Arquivo do autor:Piter Keo

Sobre Piter Keo

I'm a biology student, currently working with land planarians. I love biology, astronomy, languages and mythology, among other things.

A história da Sistemática: Plantas no Systema Naturae, 1758 (Parte 7)

por Piter Kehoma Boll

Estamos nos aproximando do final da descrição da classificação de plantas por Linnaeus (veja as partes 1, 2, 3, 4, 5 e 6). Hoje mostrarei mais duas classes, as duas últimas de plantas com flores principalmente hermafroditas.

19. Syngenesia (“mesma geração”)

“Maridos compostos de um compacto generativo”, isto é, os estames estão unidos, formando um cilindro.

19.1 Syngenesia Polygamia Aequalis (“mesma geração, muitos casamentos iguais”), flores compostas formadas de várias flores pequenas compactas, todas com estames e pistilos: Scolymus (cangarinhos), Cichorium (chicórias), Catananche (cupidões), Hypochaeris (orelhas-de-gato), Andryala (andríalas), Tragopogon (tragueiros), Picris (raspa-pernas), Leontodon (leitugas-dos-montes e dentes-de-leão), Sonchus (serralhas), Scorzonera (escorcioneiras), Crepis (barbas-de-gavião), Chondrilla (leitugas), Prenanthes (alfaces-da-montanha), Lactuca (alfaces), Hieracium (ervas-de-gavião), Lapsana (labresto), Hyoseris (hioséris), Elephantopus (ervas-de-colégio), Atractylis (cardos-fusos), Carlina (carlinas), Cnicus (cardos), Arctium (bardanas), Carthamus (cártamos), Cynara (alcachofras), Carduus (mais cardos), Onopordum (acantos-bastardos), Serratula (serradinhas), Echinops (cardos-globos), Ageratum (mentrastos), Cacalia (falsas-tanchagens), Chrysocoma (cabeleiras-de-ouro), Eupatorium (eupatórios), Santolina (guarda-roupas), Bidens (picões), Staehelina (esteelinas), Stoebe (estebes), Tarchonanthus (pau-quicongo).

1758Linnaeus_syngenesia_polygamia_aequalis

A diversa ordem Syngenesia Polygamia Aequalis incluía (da esquerda para a direita, de cima para baixo) o tragueiro-comum (Tragopogon porrifolius), a escorcioneira-preta (Scorzonera hispânica), a raspa-pernas-comum (Picris echioides, agora Helminthotheca echioides), a serralha-comum (Sonchus oleraceus), alface-comum (Lactuca sativa), leituga-branca (Chondrilla juncea), alface-da-montanha-comum (Prenanthes purpurea), dente-de-leão-comum (Leontodon taraxacum, agora Taraxacum officinale), erva-de-gavião-de-cascacel (Hieracium venosum), barba-de-gavião-de-bico (Crepis vesicaria), andríala-comum (Andryala integrifolia), hioséris-lisa (Hyoseris scabra), orelha-de-gato-comum (Hypochaeris radicata), labresto-comum (Lapsana communis), cupidão-azul (Catananche caerulea), chicória-comum (Cichorium intybus), cangarinho-espanhol (Scolymus hispanicus), erva-de-colégio-lisa (Elephantopus scaber), cardo-globo-grande (Echinops sphaerocephalus), bardana-grande (Arctium lappa), serradinha-de-tintureiro (Serratula tinctoria), cardo-caído (Carduus nutans), cardo-santo (Cnicus benedictus, agora Centaurea benedicta), acanto-bastardo-comum (Onopordum acanthium), alcachofra-comum (Cynara scolymus), carlina-comum (Carlina vulgaris), cardo-fuso-comum (Atractylis humilis), açafrão-bastardo (Carthamus tinctorius), picão-preto (Bidens pilosa), tanchagem-dos-Alpes (Cacalia alpina, agora Adenostyles alpina), eupatório-alto (Eupatorium altissimum), mentrasto-comum (Ageratum conyzoides), esteelina-dúbia (Staehelina dubia), cabeleira-de-ouro-comum (Chrysocoma coma-aurea), pau-quicongo (Tarchonanthus camphoratus) e guarda-roupas-comum (Santolina chamaecyparissus). Créditos a Stephen Lea (tragueiro), H. Zell (escorcioneira, alface, acanto-bastardo), Tony Wills (serralha), Radio Toreng (leituga), Jane Shelby Richardson (erva-de-gavião), Manfred Moitzi (barba-de-gavião), Pablo Alberto Salguero Quilles (andríala), Javier Martin (hioséris, cardo-fuso), Phil Sellens (labresto), Isidre Blanc (cupidão, esteelina), Joaquim Alves Gaspar (chicória, cangarinho, alcachofra), Dinesh Valke (erva-de-colégio), Enrico Blasutto (bardana), Kristian Peters (serradinha), Bernd Haynold (cardo-caído), Philipp Weigell (carlina), Vishesh Bajpai (picão), Benjamin Zwittnig (tanchagem-dos-Alpes), Frank Mayfield (eupatório-alto), Peter A. Mansfeld (cabeleira-de-ouro), Paul venter (pau-quicongo), Marie-Lan Nguyen (guarda-roupas), e usuários do Wikimedia AnemoneProjectors (raspa-perna, orelha-de-gato), Calimo (alface-da-montanha), Kropsoq (dente-de-leão), Epp (cardo-globo), 00temari (cardo-santo), Pseudoanas (açafrão-bastardo) e Leoadec (mentrasto).

19.2 Syngenesia Polygamia Superflua (“mesma geração, muitos casamentos sobrando”), flores compostas de várias flores pequenas compactas formando um disco central de flores hermafroditas cercadas por um anel de flores femininas. Tanto as flores hermafroditas quanto as femininas são férteis e produzem sementes: Tanacetum (atanásias), Artemisia (artemísias), Gnaphalium (perpétuas-bravas), Xeranthemum (sempre-vivas-secas), Carpesium (carpésios), Baccharis (carquejas), Conyza (avoadinhas), Erigeron (margacinhas), Tussilago (tussilagens), Senecio (tasneirinhas-de-cinerárias), Aster (ásteres), Solidago (varas-de-ouro), Inula (ínulas), Arnica (arnicas), Doronicum (mata-leopardos), Helenium (helênios), Bellis (margaridas), Tagetes (cravos-de-defunto), Zinnia (zínias), Pectis (péctis), Chrysanthemum (crisântemos e margaridas), Matricaria (camomilas), Cotula (cótulas), Anacyclus (anaciclos), Anthemis (falsa-camomila), Achillea (milefólios), Tridax (erva-de-touro), Amellus (amelos), Sigesbeckia (botões-de-ouro), Verbesina (verbesinas), Tetragonotheca (tetragonotecas), Buphthalmum (olhos-de-boi).

1758Linnaeus_syngenesia_polygamia_superflua

Linnaeus pôs estas espécies na ordem Syngenesia Polygamia Superflua (da esquerda para a direita, de cima para baixo): catinga-de-mulata (Tanacetum vulgare), losna (Artemisia absinthium), perpétua-brava-comum (Gnaphalium sylvaticum), sempre-viva-seca-anual (Xeranthemum annuum), carqueja-do-norte (Baccharis halimifolia), margacinha-de-uma-flor (Erigeron uniflorus), tussilagem-comum (Tussilago farfara), tasneirinha-comum (Senecio vulgaris), áster-italiana (Aster amellus), vara-de-ouro-da-praia (Solidago sempervirens), ínula-peluda (Inula hirta), arnica-da-montanha (Arnica montana), mata-leopardo-comum (Doronicum pardalianches), helênio-comum (Helenium autumnale), margarida-comum (Bellis perennis), cravo-de-defunto-comum (Tagetes patula), zínia-do-Peru (Zinnia peruviana), crisântemo-da-Índia (Chrysanthemum indicum), camomila-comum (Matricaria chamomilla), cótula-comum (Cotula coronopifolia), anaciclo-comum (Anacyclus valentinus), falsa-camomila-do-mar (Anthemis maritima), milefólio-comum (Achillea millefolium), erva-de-touro (Tridax procumbens), botão-de-ouro-oriental (Sigesbeckia orientalis), olho-de-boi (Buphthalmus salicifolius). Créditos a Muriel Bendel (catinga-de-mulata), Hermann Schachner (perpétua-brava), Musa Geçit (sempre-viva-seca), Bob Peterson (carqueja, erva-de-touro), André Karwath (tussilagem, margarida), C T Johansson (áster), Sam Fraser-Smith (vara-de-ouro), Kurt Stüber (ínula), Isidre Blanc (arnica), Agnieszka Kwiecien (helênio), Lynda Poulter (camomila), Water Siegmund (cótula), Denis Barthel (falsa-camomila), Petar Milošević (milefólio), e usuários do Wikimedia N-Baudet (losna), Ghislain118 (margacinha), AnRo0002 (tasneirinha), Jamain (mata-leopardo, olho-de-boi), Rasbak (cravo-de-defunto), Vengolis (zínias), Joydeep (crisântemo), Philmarin (anaciclo) e Elouanne (botão-de-ouro).*

19.3 Syngenesia Polygamia Frustranea (“mesma geração, muitos casamentos em vão”), flores compostas de várias flores pequenas compactas formando um disco central de flores hermafroditas cercadas por um anel de flores neutras, sem órgãos sexuais, portanto somente as flores do disco são férteis e produzem sementes: Helianthus (girassóis), Rudbeckia (susanas-de-olhos-negros), Coreopsis (coreopses), Gorteria (gortérias), Centaurea (centáureas), Gundelia (gundélia).

1758Linnaeus_syngenesia_polygamia_frustranea

A ordem Syngenesia Polygamia Frustranea incluía (da esquerda para a direita) o girassol-comum (Helianthus annuus), susana-de-olhos-negros-comum (Rudbeckia hirta), coreopse-lanceolada (Coreopsis lanceolata), botão-de-bacharel (Centaurea montana), gundélia (Gundelia tournefortii). Créditos a Frank Mayfield (susana-de-olhos-negros), Jean-Pol Grandmont (botão-de-bacharel), Zeynel Cebeci (gundélia), e usuários do Wikimedia i_am_jim (girassol) e KENPEI (coreopse).*

19.4 Syngenesia Polygamia Necessaria (“mesma geração, muitos casamentos inevitáveis”), flores compostas de várias flores pequenas compactas formando um disco central de flores hermafroditas, mas com a parte feminina estéril, cercadas por um anel de flores femininas férteis, portanto somente as flores do anel produzem sementes: Milleria (milérias), Silphium (sílfios), Chrysogonum (joelhos-de-ouro), Melampodium (pés-pretos), Calendula (calêndulas), Arctotis (orelhas-de-urso), Osteospermum (margaridas-africanas), Othonna (otonas), Polymnia (copos-de-folha), Eriocephalus (moitas-de-neve), Filago (fiagens), Micropus (algodoinhos), Sphaeranthus (flores-bolas).

1758Linnaeus_syngenesia_polygamia_necessaria

Estas 7 espécies foram incluídas por Linnaeus na ordem Syngenesia Polygamia Necessaria (da esquerda para a direita, de cima para baixo): sílfio-estrelado (Silphium asteriscos), joelho-de-ouro-comum (Chrysogonum virginianum), calêndula-comum (Calendula officinalis), copo-de-folha-branco (Polymnia canadenses), moita-de-neve-do-Cabo (Eriocephalus africanus), fiagem-comum (Filago germânica, agora Filago vulgaris), flor-bola-da-Índia (Sphaeranthus indicus). Créditos a James H. Miller (sílfio), Fritz Flohr Reynolds (joelho-de-ouro, copo-de-folha), Wouter Hagens (calêndula), Juanita Vilas Marchant (moita-de-neve), Wim Rubers (fiagem), Dinesh Valke (flor-bola). *

19.5 Syngenesia Monogamia (“mesma geração, um casamento”), estames unidos formando um cilindro, mas flores simples, não formando inflorescências: Seriphium (serífios), Corymbium (corímbios), Jasione (escabiosas), Lobelia (lobélias), Viola (violetas e amores-perfeitos), Impatiens (balsaminas).

1758Linnaeus_syngenesia_monogamia

A escabiosa-ovina (Jasione montana), esquerda), a lobélia-de-jardim (Lobelia erinus, centro-esquerda), a violeta-comum (Viola odorata, centro-direita) e a balsamina-comum (Impatiens balsamina, direita) eram parte da ordem Syngenesia Monogamia. Créditos a André Karwath (lobélia), Bernard Dupont (violeta) e aos usuários do Wikimedia Darkone (escabiosa) e Joydeep (balsamina).*

20. Gynandria (“marido feminino”)

“Maridos monstruosamente unidos às mulheres”, i.e., flores com estames unidos aos pistilos.

20.1 Gynandria Diandria (“marido feminino, dois maridos”), dois estames unidos aos pistilos: Orchis (orquídeas), Satyrium (orquídeas-sátiros), Ophrys (orquídeas-mosca e orquídeas-abelha), Serapias (orquídeas-serápids), Limodorum (cravos-da-grama), Arethusa (bocas-de-dragão e bocas-de-serpente), Cypripedium (orquídeas-sapatinho), Epidendrum (orquídeas epífitas).

1758Linnaeus_gynandria_diandria

A ordem Gynandria Diandria incluía (da esquerda para a direita, de cima para baixo) a orquídea-militar (Orchis militaris), a orquídea-mosca (Ophrys insectifera), o cravo-da-grama-tuberoso (Limodorum tuberosum, agora Calopogon tuberosus), a boca-de-dragão (Arethusa bulbosa), o sapatinho-amarelo (Cypripedium calceolus), a vanda-espatulada ( Epidendrum spathulatum, agora Taprobanea spathulata). Créditos a Holger Krisp (orquídea-militar, orquídea-mosca), Chris Meloche (boca-de-dragão), e usuários do Wikimedia Algirdas (sapatinho) e CyberWikipedian (vanda).

20.2 Gynandria Triandria (“marido feminino, três maridos”), três estames unidos aos pistilos: Sisyrinchium (canchaláguas).

20.3 Gynandria Tetrandria (“marido feminino, quatro maridos”), quatro estames unidos aos pistilos: Nepenthes (plantas-jarro).

20.4 Gynandria Pentandria (“marido feminino, cinco maridos”), cinco estames unidos aos pistilos: Ayenia (aiênias), Passiflora (maracujás).

1758Linnaeus_gynandria_triandria_tetrandria_pentandria

A canchalágua-comum (Sisyrinchium bermudianum, esquerda) era o único membro da ordem Gynandria Triandria. A planta-jarro-destiladora (Nepenthes distillatoria), centro) era o único membro da ordem Gynandria Tetrandria. O maracujá-roxo (Passiflora incarnata) era um dos membros da ordem Gynandria Pentandria. Créditos a Wouter Hagens (canchalágua), James & Jana Hans (planta-jarro), Oliver P. Quillia (maracujá).*

20.5 Gynandria Hexandria (“marido feminino, seis maridos”), seis estames unidos aos pistilos: Aristolochia (aristolóquias), Pistia (alface-d’água).

20.6 Gynandria Decandria (“marido feminino, dez maridos”), dez estames unidos aos pistilos: Helicteres (parafuseiras).

1758Linnaeus_gynandria_hexandria_decandria

A ordem Gynandria Hexandria incluía a aristolóquia-redonda (Aristolochia rotunda, esquerda) e a alface-d’água (Pistia stratiotes, centro). A ordem Gynandria Decandria incluía a parafuseira indiana (Helicteres isora, direita). Créditos a J. M. Garg (parafuseira) e usuários do Wikimedia Hectonichus (aristolóquia) e Keisotyo (alface-d’água).*

20.7 Gynandria Polyandria (“marido feminino, muitos maridos”), muitos estames unidos aos pistilos: Xylopia (pindaíbas), Grewia (frutas-cruz), Arum (aros), Dracontium (inhames-aros), Calla (calas), Pothos (potos), Zostera (limos-de-fita).

1758Linnaeus_gynandria_polyandria

A ordem Gynandria Polyandria incluía (da esquerda para a direita) a fruta-cruz (Grewia occidentalis), o aro-dragão (Arum dracunculus, agora Dracunculus vulgaris), o inhame-pé-de-elafante (Dracontium polyphyllum, agora Amorphophallus paeoniifolius), a cala-brava (Calla palustres) e o poto-trepador (Pothos scandens). Créditos a P. Pickaert (aro), Kurt Stüber (cala), e usuários do Wikimedia Consultaplantas (fruta-cruz), Fotokannan (inhame) e Vinayaraj (poto).*

Como pode-se perceber, a classe Syngenesia se mostra bem mais regular que a classe Gynandria. Boa parte das espécies de Syngenesia hoje são incluídas na família Asteraceae. Já Gynandria inclui uma variedade de plantas não relacionadas, incluindo orquídeas, aráceas e mesmo maracujás!

Aqui concluímos todas as plantas com flores hermafroditas. Só mais duas postagens e teremos visto todo o sistema de Linnaeus!

– – –

Referências:

Linnaeus, C. (1758) Systema Naturae per regna tria Naturae…

– – –

Creative Commons License
Todas as imagens estão licenciadas sob uma Licença Creative Commons de Atribuição e Compartilhamento Igual 4.0 Internacional.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Botânica, Sistemática, Taxonomia

Sexta Selvagem: Catênula-da-lentilha-d’água

por Piter Kehoma Boll

Hoje temos mais um platelminto em nosso time. E ele é parte de um dos grupos mais bizarros de platelmintos, os chamados Catenulida. Nosso camarada se chama Catenula lemnae, que eu adaptei como “catênula-da-lentilha-d’água”.

A catênula-da-lentilha-d’água é um animal muito pequeno, medindo cerca de 0.1 mm de largura e cerca de 2 ou 3 vezes esse tamanho em comprimento. Ela é encontrada no mundo todo em lagos e poças de água doce e é provavelmente um complexo de espécies, mas estudos mais detalhados são necessários para tornar isso claro. Como outros catenulidos, ela vive perto do substrato, sendo considerada um animal bentônico, e se alimenta de outros organismos menores, como pequenos invertebrados e algas. Ela é geralmente uma espécie dominante na comunidade de microanimais bentônicos, tal como os microturbelários, nos lugares em que é encontrada.

796px-catenula_lemnae

Uma cadeia de vários indivíduos (zooides) de Catenula lemnae conectados. Foto de Christopher Laumer.*

A palavra catenula, significando “pequena cadeia” em Latim, faz referência a esses animais por causa da sua peculiar forma de reprodução vegetativa. Os organismos frequentemente se dividem transversalmente perto da extremidade posterior, dando origem a novos organismos que são geneticamente idênticos ao original. Contudo os novos animais muitas vezes ficam conectados um ao outro por um bom tempo antes de se dividirem, e enquanto essa reprodução assexuada continua, ela eventualmente os transforma numa cadeia de indivíduos conectados (chamados zooides). Essa cadeia nada elegantemente usando seus cílios como se fosse um único indivíduo.

Estudos mais recentes que mencionam a catênula-da-lentilha-d’água são simplesmente levantamentos de composições de espécies de uma determinada área ou estudos filogenéticos amplos em catenulidos ou platelmintos em geral. Pouco é conhecido sobre a ecologia, o comportamento a e estrutura populacional desta espécie, infelizmente.

– – –

Referências:

Braccini, J. A. L.; Leal-Zanchet, A. M. (2013)  Turbellarian assemblages in freshwater lagoons in southern Brazil. Invertebrate Biology132(4): 305–314. https://dx.doi.org/10.1111/ivb.12032

Marcus, E. (1945) Sôbre Catenulida brasileiros. Boletim da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da Universidade de São Paulo, série Zoologia, 10: 3–113.

– – –

*Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons de Atribuição 2.0 Genérica.

Deixe um comentário

Arquivado em platelmintos, Sexta Selvagem, vermes

Sexta Selvagem: Cerejeira-dos-Cinco-Sabores

por Piter Kehoma Boll

Vindo das florestas do Norte da China, da Coreia e do Leste da Rússia, nosso novo camarada é um cipó chamado Schisandra chinensis que pode popularmente ser referido como cerejeira-dos-cinco-sabores.

394px-schisandra_chinensis_2

Os belos frutos vermelhos da cerejeira-dos-cinco-sabores. Foto de Vladimir Kosolapov.*

Usada na medicina tradicional chinesa, a planta é considerada uma das 50 ervas fundamentais. A parte da planta mais comumente usada são as frutas, que são conhecidas como cerejas-dos-cinco-sabores ou frutas-dos-cinco-sabores. O nome é uma tradução do nome chinês, 五味子 (wǔwèizi), porque a fruta é dita conter todos os cinco sabores chineses básicos: salgado, doce, azedo, apimentado e amargo. Uma infusão preparada com as frutas secas é chamada de chá omija ou omija-cha, a partir do nome coreano dos frutos.

800px-omija-cha

Uma xícara de chá omija. Foto de Raheel Shahid.**

Os usos tradicionais da cerejeira-dos-cinco-sabores incluem o tratamento de desordens relacionadas principalmente aos órgãos sexuais. Vários estudos recentes por experimentos em laboratório indicaram que a planta possui um grande número de propriedades benéficas, incluindo propriedades antioxidantes e a habilidade de aumentar a resistência, habilidade de trabalho, acurácia de movimentos e habilidade mental. Ela também parece ser útil no tratamento de várias doenças e desordens, especialmente inflamatórias, como sinusite, otite, neurite, dermatite e gastrite, bem como em algumas doenças infecciosas como gripe e pneumonia, entre várias outras condições.

Eu certamente estou interessado em provar um copo de chá omija. E você? Já teve a chance?

– – –

Curta nossa página no Facebook!

– – –

Referências:

Panossian, A.; Wikman, G. (2008) Pharmacology of Schisandra chinensis Bail.: An overview of Russian research and uses in medicine. Journal of Ethnopharmacology 118(2): 183-212. https://doi.org/10.1016/j.jep.2008.04.020

Wikipedia. Schisandra chinensis. Available at < https://en.wikipedia.org/wiki/Schisandra_chinensis >. Access on October 31, 2017.

– – –

*Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons de Atribuição 3.0 Não Adaptada.

**Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons de Atribuição 2.0 Genérica.

Deixe um comentário

Arquivado em Botânica, Sexta Selvagem

Sexta Selvagem: Mexilhão-Marrom

por Piter Kehoma Boll

Até agora, os moluscos apresentados aqui incluíram um quíton, um cefalópode e dois gastrópodes. Então é hora de trazer um bivalve. E o que seria melhor do que mostrar um molusco comum do oceano Atlântico Sul?

Vivendo em praias rochosas em torno da América do Sul e da África, nosso camarada é chamado de Perna perna, ou mexilhão-marrom. Nos lugares em que vive, ele pode ser encontrado em grandes concentrações, às vezes cobrindo grandes áreas de rochas. Ele geralmente mede cerca de 90 mm de comprimento, mas alguns espécimes maiores podem chegar a até 120 mm. O aumento de área superficial nas rochas em que eles ocupam atrai outras espécies marinhas que vivem em rochas, como cracas, lepas, caramujos e algas.

perna_perna

Alguns espécimes de Perna perna crescendo sobre uma ostra na África do Sul. Foto de Bernadette Hubbart.

O mexilhão-marrom é um filtrador, como a maioria dos bivalves, alimentando-se de matéria orgânica suspensa na água, bem como de pequenos microrganismos, como fitoplâncton e zooplâncton. Como presa, eles são comidos por uma variedade de animais, tais como aves marinhas, crustáceos e moluscos. Humanos também o consomem tanto na América do Sul quanto na África. Sua ingestão, contudo, precisa ser cautelosa, pois ele pode conter toxinas de dinoflagelados que ingeriu, bem como metais pesados de poluentes da água.

Espalhado pelo mundo por humanos ao se prender a barcos, o mexilhão-marrom se tornou invasor em outras partes, especialmente no Golfo do México, e continua a aumentar sua área ocupada. Isso pode ter efeitos deletérios tanto ecológica quanto economicamente, já que ele pode remover espécies nativas e também causar dano a equipamentos humanos. Ele é, portanto, mais uma espécie que se tornou um problema por causa de nós, humanos. E o dano não vai ser facilmente reparado.

– – –

Curta nossa página no Facebook!

– – –

Referências:

Ferreira, A. G.; Machado, A. L. S.; Zalmon, I. R. (2004) Temporal and spatial variation on heavy metal concentrations in the bivalve Perna perna(LINNAEUS, 1758) on the northern coast of Rio de Janeiro State, Brazil. Brazilian Archives of Biology and Technology 47(2): 319–327. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-89132004000200020

Holland, B. S. (2001) Invasion without a bottleneck: microsatellite variation in natural and invasive populations of the brown mussel Perna perna (L). Marine Biotechnology 3, 407–415. https://dx.doi.org/10.1007/s1012601-0060-Z

Wikipedia. Perna perna. Disponível em: < https://en.wikipedia.org/wiki/Perna_perna >. Acesso em 21 de outubro de 2017.

– – –

*Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons de Atribuição Sem Derivações 2.0 Genérica.

Deixe um comentário

Arquivado em moluscos, Sexta Selvagem, Zoologia

Sexta Selvagem: Morela-Amarela

por Piter Kehoma Boll

É hora do próximo fungo, e dessa vez é um delicioso, ou pelo menos imagino que seja, já que eu nunca o comi. Cientificamente conhecido como Morchella esculenta, eu não sei se ele possui nomes populares em português que não sejam adaptações de outras línguas, então decidi usar o nome morela-amarela, tradução e adaptação do inglês yellow morel. O nome também pode aparecer como morquela ou morel.

576px-old_holiday_shot_of_morchella_esculenta_28gb3d_morel_mushroom2c_d3d_speise-morchel2c_nl3d_gewone_morielje29_-_panoramio

Um corpo de frutificação da morela-amarela na França. Foto de Henk Monster.*

Comum na América do Norte e na Europa, bem como em partes da Ásia, especialmente em áreas de floresta, a morela-amarela é um fungo comestível popular do filo Ascomycota, então não é parente próxima dos cogumelos comuns, mas é um parente das trufas, por exemplo.

Morelas geralmente são fáceis de reconhecer devido à sua aparência peculiar. Aparecendo durante a primavera, seu corpo de frutificação é mais ou menos oval na forma, sendo coberto de depressões e cristas irregulares, e é oco.

450px-morchella-esculenta-001

Uma morela aberta mostrando sua “ocidade”. Foto do usuário ooAmanitaoo da Wikimedia.*

Apesar de ser um dos cogumelos mais caros, as morelas podem causar alguns efeitos indesejáveis, como problemas gastrointestinais, se comidas cruas ou muito velhas. Assim, recomenda-se comer cogumelos jovens e ao menos escaldá-los antes do consumo. Como eles são ocos, é comum comê-los recheados com vegetais ou carne.

Estudos farmacológicos e bioquímicos revelaram que a morela-amarela possui muitas propriedades saudáveis, tal como a presença de antioxidantes, e substâncias que estimulam o sistema imunológico, bem como propriedades anti-inflamatórias e antitumor. É certamente um alimento que vale a pena incluir na dieta, pena que ele tende a ser tão caro…

– – –

Curta nossa página no Facebook!

– – –

Referências:

Duncan, C. J. G.; Pugh, N.; Pasco, D. S.; Ross, S. A. (2002) Isolation of galactomannan that enhances macrophage activation from the edible fungs Morchella esculentaJournal of Agricultural and Food Chemistry, 50(20): 5683–5695. DOI: 10.1021/jf020267c

Mau, J.-L.; Chang, C.-N.; Huang, S.-J.; Chen, C.-C. (2004) Antioxidant properties of methanolic extracts from Grifola frondosa, Morchella esculenta and Termitomyces albuminosus mycelia. Food Chemistry, 87(1): 111-118.
https://doi.org/10.1016/j.foodchem.2003.10.026

Nitha, B.; Meera, C. R.; Janardhanan, K. K. (2007) Anti-inflammatory and antitumour activities of cultured mycelium of morel mushroom, Morchella esculentaCurrent Science, 92(2): 235–239.

Wikipedia. Morchella esculenta. Disponível em < https://en.wikipedia.org/wiki/Morchella_esculenta >. Acesso em 31 de outubro de 2017.

– – –

*Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons de Atribuição e Compartilhamento Igual 3.0 Não Adaptada.

Deixe um comentário

Arquivado em Fungos, Sexta Selvagem

Planárias cabeça-de-martelo: outrora uma bagunça, agora uma bagunça ainda maior

por Piter Kehoma Boll

Poucas pessoas sabem que planárias terrestres existem, mas quando sabem, elas muito provavelmente conhecem as planárias-cabeça-de-martelo que compreendem a subfamília Bipaliinae.

As planárias-cabeça-de-martelo, ou simplesmente vermes-cabeça-de-martelo, têm esse nome porque suas cabeças possuem expansões laterais que as fazem lembrar um martelo, uma pá ou uma picareta. Dê uma olhada:

bipalium_vagum

O “verme-cabeça-de-martelo-errante”, Bipalium vagum. Note a cabeça peculiar. Foto do usuário budak do flickr.*

Os chineses conheciam os vermes-cabeça-de-martelo desde pelo menos o século X, o que é compreensível, visto que elas se distribuem do Japão até Madagascar, incluindo todo o sul e sudeste da Ásia, bem como a Indonésia, as Filipinas e outros arquipélagos. O mundo ocidental, no entanto, ouviu primeiro falar delas em 1857, quando William Stimpson descreveu as primeiras espécies e as pôs num gênero chamado Bipalium, do Latim bi- (dois) + pala (pá), devido ao formato da cabeça. Uma delas era a espécie Bipalium fuscatum, uma espécie japonesa que é atualmente considerada a espécie-tipo do gênero.

800px-bipalium_fuscatum_by_head

Região anterior de Bipalium fuscatum, o “verme-cabeça-de-martelo-amarronzado”. Foto do usuário 根川大橋 da Wikimedia.**

Dois anos depois, em 1859, Ludwig K. Schmarda descreveu mais uma espécie, esta do Sri Lanka, e, sem ter conhecimento do artigo de Stimpson, chamou a espécie de Sphyrocephalus dendrophilus, criando o novo gênero para ela do grego sphȳra (martelo) + kephalē (cabeça).

sphyrocephalus_dendrophilus

Dezenhos por Schmarda de Sphyrocephalus dendrophilus.

No ano seguinte, em 1860, Edward P. Wright fez algo similar e descreveu alguns vermes-cabeça-de-martelo da Índia e da China, criando um novo gênero, Dunlopea, para elas. O nome foi uma homenagem a seu amigo A. Dunlop (seja lá quem for).

dunlopea_grayia

Desenho por Wright de Dunlopea grayia (agora Diversibipalium grayi) da China.

Eventualmente esses erros foram percebidos e todas as espécies foram postas no gênero Bipalium, junto com várias outras descritas nos anos seguintes. Todos os vermes-cabeça-de-martelo eram parte do gênero Bipalium até 1896, quando Ludwig von Graff decidiu melhorar a classificação e os dividiu em três gêneros:

1. Bipalium: com uma cabeça tendo longas “orelhas”, uma cabeça bem desenvolvida.
2. Placocephalus (“cabeça de placa”): com uma cabeça mais semicircular.
3. Perocephalus (“cabeça mutilada”): com uma cabeça mais curta, rudimentar, quase como se tivesse sido cortada fora.

bipaliids

Compare as cabeças de espécies típicas de Bipalium (esquerda), Placocephalus (centro) e Perocephalus (direita), de acordo com Graff.

Este sistema, no entanto, foi logo abandonado e tudo voltou a ser simplesmente Bipalium e continuou assim por quase um século, mudando de novo apenas em 1998, quando Kawakatsu e seus amigos começaram a mexer com os pênis dos vermes-cabeça-de-martelo.

Primeiro, em 1998, eles criaram o gênero Novibipalium (“novo Bipalium”) para espécies com uma papila penial reduzida ou ausente, e mantiveram em Bipalium aquelas com uma papila penial “bem” desenvolvida. Vale ressaltar, no entanto, que essa papila bem desenvolvida não é muito maior que a papila reduzida de Novibipalium. Em ambos os gêneros o pênis verdadeiro, funcional, é formado por um conjunto de dobras do átrio masculino e não pela papila penial em si como acontece em outras planárias terrestres com papila penial.

Mais tarde, em 2001, Ogren & Sluys separaram mais algumas espécies de Bipalium em um gênero novo chamado Humbertium (homenageando Aloïs Humbert, que descreveu a maioria das espécies desse novo gênero). Elas foram separadas de Bipalium porque os ovovitelodutos (os dutos que conduzem os ovos e os vitelócitos) entram no átrio feminino pela frente, e não por trás como numa Bipalium típica. Essa separação é, na minha opinião, mais razoável que a anterior.

Agora tínhamos três gêneros de vermes-cabeça-de-martelo baseados em sua anatomia interna, mas várias espécies foram descritas sem qualquer conhecimento de seus órgãos sexuais. Assim, em 2002, Kawakatsu e seus amigos criaram mais um gênero, Diversibipalium (“o Bipalium diverso”) para incluir todas as espécies cuja anatomia dos órgãos sexuais era desconhecida. Em outras palavras, é um gênero “cesto de lixo” para colocá-las até que sejam melhor estudadas.

Mas será que esses três gêneros, Bipalium, NovibipaliumHumbertium, como agora definidos, são naturais? Ainda não sabemos, mas eu aposto que não. Uma boa maneira de conferir seria usando filogenia molecular, mas não temos pessoas trabalhando com esses animais em seu habitat natural, assim não temos material disponível para isso. Outra coisa que pode nos dar uma luz é olhar para sua distribuição geográfica. Podemos assumir que espécies geneticamente similares, especialmente de organismos com uma habilidade de dispersão tão baixa quanto planárias terrestres, ocorram todas na mesma região geográfica, certo? Então onde encontramos as espécies de cada gênero? Vamos ver:

Bipalium: Indonésia, Japão, China, Coreia, Índia.

Novibipalium: Japão.

Humbertium: Madagascar, Sri Lanka, Sul da Índia, Indonésia.

Estranho, né? Elas estão completamente misturadas e cobrindo uma enorme área do planeta, especialmente se considerarmos Humbertium. Podemos ver uma tendência, mas nada muito claro.

Felizmente, algumas análises moleculares foram publicadas (veja Mazza et al. (2016) nas referências). Uma, que incluiu as espécies Bipalium kewenseB. nobileB. adventitiumNovibipalium venosumDiversibipalium multilineatum, colocou Diversibipalium multilineatum bem perto de Bipalium nobile, e elas são de fato similares, então acho que podemos transferi-la de Diversibipalium para Bipalium, certo? Similarmente, Novibipalium venosum apaece misturada com as espécies de Bipalium. Acho que isso bagunça as coisas um pouco mais.

681px-bipalia_invasive

Cabeça de algumas espécies de Bipalium, incluindo as usadas no estudo citado acima. Infelizmente, não consegui encontrar uma foto ou um desenho de Novibipalium venosum. Imagem por mim mesmo, Piter Kehoma Boll.**

Interessantemente, entre as espécies analisadas, a mais divergente foi Bipalium adventitium, cuja cabeça é mais “obtusa” que a das outras. Poderia a cabeça ser a resposta, afinal? Vamos esperar que alguém com os recursos necessários esteja disposto a resolver essa bagunça logo.

– – –

Curta nossa página no Facebook!

– – –

Veja também:

Encontrados e depois perdidos: o lado não tão iluminado da taxonomia.

Eles só se importam se você for fofo. Como o carisma prejudica a biodiversidade.

A fabulosa aventura taxonômica do gênero Geoplana.

Planaria elegans de Darwin: escondida, extinta ou mal identificada?

– – –

Referências:

Graff, L. v. (1896) Über das System und die geographische Verbreitung der Landplanarien. Verhandlungen der Deutschen Zoologischen Gesellschaft6: 61–75.

Graff, L. v. (1899) Monographie der Turbellarien. II. Tricladida Terricola (Landplanarien). Engelmann, Leipzig.

Kawakatsu, M.; Ogren, R. E.; Froehlich, E. M. (1998) The taxonomic revision of several homonyms in the genus Bipalium, family Bipaliidae (Turbellaria, Seriata, Tricladida, Terricola). The Bulletin of Fuji Women’s College Series 236: 83–93.

Kawakatsu, M.; Ogren, R. E.; Froehlich, E. M., Sasaki, G.-Y. (2002) Additions and corrections of the previous land planarians indices of the world (Turbellaria, Seriata, Tricladida, Terricola). The bulletin of Fuji Women’s University. Ser. II40: 162–177.

Mazza, G.; Menchetti, M.; Sluys, R.; Solà, E.; Riutort, M.; Tricarico, E.; Justine, J.-L.; Cavigioli, L.; Mori, E. (2016) First report of the land planarian Diversibipalium multilineatum (Makino & Shirasawa, 1983) (Platyhelminthes, Tricladida, Continenticola) in Europe. Zootaxa4067(5): 577–580.

Ogren, R. E.; Sluys, R. (2001) The genus Humbertiumgen. nov., a new taxon of the land planarian family Bipaliidae (Tricladida, Terricola). Belgian Journal of Zoology131: 201–204.

Schmarda, L. K. (1859) Neue Wirbellose Thiere beobachtet und gesammelt auf einer Reise um die Erde 1853 bis 1857 1. Turbellarien, Rotatorien und Anneliden. Erste Hälfte. Wilhelm Engelmann, Leipzig.

Stimpson, W. (1857) Prodromus descriptionis animalium evertebratorum quæ in Expeditione ad Oceanum, Pacificum Septentrionalem a Republica Federata missa, Johanne Rodgers Duce, observavit er descripsit. Pars I. Turbellaria Dendrocœla. Proceedings of the Academy of Natural Sciences of Philadelphia9: 19–31.

Wright, E. P. (1860) Notes on Dunlopea. Annals and Magazine of Natural History, 3rd ser.6: 54–56.

– – –

*Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons de Atribuição Não Comercial Sem Derivações 2.0 Genérica.

**Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons de Atribuição e Compartilhamento Igual 4.0 Internacional.

1 comentário

Arquivado em platelmintos, Sistemática, Taxonomia, vermes, Zoologia

Sexta Selvagem: Esponja-gradeada-comum

por Piter Kehoma Boll

Vamos voltar ao mar e a nossos parentes distantes, as esponjas. Hoje vou trazer uma esponja calcária com uma bela aparência, Clathrina clathrus, que eu decidi chamar de “esponja-gradeada-comum”.

Encontrada no Mar Mediterrâneo e na costa europeia do Oceano Atlântico, a esponja-gradeada comum possui uma coloração amarela e cerca de 10 cm de diâmetro. Ela é formada por um emaranhado de tubos que de certa forma lembram uma grade torcida ou algo do tipo.

450px-clathrina_clathrus_scarpone_055

Um espécime de Clathrina clathrus com sua aparência gradeada. Foto do usuário Esculapio do WIkimedia.*

O formato e o tamanho dos espécimes é bem variado, mudando em questão de horas por expansão, contração ou dobramento de estruturas e células. Da mesma forma, espécimes frequentemente se fragmentam em outros menores ou fundem para formar outros maiores, de forma que a individualidade é um processo dinâmico.

Recentemente, a esponja-gradeada-comum revelou conter alguns compostos, conhecidos como clatridiminas, que apresentam atividade antimicrobiana contra bactérias Gram-positivas e Gram-negativas, bem como contra o fungo Candida albicans. Estes compostos podem ser produzidos pela diversa comunidade de bactérias que vivem em associação íntima com a esponja, uma comunidade que ainda é muito pouco conhecida.

– – –

Curta nossa página no Facebook!

– – –

Referências:

Gaino, E.; Pansini, M.; Pronzato, R.; Cicogna, F. (1991) Morphological and structural variations in Clathrina clathrus (Porifera, Calcispongiae). In.: Reitner, J.; Keupp, H. (Eds.) Fossil and Recent Sponges. Springer-Verlag, Berlin. pp. 360-371.

Quévrain, E.; Roué, M.; Domart-Coulon, I.; Bourguet-Kondracki, M.-L. (2014) Assessing the potential bacterial origin of the chemical diversity in calcareous sponges. Journal of Marine Science and Technology 22(1): 36-49.

Roué, M.; Domart-Coulon, I.; Ereskovsky, A.; Djediat, C.; Perez, T.; Bourguet-Kondracki, M.-L. (2010) Cellular localization of clathridimine, an antimicrobial 2-aminoimidazole alkaloid produced by the Mediterranean calcerous sponge Clathrina clathrusThe Journal of Natural Products 73(7): 1277–1282.

– – –

*Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons de Atribuição 3.0 Não Adaptada.

Deixe um comentário

Arquivado em esponjas, Sexta Selvagem