem-colar, guaiaco, cruz-de-malta, ucar), Luis Nunes Alberto (ouro-de-risco), Jeevan Jose (pata-de-vaca), Stan Shebs (cina-cina, flor-de-pavão), J. M. Garg (canafístula), W. A. Djamtiko (mãe-de-cão), Radomił Binek (arbusto-flamejante), Franz Xaver (arruda, melastoma), Quirico Jimenez (balsameiro-de-tolu), Shih-Shiuan Kao (cinamomo), Ariel Palmon (abrolho), Bernd Haynold (cachimbo-de-holandês), Jason Hollinger (mata-ovelha, baga-de-buxo), Muriel Bendel (alecrim-bravo, rosa-dos-alpes), Jacob W. Frank (alecrim-do-pântano), H. Zell (doce-de-verão), Erlend Bjørtvedt (verde-de-inverno), João Medeiros (carrapeta), usuário do flickr yimhafiz (moringa), e usuários do Wikimedia Kousvet (árvore-de-Judas), Conrado (jatobá), Vinayaraj (pau-brasil-da-Índia, cajueiro), Reefmonky (campeche), Delonix (carolina), Philmarin (favagem, medronheiro) e Llez (fagônia).

10.2 Decandria Digynia (“dez machos e duas fêmeas”), dez estames e dois pistilos em uma flor hermafrodita: Royena (nozes-bexiga), Hydrangea (hortênsias), Cunonia (colhereira), Chrysosplenium (saxífragas-douradas), Saxifraga (saxífragas), Tiarella (espumeiras), Mitella (mitelas), Scleranthus (craveiro), Gypsophila (mosquitinhos), Saponaria (saponárias), Dianthus (cravos, cravinas).

Entre as espécies na ordem Decandria Digynia, podemos citar (da esquerda para a direita, de cima para baixo): noz-bexiga (Royena lucida, agora Diospyros whyteana), hortênsia-lisa (Hydrangea arborescens), colhereira (Cunonia capensis), saxífraga-dourada-de-folhas-alternas (Chrysosplenium alternifolium), saxífraga-grande-dos-Alpes (Saxifraga cotyledon), espumeira-cordifolha (Tiarella cordifolia), mitela-de-duas-folhas (Mitella diphylla), craveiro-anual (Scleranthus annuus), mosquitinho-dos-Alpes (Gypsophila repens), saponária-comum (Saponaria officinalis), cravo (Dianthus caryophyllus). Créditos a Marco Schmidt (noz-bexiga), Kurt Stüber (colhereira), Krzysztof Ziarnek (saxífraga-dourada), Derek Ramsey (espumeira), André Karwath (mosquitinho), Karel Jakobec (saponária), e usuários do Wikimedia KENPEI (hortênsia), Ghislain118 (saxífraga), Cbaile19 (mitela), 4028mdk09 (cravo).

Entre as espécies na ordem Decandria Digynia, podemos citar (da esquerda para a direita, de cima para baixo): noz-bexiga (Royena lucida, agora Diospyros whyteana), hortênsia-lisa (Hydrangea arborescens), colhereira (Cunonia capensis), saxífraga-dourada-de-folhas-alternas (Chrysosplenium alternifolium), saxífraga-grande-dos-Alpes (Saxifraga cotyledon), espumeira-cordifolha (Tiarella cordifolia), mitela-de-duas-folhas (Mitella diphylla), craveiro-anual (Scleranthus annuus), mosquitinho-dos-Alpes (Gypsophila repens), saponária-comum (Saponaria officinalis), cravo (Dianthus caryophyllus). Créditos a Marco Schmidt (noz-bexiga), Kurt Stüber (colhereira), Krzysztof Ziarnek (saxífraga-dourada), Derek Ramsey (espumeira), André Karwath (mosquitinho), Karel Jakobec (saponária), e usuários do Wikimedia KENPEI (hortênsia), Ghislain118 (saxífraga), Cbaile19 (mitela), 4028mdk09 (cravo).

10.3 Decandria Trigynia (“dez machos e três fêmeas”), dez estames e três pistilos em uma flor hermafrodita: Drypis (mequinhaque), Cucubalus (alfinetes-da-terra), Silene (mais alfinetes-da-terra),  Stellaria (estelárias), Arenaria (arenárias), Cherleria (cherléria), Garidella (garidela), Schinus (aroeiras), Malpighia (acerolas), Banisteria (mastigueiro, vinhas-do-amazonas, hiptage etc), Triopteris (hiptage), Erythroxylon (paus-vermelhos).

Estas 10 espécies (da esquerda para a direita, de cima para baixo) foram postas por Linneus na ordem Decandria Trigynia: mequinhaque (Drypis spinosa), alfinete-da-terra-estrelado (Cucubalus stellatus, agora Silene stellata), alfinete-da-terra-pequeno (Silene gallica), estelária-do-mato (Stellaria nemorum), arenária-folha-de-tomilho (Arenaria serpyllifolia), cherléria (Cherleria sedoides, agora Minuartia sedoides), aroeira-sala (Schinus molle), acerola-brava (Malpighia glabra), hiptage (tanto Banisteria benghalensis quanto Triopteris jamaicensis, agora Hiptage benghalensis), pau-vermelho-do-banhado (Erythroxylon areolatum, agora Erythroxylum areolatum). Créditos a C T Johansson (mequinhaque), Gideon Pisanty (alfinete-da-terra-pequeno), Anneli Salo (estelária), Thomas Mathis (cherléria), Juuuyoh Tanaka (acerola), Smithsonian Institute (pau-vermelho), e usuários do Wikimedia Fornax (arenária), Appaloosa (aroeira), Forestowlet (hiptage).

Estas 10 espécies (da esquerda para a direita, de cima para baixo) foram postas por Linneus na ordem Decandria Trigynia: mequinhaque (Drypis spinosa), alfinete-da-terra-estrelado (Cucubalus stellatus, agora Silene stellata), alfinete-da-terra-pequeno (Silene gallica), estelária-do-mato (Stellaria nemorum), arenária-folha-de-tomilho (Arenaria serpyllifolia), cherléria (Cherleria sedoides, agora Minuartia sedoides), aroeira-sala (Schinus molle), acerola-brava (Malpighia glabra), hiptage (tanto Banisteria benghalensis quanto Triopteris jamaicensis, agora Hiptage benghalensis), pau-vermelho-do-banhado (Erythroxylon areolatum, agora Erythroxylum areolatum). Créditos a C T Johansson (mequinhaque), Gideon Pisanty (alfinete-da-terra-pequeno), Anneli Salo (estelária), Thomas Mathis (cherléria), Juuuyoh Tanaka (acerola), Smithsonian Institute (pau-vermelho), e usuários do Wikimedia Fornax (arenária), Appaloosa (aroeira), Forestowlet (hiptage).

10.4 Decandria Pentagynia (“dez machos e cinco fêmeas”), dez estames e cinco pistilos em uma flor hermafrodita: Averrhoa (bilimbi e caramboleira), Spondias (cajazeiros), Cotyledon (várias suculentas), Sedum (dedinhos e sempre-vivas-das-rochas), Penthorum (dedinho-do-valo), Oxalis (azedinhas ou trevos), Agrostemma (beijos-de-freira), Lychnis (flores-de-cuco), Cerastium (orelhas-de-rato), Spergula (corgas).

A ordem Decandria Pentagynia incluía estas 10 espécies: caramboleira (Averrhoa carambola), cajazeiro (Spondias mombin), pau-de-bálsamo (Cotyledon orbiculata), dedinho-pontudo (Sedum ruprestre), dedinho-do-valo (Penthorum sedoides), azedinha-comum (Oxalis acetosella), beijo-de-freira-comum (Agrostemma githago), flor-de-cuco-comum (Lychnis flos-cuculi), orelha-de-rato-do-campo (Cerastium arvense), corga-do-campo (Spergula arvensis). Créditos a Marco Schmidt (cajazeiro), JJ Harrison (pau-de-bálsamo), Isidre Blanc (dedinho-pontudo), Fritz Flohr Reynolds (dedinho-do-valo), Krzysztof Ziarnek (beijo-de-freira), Kristian Peters (orelha-de-rato), e usuários do Wikimedia Pinus (caramboleira), Jeffdelonge (azeinha), Aiwok (flor-de-cuco), Rasbak (corga).

A ordem Decandria Pentagynia incluía estas 10 espécies (da esquerda para a direita, de cima para baixo): caramboleira (Averrhoa carambola), cajazeiro (Spondias mombin), pau-de-bálsamo (Cotyledon orbiculata), dedinho-pontudo (Sedum ruprestre), dedinho-do-valo (Penthorum sedoides), azedinha-comum (Oxalis acetosella), beijo-de-freira-comum (Agrostemma githago), flor-de-cuco-comum (Lychnis flos-cuculi), orelha-de-rato-do-campo (Cerastium arvense), corga-do-campo (Spergula arvensis). Créditos a Marco Schmidt (cajazeiro), JJ Harrison (pau-de-bálsamo), Isidre Blanc (dedinho-pontudo), Fritz Flohr Reynolds (dedinho-do-valo), Krzysztof Ziarnek (beijo-de-freira), Kristian Peters (orelha-de-rato), e usuários do Wikimedia Pinus (caramboleira), Jeffdelonge (azeinha), Aiwok (flor-de-cuco), Rasbak (corga).

10.5 Decandria Decagynia (“dez machos e dez fêmeas”), dez estames e dez pistilos em uma flor hermafrodita: Neurada (neurada), Phytolacca (fitolacas).

A neurada-rastejante (Neurada procumbens, esquerda) e a fitolaca-americana (Phytolacca americana, direita) estavam entre as poucas espécies na ordem Decandria Decagynia. Créditos a Ori-Fragman Sapir (neurada) e Joshua Mayer (fitolaca).

A neurada-rastejante (Neurada procumbens, esquerda) e a fitolaca-americana (Phytolacca americana, direita) estavam entre as poucas espécies na ordem Decandria Decagynia. Créditos a Ori-Fragman Sapir (neurada) e Joshua Mayer (fitolaca).

11. Dodecandria (“doze machos”)

“Doze maridos em cada casamento”, isto é, doze estames em uma flor hermafrodita.

11.1 Dodecandria Monogynia (“doze machos e uma fêmea”), doze estames e um pistilo em uma flor hermafrodita: Asarum (gengibres-selvagens), Gethyllis (cucumacrancas), Rhizophora (mangues verdadeiros), Garcinia (mangostins), Styrax (bolas-de-neve), Blakea (uma espécie desconhecida), Crataeva (cratevas), Halesia (sinos-de-prata), Triumfetta (triunfetas), Peganum (arruda-da-Síria), Nitraria (nitrárias), Portulaca (beldroegas), Lythrum (salgueirinhas), Winterana (canela-brava).

Linnaeus pôs estas 10 plantas em sua ordem Dodecandria Monogynia (da esquerda para a direita, de cima para baixo): gengibre-selvagem-europeu (Asarum europaeum), mangue-vermelho (Rhizophora mangle), mangostim-roxo (Garcinia mangostana), bola-de-neve-comum (Styrax officinalis), sininho-de-prata (Halesia carolina), arruda-da-Síria (Peganum harmala), nitrária-comum (Nitraria schoberi), beldroega-comum (Portulaca oleracea), salgueirinha-roxa (Lythrum salicaria) e canela-brava (Winterana canella, agora Canella winterana). Créditos a Ulf Mehlig (mangue), Michael Herrmann (mangostim), Kurt Stüber (arruda-da-Síria), Ana Maria Radu (nitrária), Ton Rulkens (beldroega), Ivar Leidus (salgueirinha), Smithsonian Institute (canela) e usuários do Wikimedia Algirdas (gengibre-selvagem), Hectonichus (bola-de-neve), JMK (sininho-de-prata).

Linnaeus pôs estas 10 plantas em sua ordem Dodecandria Monogynia (da esquerda para a direita, de cima para baixo): gengibre-selvagem-europeu (Asarum europaeum), mangue-vermelho (Rhizophora mangle), mangostim-roxo (Garcinia mangostana), bola-de-neve-comum (Styrax officinalis), sininho-de-prata (Halesia carolina), arruda-da-Síria (Peganum harmala), nitrária-comum (Nitraria schoberi), beldroega-comum (Portulaca oleracea), salgueirinha-roxa (Lythrum salicaria) e canela-brava (Winterana canella, agora Canella winterana). Créditos a Ulf Mehlig (mangue), Michael Herrmann (mangostim), Kurt Stüber (arruda-da-Síria), Ana Maria Radu (nitrária), Ton Rulkens (beldroega), Ivar Leidus (salgueirinha), Smithsonian Institute (canela) e usuários do Wikimedia Algirdas (gengibre-selvagem), Hectonichus (bola-de-neve), JMK (sininho-de-prata).

11.2 Dodecandria Digynia (“doze machos e duas fêmeas”), doze estames e dois pistilos em uma flor hermafrodita: Heliocarpus (embirão-de-sapo), Agrimonia (agrimônias).

11.3 Dodecandria Trigynia (“doze machos e três fêmeas”), doze estames e três pistilos em uma flor hermafrodita: Reseda (minhonetes), Euphorbia (eufórbias).

As duas espécies de cima, embirão-de-sapo (Heliocarpus americanos) e agrimônia-comum (Agrimonia eupatoria), estavam na ordem Dodecandria Digynia, enquanto as duas de baixo, minhonete-selvagem (Reseda lutea) e eufórbia-das-Canárias (Euphorbia canariensis) estavam na ordem Dodecandria Trigynia. Créditos a Alejandro Bayer Tamayo (embirão-de-sapo), H. Zell (agrimônia), Hans Hillewaert (minhonete), Frank Vicentz (eufórbia).

As duas espécies de cima, embirão-de-sapo (Heliocarpus americanos) e agrimônia-comum (Agrimonia eupatoria), estavam na ordem Dodecandria Digynia, enquanto as duas de baixo, minhonete-selvagem (Reseda lutea) e eufórbia-das-Canárias (Euphorbia canariensis) estavam na ordem Dodecandria Trigynia. Créditos a Alejandro Bayer Tamayo (embirão-de-sapo), H. Zell (agrimônia), Hans Hillewaert (minhonete), Frank Vicentz (eufórbia).

11.4 Dodecandria Pentagynia (“doze machos e cinco fêmeas”), doze estames e cinco pistilos em uma flor hermafrodita: Glinus (sucos-doces).

11.5 Dodecandria Octagynia (“doze machos e oito fêmeas”), doze estames e oito pistilos em uma flor hermafrodita: Illicium (anis-estrelado).

11.6 Dodecandria Dodecagynia (“doze machos e doze fêmeas”), doze estames e doze pistilos em uma flor hermafrodita: Sempervivum (sempre-vivas).

O suco-doce-loto (Glinus lotoides), esquerda) era a única espécie na ordem Dodecandria Pentagynia. O anis-estrelado-japonês (Illicium anisatum, centro) era a única espécie na ordem Dodecandria Octagynia. A sempre-viva-dos-telhados (Sempervivum tectorum, direita) era uma das poucas espécies na ordem Dodecandria Dodecagynia. Créditos a Mark Marathon (suco-doce), François van der Biest (sempre-viva) e usuário do Wikimedia KENPEI (anis-estrelado).

O suco-doce-loto (Glinus lotoides), esquerda) era a única espécie na ordem Dodecandria Pentagynia. O anis-estrelado-japonês (Illicium anisatum, centro) era a única espécie na ordem Dodecandria Octagynia. A sempre-viva-dos-telhados (Sempervivum tectorum, direita) era uma das poucas espécies na ordem Dodecandria Dodecagynia. Créditos a Mark Marathon (suco-doce), François van der Biest (sempre-viva) e usuário do Wikimedia KENPEI (anis-estrelado).

Ufff…. Isso vai terminar em algum momento? Sim, vai, mas vai demorar um pouco ainda. Afinal, plantas eram a grande paixão de Linnaeus.

– – –

Referências:

Linnaeus, C. 1758. Systema Naturae per Regna Tria Naturae…

– – –

Creative Commons License
Todas as obras estão licenciadas sob uma Licença Creative Commons de Atribuição e Compartilhamento Igual 4.0 Internacional.

Anúncios

2 Comentários

Arquivado em Botânica, Sistemática, Taxonomia

2 Respostas para “A história da Sistemática: Plantas no Systema Naturae, 1758 (parte 3)

  1. Pingback: A história da Sistemática: Plantas no Systema Naturae, 1758 (parte 4) | Natureza Terráquea

  2. Pingback: A história da Sistemática: Plantas no Systema Naturae, 1758 (parte 5) | Natureza Terráquea

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s