A história da Sistemática: Animais no Systema Naturae (parte 2)

por Piter Kehoma Boll

Esta postagem é uma continuação de A história da Sistemática: Animais no Systema Naturae, 1758 (parte 1). Por isso assegure-se de ler a outra postagem primeiro!

Aqui falarei de outras duas classes na classificação de Linnaeus: Amphibia e Pisces. Confira as classes Mammalia e Aves na primeira parte,a classe Insecta na terceira e a classe Vermes na quarta.

3. Amphibia (Anfíbios)

Coração com um ventrículo e uma aurícula; sangue frio e vermelho.
Pulmões respirando arbitrariamente
Mandíbula incumbente.
Pênis duplo. Ovos em sua maioria membranáceos.
Sentidos: língua, narinas, olhos, muitos ouvidos.
Cobertura: coriácea, nua.
Suporte: variados, em alguns nenhum.

Os anfíbios eram classificados de acordo com a anatomia dos membros e incluíam três ordens: Reptiles, Serpentes e Nantes. Elas são mostradas abaixo com seus respectivos gêneros.

3.2 Reptiles (rastejantes), possuindo quatro patas: Testudo (tartarugas e jabutis), Draco (lagartos planadores), Lacerta (lagartos, salamandras e crocodilianos), Rana (rãs e sapos).

1758Linnaeus_reptiles

Quatro espécies que Linnaeus pôs em Reptiles (da esquerda para a direita): tartaruga-grega (Testudo graeca), dragão-voador (Draco volans), lagarto-ágil (Lacerta agilis) e rã-comum (Rana temporaria). Créditos para Gisella D. (tartaruga), Charles J. Sharp (dragão-voador), Krzysztof Mizera (lagarto) e Monika Betley (rã).

3.2 Serpentes (arrastantes), sem membros: Crotalus (cascavéis), Boa (jiboias), Coluber (corredoras, víboras, najas, pítons), Anguis (cobras-de-vidro, jiboias-da-areia), Amphisbaena (cobras-de-duas-cabeças ou lagartos-vermes), Caecilia (cobras-cegas).

Seis espécies postas por Linnaeus em Serpentes (da esquerda para a direita, de cima para baixo): cascavel-dos-bosques (

Seis espécies postas por Linnaeus em Serpentes (da esquerda para a direita, de cima para baixo): cascavel-dos-bosques (Crotalus horridus), jiboia-constritora (Boa constrictor), corredora-azul (Coluber constrictor), licranço (Anguis fragilis), cobra-de-duas-cabeças-branca (Amphisbaena alba), cobra-cega-de-barba (Caecilia tentaculata). Créditos a Pavel Ševela (jiboia), usuário do Wikimedia Marek_bydg (licranço), Diogo B. Provete (cobra-de-duas-cabeças) e bio-scene.org (cobra-cega).

3.3 Nantes (natantes), tendo nadadeiras: Petromyzon (lampreias), Raja (raias), Squalus (tubarões), Chimaera (quimeras), Lophius (peixes-pescadores) e Acipenser (esturjões).

A ordem Nantes compreendia, entre outros (da esquerda para a direita, de cima para baixo), a lampreia-marinha (

A ordem Nantes compreendia, entre outros (da esquerda para a direita, de cima para baixo), a lampreia-marinha (Petromyzon marinus), a raia-de-dorso-espinhento (Raja clavata), a melga (Squalus acanthias), a quimera (Chimaera monstrosa), o peixe-pescador (Lophius piscatorius), e o esturjão (Acipenser sturio). Créditos a usuário do Wikimedia Fungus Guy (lampreia), usuário do Wikimedia Citron (quimera), usuário do Wikimedia Meocrisis (peixe-pescador) e usuário do flickr Aah-Yeah (esturjão).

4. Pisces (Peixes)

Coração com um ventrículo e uma aurícula; sangue vermelho e frio.
Brânquias externas, comprimidas.
Mandíbula incumbente.
Pênis ausente. Ovos sem albumina.
Sentidos: língua, narinas (?), olhos (sem ouvidos).
Cobertura: escamas imbricadas.
Suporte: nadadeiras.

Peixes incluíam 5 ordens, as quais eram definidas principalmente pela posição das nadadeiras ventrais em relação às peitorais: Apodes, Jugulares, Thoracici, Abdominales e Branchiostegi.

4.1 Apodes (sem pés), sem nadadeiras ventrais.: Muraena (enguias), Gymnotus (carapós), Trichiurus (peixes-alfanje), Anarhichas (peixes-lobo), Ammodytes (enguias-de-areia), Stromateus (peixes-manteiga), Xiphias (peixes-espada).

(Da esquerda para a direita, de cima para baixo) A moreia-mediterrânea (

(Da esquerda para a direita, de cima para baixo) A moreia-mediterrânea (Muraena helena), o carapó (Gymnotus carapo), o cauda-de-cabelo-cabeçudo (Trichiurus lepturus), o peixe-lobo (Anarhichas lupus), a enguia-de-areia-menor (Ammodytes tobianus), o peixe-manteiga-azul (Stromaeus fiatola) e o peixe-espada (Xiphias gladius) foram classificados como Apodes. Créditos a Tato Grasso (moreia), segrestfarms.com (carapó), Daizu Azuma (cauda-de-cabelo), usuário do Wikimedia Haplochromis (peixe-lobo) e Muhammad Moazzam Khan (peixe-espada).

4.2 Jugulares, nadadeiras ventrais à frente das peitorais: Callionymus (dragãozinhos e cabeças-chatas), Uranoscopus (contempladores-das-estrelas), Trachinus (peixes-aranha), Gadus (bacalhaus, eglefins etc), Blennius (blênios), Ophidion (brótulas, peixes-fita etc).

Seis espécies incluídas na ordem Jugulares (da esquerda para a direita, de cima para baixo): dragãozinho-comum (

Seis espécies incluídas na ordem Jugulares (da esquerda para a direita, de cima para baixo): dragãozinho-comum (Callionymus lyra), contemplador-das-estrelas-do-Atlântico (Uranoscopus scaber), peixe-aranha-maior (Trachinus draco), bacalhau-do-Atlântico (Gadus morhua), blênio-borboleta (Blennius ocellaris), peixe-cobrelo (Ophidion barbatum). Créditos a Hans Hillewaert (dragãozinho), Roberto Pillon (contemplador-das-estrelas), Hans-Petter Fjeld (bacalhau, CC-BY-SA), Gianni Neto (blênio), Steano Guerrieri (peixe-cobrelo).

4.3 Thoracici (torácicos), nadadeiras ventrais embaixo das peitorais: Cyclopterus (peixes-lapa), Echeneis (rêmoras), Coryphaena (dalfinhos e peixes-navalha), Gobius (cabozes), Cottus (alcabozes, cabeças-de-touro etc), Scorpaena (peixes-escorpião), Zeus (são-pedros, cabisbaixos etc), Pleuronectes (linguados), Chaetodon (peixes-borboleta, peixes-anjo, cirurgiões etc), Sparus (douradas, sargos etc), Labrus (bodiões, peixes-papagaio etc), Sciaena (corvinas, mordiscadores), Perca (percas, garoupas, tilápias), Gasterosteus (esgana-gatas, peixes-leão, peixes-piloto etc), Scomber (carapaus e atuns), Mullus (salmonetes), e Trigla (trilhas).

Dezessete espécies classificadas por Linnaeus como Thoracici (da esquerda para a direita, de cima para baixo):

Dezessete espécies classificadas por Linnaeus como Thoracici (da esquerda para a direita, de cima para baixo): peixe-lapa (Cyclopterus lumpus), chupa-tubarão (Echeneis naucrates), dalfino (Coryphaena equiselis), caboz-negro (Gobius niger), cabeça-de-touro-europeu (Cottus gobio), rascasso-vermelho (Scorpaena scrofa), são-pedro (Zeus faber), platilha (Pleuronectes platessa), peixe-borboleta-listrado (Chaetodon striatus), dourada (Sparus aurata), bodião-preto (Labrus merula), corvina-marrom (Sciaena umbra), perca-europeia (Perca fluviatilis), esgana-gata-de-três-espinhos (Gasterosteus aculeatus), sarda (Scomber scombrus), salmonete-da-vasa (Mullus barbatus) e trilha (Trigla lyra). Créditos a Simon Pierre Barrette (peixe-lapa), usuário do Wikimedia Wusel007 (chupa-tubarão), NOAA/FPIR Observer Program (dalfino), Stefano Guerrieri (caboz e bodião), Hans Hillewart (cabeça-de-touro), usuário do Wikimedia Elapied (racasso), usuário do Wikimedia Kleines.Opossum (são-pedro), usuário do Wikimedia Gargolla (platilha), Bernard E. Picton (peixe-borboleta), Roberto Pillon (dourada e salmonete), Albert Kok (corvina), usuário do Wikimedia Dgp.martin (perca), usuário do Wikimedia JaySo83 (esgana-gata), NOAA (sarda) e Massimiliano Marcelli (trilha).

4.4 Abdominales (abdominais), nadadeiras ventrais atrás das peitorais: Cobitis (verdemãs e quatro-olhos), Silurus (bagres), Loricaria (cascudos), Salmo (salmões, trutas, eperlanos etc), Fistularia (peixes-corneta), Esox (lúcios, gares, barracudas etc), Argentina (argentinas), Atherina (lados-de-pratas), Mugil (tainhas), Exocoetus (peixes-voadores), Polynemus (barbudos), Clupea (arenques, anchovas etc), e Cyprinus (carpas, peixes-dourados etc).

Treze espécies que eram parte da ordem Abdominales (da esquerda para a direita, de cima para baixo):

Treze espécies que eram parte da ordem Abdominales (da esquerda para a direita, de cima para baixo): verdemã (Cobitis taena), siluro (Silurus glanis), acari (Loricaria cataphracta), salmão-do-Atlântico (Salmo salar), peixe-corneta-de-manchas-azuis (Fistularia tabacaria), lúcio-do-norte (Esox lucius), argentina-europeia (Argentina sphyraena), lados-de-prata-do-Mediterrâneo (Atherina hepsetus), tainha-olhalvo (Mugil cephalus), peixe-voador-tropical-de-duas-asas (Exocoetus volitans), barbudo-do-paraíso (Polynemus paradiseus), arenque-do-atlântico (Clupea harengus), carpa-comum (Cyprinus carpio). Créditos para J. C. Harf (verdemã), Dieter Florian (siluro), Hans-Petter Fjeld (salmão), usuário do Wikimedia Jik jik (lúcio) Roberto Pillon (lado-de-prata e tainha), usuário do Wikimedia Kolisberg (peixe-voador), segrestfarms.com (barbudo) e usuário do Wikimedia Kils (arenque).

4.5 Branchiostegi, sem opérculos ou nadadeiras branquiais: Mormyrtus (peixes-elefante), Balistes (cangulos, peixes-atiradores), Ostracion (peixes-cofre, peixes-vaca), Tetraodon (baiacus e peixes-lua), Diodon (peixes-balão), Centriscus (apara-lápis), Syngnathus (peixes-cachimbo e cavalos-marinhos) e Pegasus (mariposas-marinhas).

As oito espécies mostradas acima eram todas parte da ordem Branchiostegi (da esquerda para a direita, de cima para baixo):

As oito espécies mostradas acima eram todas parte da ordem Branchiostegi (da esquerda para a direita, de cima para baixo): Mormyrus caschive, cangulo-rei (Balistes vetula), peixe-cofre-amarelo (Ostracion cubicus), baiacu-fahaka (Tetraodon lineatus), peixe-balão-de-nadadeira-manchada (Diodon hystrix), apara-lápis-de-escudo (Centriscus scutatus), peixe-cachimbo-comum (Syngnathus acus), e mariposa-marinha-de-cauda-longa (Pegasus volitans). Créditos para Johny Jensen (Mormyrus), James St. John (cangulo), usuário do flickr zsispeo (peixe-cofre), Reserva de la Biosfera Cabildo de Gran Canaria (peixe-balão), John E. Randall (apara-lápis e mariposa-marinha) e Hans Hillewaert (peixe-cachimbo).

Como pode-se perceber, a classificação de Linnaeus para anfíbios e peixes era ainda pior que a de mamíferos e aves, especialmente a classificação de anfíbios. Está claro que Linnaeus odiava o que ele chamou de anfíbios mais do que qualquer coisa. Ele os descreve como as piores criaturas, tendo uma aparência horrível, e agradecendo a Deus por não ter criado muitos deles.

Provavelmente uma das coisas mais bizarras é o fato de Linnaeus ter posto lagartos e crocodilos no mesmo gênero! Bem, se ele odiava “anfíbios” tanto assim, acho que ele não era muito familiarizado com sua anatomia.

– – –

Referência:

Linnaeus, Carl. 1758. Systema Naturae per Regna Tria Nature…

– – –

Creative Commons License
Todas as imagens estão licenciadas sob uma Licença Creative Commons de Atribuição e Compartilhamento Igual 4.0 Internacional.

Anúncios

4 Comentários

Arquivado em Sistemática, Taxonomia, Zoologia

4 Respostas para “A história da Sistemática: Animais no Systema Naturae (parte 2)

  1. Pingback: A história da Sistemática: Animais no Systema Naturae, 1758 (parte 3) | Natureza Terráquea

  2. Pingback: A história da Sistemática: Animais no Systema Naturae, 1758 (parte 1) | Natureza Terráquea

  3. Pingback: A história da Sistemática: Animais no Systema Naturae, 1758 (Parte 4) | Natureza Terráquea

  4. Pingback: A história da Sistemática: Plantas no Systema Naturae, 1758 (parte 1) | Natureza Terráquea

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s