A história da Sistemática: Animais no Systema Naturae, 1758 (parte 1)

por Piter Kehoma Boll

Há muito tempo, escrevi um post sobre como a classificação de seres vivos em reinos evoluiu desde Linnaeus até os dias atuais. Foi uma breve introdução, sem a intenção de detalhar a níveis abaixo de reino. Aqui, pretendo começar uma nova série de posts onde apresentarei a classificação de formas de vida em níveis mais baixos. Cada postagem apresentará uma classificação mais recente comparada com a anterior, de forma que vocês possam ver como as coisas evoluíram através do tempo.

Comecemos então de novo com Linnaeus, mais precisamente com a décima edição de sua obra Systema Naturae. Essa edição é o ponto inicial da nomenclatura zoológica e foi publicada em 1758.

No Systema Naturae, Linnaeus dividiu a “natureza” em três reinos Regnum Animale (reino animal), Regnum Vegetabile (reino vegetal) e Regnum Lapideum (reino mineral). Como os minerais não são formas de vida, não tratarei delas aqui, visto que essa classificação não faz sentido algum para rochas. Talvez eu fale delas mais tarde em outra postagem.

De início eu pensei em apresentar todo o sistema aqui, mas a postagem se tornaria grande demais. Portanto decidi apresentar animais e plantas separadamente, mas de novo haveria muito a ser dito sobre animais. Assim, esta postagem tratará apenas de mamíferos e aves. Outros grupos serão apresentados em postagens subsequentes. Confira anfíbios e peixes aqui, insetos aqui e vermes aqui..

1. Mammalia (Mamíferos)

Coração com duas aurículas e dois ventrículos; sangue quente e vermelho.
Pulmões respirando reciprocamente.
Mandíbula incumbente, coberta.
Pênis entrando em vivípara, lactante.
Sentidos: língua, narinas, toque, olhos, ouvidos.
Cobertura: pelos, poucos para os índicos, pouquíssimos para os aquáticos.
Suporte: quatro patas, exceto para os aquáticos, nos quais as patas posteriores coalesceram com a cauda.

Mamíferos incluíam 8 ordens: Primates, Bruta, Ferae, Bestiae, Glires, Pecora, Belluae e Cete. Elas são mostradas abaixo com seus respectivos gêneros.

1.1 Primates (primorosos): Homo (humanos), Simia (todos os simios e macacos), Lemur (lêmures), Vespertilio (morcegos)

Quatro espécies listadas por Linnaeus sob Primates (da esquerda para a direita): humano (

Quatro espécies listadas por Linnaeus sob Primates (da esquerda para a direita): humano (Homo sapiens), macaco-de-Gibraltar (Simia sylvanus, agora Macaca sylvanus), lêmure-de-cauda-anelada (Lemur catta) e morcego-bicolor (Vespertilio murinus). Créditos das fotos para Pawel Ryszawa (macaco), usuário do Wikimedia Permak (lêmure), e Markus Nolf (morcego).

1.2 Bruta (brutos): Elephas (elefantes), Trichechus (peixes-bois), Bradypus (preguiças), Myrmecophaga (tamanduás), Manis (pangolins).

A ordem bruta incluía (da esquerda para a direita) o elefante-asiático (

A ordem bruta incluía (da esquerda para a direita) o elefante-asiático (Elephas maximus), o peixe-boi-marinho (Trichechus manatus), a preguiça-de-bentinho (Bradypuss tridactylus), o tamanduá-bandeira (Myrmecophaga tridactyla) e o pangolim-chinês (Manis pentadactyla). Créditos das fotos a usuário do Wikimedia Ji-Elle (elefante), Departamento do Interior dos EUA (peixe-boi), Fernando Flores (preguiça), Graham Hughes (tamanduá), e usuário do Wikimedia nachbarnebenan (pangolim).

1.3 Ferae (feras): Phoca (focas), Canis (cães, raposas e hienas), Felis (gatos), Viverra (mangustos, civetas e cangambás), Mustela (doninhas e lontras), Ursus (ursos, texugos e guaxinins).

A ordem Ferae de Linnaeus incluía (da esquerda para a direita, de cima para baixo) o foca-comum (

A ordem Ferae de Linnaeus incluía (da esquerda para a direita, de cima para baixo) o foca-comum (Phoca vitulina), o lobo (Canis lupus), o gato-doméstico (Felis catus, agora Felis sylvestris catus), a civeta-indiana (Viverra zibetha), o tourão (Mustela putorius) e o urso-pardo (Ursus arctos). Créditos a Maximilian Narr (foca), Gunnar Ries (lobo), Michal Osmenda (gato), usuário do flickr tontravel (civeta), Peter Trimming (tourão), e Steve Hillebrand (urso).

1.4 Bestiae (bestas): Sus (porcos), Dasypus (tatus), Erinaceus (ouriços), Talpa (toupeiras), Sorex (musaranhos e toupeiras), Didelphis (gambás)

Algumas especies na ordem Bestiae (da esquerda para a direita, de cima para baixo): javali (

Algumas especies na ordem Bestiae (da esquerda para a direita, de cima para baixo): javali (Sus scrofa), tatu-galinha (Dasypus novemcinctus), ouriço-terrestre (Erinaceus europaeus), toupeira-europeia (Talpa europaea), musaranho-comum (Sorex araneus), gambá-comum (Didelphis marsupialis). Créditos a Henri Bergius (javali), Hans Stieglitz (tatu), Jörg Hempel (ouriço), Mick E. Talbot (toupeira), Agnieszka Kloch (musaranho), e Juan Tello (gambá).

1.5 Glires (arganazes): Rhinoceros (rinocerontes), Hystrix (porco-espinhos), Lepus (lebres e coelhos), Castor (castores e desmanas), Mus (camundongos, ratos, hamsters, marmotas etc), Sciurus (esquilos)

Seis espécies que Linnaeus classificou como Glires (da esquerda para a direita, de cima para baixo):

Seis espécies que Linnaeus classificou como Glires (da esquerda para a direita, de cima para baixo): rinoceronte-indiano (Rhinoceros unicornis), porco-espinho-de-crista-africano (Hystrix cristata), lebre-da-Eurásia (Lepus timidus), castor-europeu (Castor fiber), camundongo-doméstico (Mus musculus), esquilo-vermelho (Sciurus vulgaris). Créditos a usuário do Wikimedia FisherQueen (rinoceronte), usuário do Wikimedia Quartl (porco-espinho), Alan Wolfe (lebre), Klaudiusz Muchowski (castor), usuário do Wikimedia 4028mdk09 (camundongo), e Hernán de Angelis (esquilo).

1.6 Pecora (gado): Camelus (camelos, lhamas), Moschus (almiscareiros), Cervus (cervos e girafas), Capra (cabras e antílopes), Ovis (ovelhas), Bos (bovinos)

Entre as espécies que Linnaeus pôs juntas como Pecora estão (da esquerda para a direita, de cima para baixo) o dromedário (

Entre as espécies que Linnaeus pôs juntas como Pecora estão (da esquerda para a direita, de cima para baixo) o dromedário (Camelus dromedarius), o cervo-almiscarado-siberiano (Moschus moschiferus), o veado-vermelho (Cervus elaphus), a cabra-doméstica (Capra hircus, agora Capra aegagrus hircus), a ovelha-doméstica (Ovis aries) e o boi (Bos taurus). Créditos a Bjorn Christian Torrisen (dromedário)***, F. Spangenberg (cervo-almiscarado)***, Jörg Hempel (veado)***, Wolfgang Stadut (cabra)*, usuário do Wikimedia Jackhynes (ovelha), e Andrew Butko (boi)****.

1. 7 Beluae (bestas monstruosas): Equus (cavalos), Hippopotamus (hipopótamos, antas).

A ordem Belluae incluía a zebra (

A ordem Belluae incluía a zebra (Equus zebra) e o hipopótamo (Hippopotamus amphibius). Créditos a Trisha M. Shears (zebra) e usuário do Wikimedia Irigi (hipopótamo).

1.8 Cete (monstros marinhos): Monodon (narval), Balaena (baleias), Physeter (cachalotes), e Delphinus (golfinhos).

A ordem Cete incluía, entre outras, as seguintes quatro espécies (da esquerda para a direita): narval (

A ordem Cete incluía, entre outras, as seguintes quatro espécies (da esquerda para a direita): narval (Monodon monoceros), baleia-da-Groenlândia (Balaena mysticetus), cachalote (Physeter macrocephalus) e golfinho-comum (Delphinus delphis).

2. Aves

Coração com duas aurículas e dois ventrículos; sangue quente e vermelho.
Pulmões respirando reciprocamente.
Mandíbula incumbente, nua, estendida, desdentada.
Pênis subentrando, sem escroto, em ovípara, casca calcária.
Sentidos: língua, narinas, olhos, ouvidos sem orelhas.
Cobertura: penas incumbentes e imbricadas.
Suporte: dois pés, duas asas.

Aves incluía 6 ordens: Accipitres, Picae, Anseres, Grallae, Gallinae e Passeres.

2.1 Accipitrae (gaviões): Vultur (urubus e condores), Falco (falcões, águias, gaviões), Strix (corujas), Lanius (picanços, suiriris).

Accipitres incluía (da esquerda para a direita) o

Accipitres incluía (da esquerda para a direita) o condor-dos-Andes (Vultur gryphus), o falcão-americano (Falco sparverius), a coruja-do-mato (Strix aluco) e o picanço-marrom (Lanius cristatus). Créditos a Linda Tanner (falcão)*, usuário do flickr nottsexminer (coruja)*, e Charles Lam (picanço)*.

2.2 Picae (pegas): Psittacus (papagaios), Ramphastos (tucanos), Buceros (calaus), Cuculus (cucos), Jynx (torcicolos), Picus (pica-paus), Corvus (corvos), Coracias (rolieiros e papa-fingos), Sitta (trepadeiras), Merops (abelharucos), Trochilus (beija-flores), Crotophaga (anus), Gracula (mainás e iraúnas), Paradisaea (aves-do-paraíso), Alcedo (martim-pescadores), Upupa (poupas), Certhia (trepadeiras-verdadeiras).

As 16 espécies seguintes foram todas incluídas na ordem Picae (da esquerda para a direita, de cima para baixo): papagaio-

As 16 espécies seguintes foram todas incluídas na ordem Picae (da esquerda para a direita, de cima para baixo): papagaio-cinzento (Psittacus erithacus), tucano-de-peito-branco (Ramphastos tucanus), cuco-comum (Cuculus canorus), torcicolo-europeu (Jynx torquilla), pica-pau-verde (Picus viridis), corvo-comum (Corvus corax), rolieiro-europeu (Coracias garrulus), trepadeira-azul (Sitta europaea), abelharuco-comum (Merops apiaster), beija-flor-de-bico-vermelho (Trochilus polytmus), anu-preto (Crotophaga ani), mainá-da-montanha (Gracula religiosa), ave-do-paraíso-grande (Paradisaea apoda), guarda-rios-comum (Alcedo atthis), poupa-europeia (Upupa epops) e trepadeira-do-bosque (Certhia familiaris). Créditos a usuário do Wikimedia Fiorellino (papagaio)***, Marie Hale (tucano)*, usuário do Wikimedia locaguapa (cuco)***, Carles Pastor (torcicolo)***, Hans Jörg Hellwig (pica-pau)***, Alan Vermon (corvo)*, usuário do flickr Koshy Koshy (rolieiro)*, Paweł Kuźniar (trepadeiras)***, Pellinger Attila (abelharuco)***, Charles J. Sharp (beija-flor e anu)***, usuário do Wikimedia Memset (mainá)***, Andrea Lawardi (ave-do-paraiso)*, usuário do Wikimedia Joefrei (guarda-rios)***, Arturo Nikolai (poupa)*.

2.3 Anseres (gansos): Anas (patos, gansos e cisnes), Mergus (mergansos), Procellaria (petréis), Diomedea (albatrozes e pinguins), Pelecanus (pelicanos, biguás, atobás, gansos-patolas e fragatas), Phaethon (rabo-de-palhas), Alca (alcas), Colymbus (mergulhões e mobelhas), Larus (gaivotas), Sterna (andorinhas-do-mar), Rynchops (talhamares).

Onze espécies listadas por Linnaeus sob Anseres (da esquerda para a direita, de cima para baixo): pato-real (

Onze espécies listadas por Linnaeus sob Anseres (da esquerda para a direita, de cima para baixo): pato-real (Anas platyrhynchos), merganso-comum (Mergus merganser), petrel-de-queixo-branco (Procellaria aequinoctialis), albatroz-errante (Diomedea exulans), pelicano-branco (Pelecanus onocrotalus), rabo-de-palha-de-bico-vermelho (Phaethon aethereus), torda-comum (Alca torda), mobelha-ártica (Colymbus arcticus, agora Gavia arctica), gaivota-comum (Larus canus), andorinha-do-mar-comum (Sterna hirundo), e talhamar (Rynchops niger). Créditos a Andreas Trepte (pato-real)**,, Dick Daniels (merganso e talhamar)***, Ron Kinght (petrel)*, JJ Harrison (ablatroz)***, Nino Barbieri (pelicano)***, Charles J. Sharp (rabo-de-palha)****, Steve Garvie (mobelha)*, e Arne List (gaivota)*.

2.4 Grallae (maçaricos): Phoenicopterus (flamingos), Platalea (colheireiros), Mycteria (cabeça-secas), Tantalus (o cabeça-seca de novo!), Ardea (garças, grous e cegonhas), Recurvirostra (alfaiates), Scolopax (galinholas, íbis, etc), Tringa (maçaricos, abibes e falaropos), Fulica (galeirões, frangos-d’água, jaçanãs), Rallus (saracuras), Psophia (jacamins), Haematopus (ostraceiros), Charadrius (batuíras), Otis (abetardas), Struthio (avestruzes, emas, casuares, dodôs).

Quinze espécies que Linnaeus classificou como Gralle (da esquerda para a direita, de cima para baixo): flamingo-americano (

Quinze espécies que Linnaeus classificou como Grallae (da esquerda para a direita, de cima para baixo): flamingo-americano (Phoenicopterus ruber), colheireiro-europeu (Platalea leucorodia), cabeça-seca (Mycteria americana), cabeça-seca de novo (Tantalus localator), garça-cinzenta (Ardea cinerea), alfaiate (Recurvirostra avosetta), galinhola (Scolopax rusticola), maçarico-bastardo (Tringa glareola), galeirão-comum (Fulica atra), frango-d’água (Rallus aquaticus), jacamim-das-costas-cinzas (Psophia crepitans), ostraceiro-europeu (Haematopus ostralegus), borrelho-grande-de-coleira (Charadrius hiaticula), abetarda-comum (Otis tarda), avestruz (Struthio cmelus). Créditos a Paul Asman e Jill Lenoble (flamingo)*, Andreas Trepte (colheireiro e alfaiate)**, Dick Daniels (cabeça-seca)***, JJ Harrison (garça)***, Ronald Slabke (galinhola)***, usuário do Wikimedia Alpsdake (maçarico)***, Axel Mauruszat (galeirão), Pierre Dalous (frango-d’água)***, Robin Chen (jacamim)***, usuário do Wikimedia TomCatX (ostraceiro)**, usuário do Wikimedia Esteromiz (borrelho), Francesco Varonesi (abetarda)*, e usuário do Wikimedia Nicor (avestruz)***.

2.5 Gallinae (galinhas): Pavo (pavões), Meleagris (perus), Crax (mutuns e jacus), Phasianus (faisões e galinhas), Tetrao (tetrazes, perdizes e codornas).

A ordem Gallinae de Linnaeus incluía (da esquerda para a direita) o pavão-indiano (

A ordem Gallinae de Linnaeus incluía (da esquerda para a direita) o pavão-indiano (Pavo cristatus), o peru (Meleagris galopavo), o mutum-do-México (Crax rubra), o faisão-comum (Phasianus colchicus) e o tetraz-grande (Tetrao urogallus). Creditos a usuário do Wikimedia Appaloosa (pavão)***, Arthur Chapman (mutum)*, Lukasz Lukasik (faisão)***, e usuário do Wikimedia Siga (tetraz)***.

2.6 Passeres (pardais): Columba (pombas e pombos), Alauda (cotovias e petinhas), Turdus (sabiás, tordos e felosas), Loxia (cruza-bicos, cardeais, dom-fafes, etc), Emberiza (escrevedeiras), Fringilla (canários, tentilhões, pardais, saíras), Sturnus (estorninhos), Motacilla (alvéolas, piscos, corruíras, etc), Parus (chapins e uirapurus), Hirundo (andorinhas e andorinhões), Caprimulgus (bacuraus).

Onze espécies consideradas partencentes à ordem Paasseres (da esquerda para a direita, de cima para baixo): pombo-torcaz (

Onze espécies consideradas partencentes à ordem Passeres (da esquerda para a direita, de cima para baixo): pombo-torcaz (Columba palumbus), laverca (Alauda arvensis), melro (Turdus merula), cruza-bico-comum (Loxia curvirostra), escrevedeira-amarela (Emberiza citrinella), tentilhão-comum (Fringilla coelebs), estorninho-comum (Sturnus vulgaris), alvéola-branca (Motacilla alba), chapim-real (Parus major), andorinha-das-chaminés (Hirundo rustica), noitibó-europeu (Caprimulgus europaeus). Créditos a Nick Fraser (pombo)***, Daniel Pettersson (laverca)***, Andreas Eichler (melro)***, Andreas Trepte (escrevedeira)**, usuário do wikimedia Thermos (tentilhão)***, Pierre Selim (estorninho)***, Malene Thyssen (alvéola)***, usuário do flickr chapmankj75 (chapim)*, Martin Mcnarowski (andorinha)***, e Dûrzan Cîrano (noitibó)***.

Entre as coisas mais peculiares que podemos destacar aqui estão:

  • Morcegos foram postos junto com os primatas!
  • Rinocerontes foram postos com os roedores! Isso aconteceu porque Linnaeus baseou sua classificação dos mamíferos nos dentes e os incisivos de um rinoceronte lembram em parte os dos roedores.
  • Hipopótamos e antas foram colocados no mesmo gênero! A anta sul-americana era chamada de Hippopotamus terrestris!
  • Girafas foram classificadas como cervos, e texugos e guaxinins como ursos.
  • Várias aves passeriformes, como os suiriris, foram consideradas aves de rapina (Accipitres).
  • Albatrozes e pinguins estavam no mesmo gênero!
  • Cegonhas, garças e grous também estavam todos no mesmo gênero.
  • Por outro lado, o cabeça-seca aparece duas vezes, como duas espécies de gêneros diferentes!

Como podemos ver, Linnaeus não era muito familiarizado com animais. Ele era, afinal, um botânico, mas ele fez o melhor que pôde.

– – –

Referência:

Linnaeus, Carl. 1758. Systema Naturae per Regna Tria Nature…

– – –

Creative Commons License
Todas as imagens licenciadas sob uma Licença Creative Commons de Atribuição e Compartilhamento Igual 4.0 Internacional.

Anúncios

4 Comentários

Arquivado em Sistemática, Taxonomia, Zoologia

4 Respostas para “A história da Sistemática: Animais no Systema Naturae, 1758 (parte 1)

  1. Pingback: A história da Sistemática: Animais no Systema Naturae (parte 2) | Natureza Terráquea

  2. Pingback: A história da Sistemática: Animais no Systema Naturae, 1758 (parte 3) | Natureza Terráquea

  3. Pingback: A história da Sistemática: Animais no Systema Naturae, 1758 (Parte 4) | Natureza Terráquea

  4. Pingback: A história da Sistemática: Plantas no Systema Naturae, 1758 (parte 1) | Natureza Terráquea

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s