Arquivo da categoria: Uncategorized

Sexta Selvagem: H. pylori

por Piter Kehoma Boll

Já apresentei três espécies de bactéria aqui, todas de vida livre ou amiguinhas. Mas todos sabemos que muitas bactérias podem ser um verdadeiro incômodo para nós, humanos, então é hora de mostrar algumas dessas, certo?

Eu decidi começar com uma que eu pensei estar vivendo dentro de mim algum tempo atrás (mas no fim não estava), e esta é a temperamental Helicobacter pylori, que como sempre não tem nome comum, mas ela é comumente chamada de H. pylori pelos médicos, então vou chamá-la assim.

empylori

Micrografia eletrônica de um espécie de H. pylori mostrando os flagelos.

O lugar mais comum para se encontrar a H. pylori é dentro do estômago. Estima-se que mais da metade da população humana tenha essa bactéria vivendo em seu trato gastrointestinal, mas na maioria das vezes isso não afeta sua vida em nada. No entanto algumas vezes as coisas podem ficar feias.

H. pylori é uma bactéria de 3 µm de comprimento com o formato de um bastão retorcido, de onde o nome Helicobacteri, significando “bastão hélice”. Ela também tem um conjunto de quatro a seis flagelos em uma de suas extremidades, o que a faz uma bactéria muito móvel. Pensa-se que o formato torcido, junto com os flagelos, é útil para a H. pylori penetrar o revestimento de muco do estômago. Ela faz isso para escapar do ambiente extremamente ácido no estômago, sempre penetrando em direção a um lugar menos ácido, eventualmente chegando ao epitélio do estômago e às vezes até vivendo dentro das células epiteliais.

De maneira a evitar ainda mais os ácidos, a H. pylori produz grandes quantidades de urease, uma enzima que digere a ureia no estômago, produzindo amônia, a qual é tóxica para humanos. A presença de H. pylori no estômago pode levar a inflamação como uma resposta imune do hospedeiro, o que aumenta as chances das membranas mucosas do estômago e do duodeno serem prejudicadas pelos fortes ácidos, levando a gastrite e eventualmente úlceras.

A associação entre humanos e H. pylori parece ser bem velha, possivelmente tão velha quanto a espécie humana em si, pois suas origens foram traçadas até a África Oriental, o berço do Homo sapiens. Esta bactéria é, portanto, um velho amigo e rival e provavelmente continuará conosco por muitos e muitos anos no futuro.

– – –

Referências:

Linz, B.; Balloux, F.; Moodley, Y. et al. (2007) An African origin for the intimate association between humans and Helicobacter pyloriNature 445: 915–918. https://dx.doi.org/10.1038/nature0556

Wikipedia. Helicobacter pylori. Disponível em < https://en.wikipedia.org/wiki/Helicobacter_pylori >. Acesso em 5 de agsto de 2017.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Bactérias, Parasitas, Sexta Selvagem, Uncategorized

Novas Espécies: 1 a 10 de fevereiro de 2017

por Piter Kehoma Boll

Aqui está uma lista de espécies descritas de 1 a 10 de janeiro. Ela certamente não inclui todas as espécies descritas. A maior parte das informações vem dos jornais Mycokeys, Phytokeys, Zookeys, Phytotaxa, Zootaxa, International Journal of Systematic and Evolutionary Microbiology e Systematic and Applied Microbiology, além de revistas restritas a certos táxons.

heliconia_berguidoi

Heliconia berguidoi é uma nova espécie de planta do Panamá. Fotos de R. Flores e C. Black, vistos na imagem de baixo ao lado de um espécime. (Licença CC BY 4.0)

Arqueias

Bactérias

SARs

Plantas

Fungos

Cnidários

Platelmintos

Anelídeos

Nematódeos

Aracnídeos

Miriápodes

Crustáceos

Insetos

Peixes de nadadeiras rajadas

Répteis

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Sexta Selvagem: Radiolário-Trançado-do-Norte

por Piter Kehoma Boll

Algumas semanas atrás eu apresentei uma diatomácea aqui e mencionei que, apesar de serem um grupo muito abundante, pouca informação sobre as espécies está disponível. Hoje nossa espécie é um radiolário e, assim como as diatomáceas, eles são abundantes, mas pouco conhecidos.

Foi difícil encontrar uma espécie viva que também tivesse uma foto boa e disponível para compartilhar. E o vencedor foi uma espécie conhecida como Cleveiplegma boreale, ou Rhizoplegma boreale talvez. Não tenho certeza de qual é o nome atualmente aceito. Enfim, ele não tem um nome comum, mas eu decidi criar um, então vamos chamá-lo de “radiolário-trançado-do-norte”.

Radiolários são organismos unicelulares que possuem um esqueleto mineral intrincado que contém uma cápsula central que tipicamente divide a célula em duas porções: uma interna e uma externa. Nosso camarada se parece com isso:

cleveiplegma_boreale

Um espécime vivo do radiolário-trançado-do-norte. Foto de John Dolan.*

O radiolário-trançado-do-norte tem de 6 a 10 espinhos crescendo para fora e há um padrão complexo de esqueleto trançado que envolve tanto os espinhos quando a cápsula interna. Medindo cerca de 20 µm de diâmetro, ele é um radiolário consideravelmente grande.

Apesar de ser conhecido de fósseis ao longo do quaternário, de pelo menos 10 mil anos antes do presente, o radiolário-trançado-do-norte ainda é uma espécie vive. Atualmente sabe-se que ele ocorre nos Mares Nórdicos, em torno da Escandinávia, Islândia e Groenlândia, no Pacífico Norte, incluindo o Mar de Bering, e no Oceano Austral, em torno da Antártida. Podemos ver, portanto, que essa espécie gosta de águas frias.

Ah, e eles se alimentam de diatomáceas… eu acho.

– – –

Referências:

Dolven, J., & Bjørklund, K. (2001). An early Holocene peak occurrence and recent distribution of Rhizoplegma boreale (Radiolaria): a biomarker in the Norwegian Sea Marine Micropaleontology, 42 (1-2), 25-44 DOI: 10.1016/S0377-8398(01)00011-1

Dumitrica, P. (2013). Cleveiplegma nov. gen., a new generic name for the radiolarian species Rhizoplegma boreale (Cleve, 1899) Revue de Micropaléontologie, 56 (1), 21-25 DOI: 10.1016/j.revmic.2013.01.001

– – –

*Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons de Atribuição e Compartilhamento Igual 3.0 Não Adaptada.

Deixe um comentário

Arquivado em protistas, Uncategorized

Sexta Selvagem: Samambaiaçu

por Piter Kehoma Boll

É mais do que hora de trazer uma samambaia para a Sexta Selvagem,e eu decidi começar com uma das minhas favoritas, a samambaia arbórea neotropical Dicksonia sellowiana, conhecida no Brasil como samambaiaçu ou xaxim.

dicksonia_sellowiana

Uma samambaiaçu numa floresta no sul do Brasil. Foto de DeadWood II, usuário do Wikimedia.*

O samambaiaçu ocorre no sul do México ao Uruguai e é geralmente encontrado em florestas chuvosas, sendo uma espécie notável das florestas chuvosas no sul do Brasil, especialmente na floresta com araucária. Ele pode atingir vários metros de altura e as frondes (folhas) atingem até 2,5 m de comprimento.

Durante a maior parte do século XX, o caule fibroso do samambaiaçu (geralmente chamado “xaxim”) foi extensivamente usado para fabricar vasos de plantas e placas que serviam como substrato para cultivar orquídeas e outras plantas epífitas. Como resultado dessa exploração, bem como da destruição de seu habitat nativo, o samambaiaçu está atualmente incluído na lista brasileira de espécies ameaçadas.

O comércio de xaxim está atualmente proibido por lei no Brasil, então se você encontrar alguém vendendo em algum lugar, por favor, comunique as autoridades!

– – –

Referências:

Schmitt, J., Schneider, P., & Windisch, P. (2009). Crescimento do cáudice e fenologia de Dicksonia sellowiana Hook. (Dicksoniaceae) no sul do Brasil Acta Botanica Brasilica, 23 (1), 283-291 DOI: 10.1590/S0102-33062009000100030

Brasil. Lei Nº 9.605/98. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9605.htm >.

– – –

*Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons de Atribuição e Compartilhamento Igual 3.0 Não Adaptada.

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Novas Espécies: 1 a 10 de setembro

por Piter Kehoma Boll

Aqui está uma lista de espécies descritas de 1 a 10 de setembro. Ela certamente não inclui todas as espécies descritas. A maior parte das informações vem dos jornais Mycokeys, Phytokeys, Zookeys, Phytotaxa, Zootaxa, International Journal of Systematic and Evolutionary Microbiology e Systematic and Applied Microbiology, além de revistas restritas a certos táxons.

Arqueias

Bactérias

SARs

Plantas

Fungos

Anelídeos

Moluscos

Nematódeos

Aracnídeos

Miriápodes

Crustáceos

Hexápodes

Peixes cartilaginosos

Peixes de nadadeiras rajadas

Répteis

Deixe um comentário

Arquivado em Sistemática, Taxonomia, Uncategorized

Sexta Selvagem: Clitória-azul

por Piter Kehoma Boll

Na sexta-selvagem de hoje temos uma trepadeira com belas flores azuis que têm a forma de uma genitália feminina humana.

Sim, você leu direito. Seu nome científico é Clitoria ternata, o nome do gênero sendo uma referência direta ao clitóris de uma mulher devido ao formato das flores.

Clitoria_ternatea

Quase pornográfico. Foto de N. Aditya Madhav.*

Nativa da Ásia tropical, a clitória-azul foi introduzida no mundo todo em regiões tropicais. Suas sementes são comestíveis quando macias e as flores podem ser usadas para fazer uma bela infusão azul chamada “chá de clitória”. É uma planta usada na medicina aiurvédica para melhorar a saúde mental.

blue tea

Um belo chá azul para melhorar sua memória. Foto de Tanya May.*

De fato, alguns estudos demonstraram que ela pode mesmo ser benéfica para melhorar a memória, ao menos em ratos, e também possui propriedades anti-inflamatórias, analgésicas e antipiréticas, especialmente de extratos das raízes.Mais uma vez a medicina tradicional foi um bom guia para a pesquisa farmacológica.

– – –

Referências:

Devi, B., Boominathan, R., & Mandal, S. (2003). Anti-inflammatory, analgesic and antipyretic properties of Clitoria ternatea root Fitoterapia, 74 (4), 345-349 DOI:10.1016/S0367-326X(03)00057-1

Taranalli, A., & Cheeramkuzhy, T. (2011). Influence of Clitoria Ternatea Extracts on Memory and Central Cholinergic Activity in Rats Pharmaceutical Biology, 38(1), 51-56 DOI: 10.1076/1388-0209(200001)3811-BFT051

Wikipedia. Clitoria ternatea. Available at: < https://en.wikipedia.org/wiki/Clitoria_ternatea >. Access on August 1, 2016.

– – –

*Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons de Atribuição e Compartilhamento Igual 3.0 Não Adaptada.

Deixe um comentário

Arquivado em Botânica, Sexta Selvagem, Uncategorized