Arquivo do mês: abril 2016

Novas espécies: última semana de abril

por Piter Kehoma Boll

Aqui está uma lista de espécies descritas de 15 de abril a 21 de abril. Ela certamente não inclui todas as espécies descritas. A maior parte das informações vem dos jornais Mycokeys, Phytokeys, Zookeys, Phytotaxa, Zootaxa and International Journal of Systematic and Evolutionary Microbiology.

Trigonopterus chewabacca, um novo wookie, digo, besouro, recentemente descrito.

Trigonopterus chewabaccan Van Dam & Riedel, 2016, um novo wookie, digo, besouro, recentemente descrito.

Bacterias:

Plantas:

Amoebozoários:

Fungos:

Platelmintos:

Moluscos:

Aracnídeos:

Crustáceos:

Hexápodes:

Peixes de nadadeiras rajadas:

Répteis:

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Sistemática, Taxonomia

Sexta Selvagem: Tachã-de-pescoço-preto

por Rafael Nascimento

Um parente do tachã e da anhima menos conhecido por nós é o tachã-de-pescoço-preto (Chauna chavaria). Os três formam a família Anhimidae, que, apesar de não parecer superficialmente, são parentes dos patos e gansos (antigamente eram tidos como parentes das galinhas, Galliformes).

Tachã-de-pescoço-preto. Foto de Brodie Ferguson.*

Tachã-de-pescoço-preto. Foto de Brodie Ferguson.*

Mede de 76 a 91 cm, sendo um pouco menor do que o tachã, com o qual compartilha o gênero, e caracterizado por plumagem mais escura num geral e a porção preta do pescoço de maior dimensão, daí seu nome.  São aves bastante vocais e notáveis por suas cristas.

Enquanto a anhuma e o tachã têm distribuição ampla, o tachã-de-pescoço-preto é mais raro, tratado como “Quase Ameaçado” pelo IUCN, e podendo ser encontrado apenas no norte da Colômbia e no noroeste da Venezuela, habitando alagados, lagoas e bancos de rios em áreas florestadas. Alimenta-se apenas de matéria vegetal, consumindo raízes, folhas, brotos e outras partes de plantas aquáticas.

– – –

Referências:

BirdLife International. 2015. Chauna chavaria. The IUCN Red List of Threatened Species 2015: e.T22679726A83833043. http://dx.doi.org/10.2305/IUCN.UK.2015-4.RLTS.T22679726A83833043.en. Acessado em 21 de abril de 2016.

Carboneras, C., Boesman, P., Kirwan, G.M. & Sharpe, C.J. (2016). Northern Screamer (Chauna chavaria). In: del Hoyo, J., Elliott, A., Sargatal, J., Christie, D.A. & de Juana, E. (eds.). Handbook of the Birds of the World Alive. Lynx Edicions, Barcelona. (Retirado de http://www.hbw.com/node/52792 em 21 de abril de 2016).

– – –

Creative Commons License
*Esta imagem está licenciada sob uma Licença Creative Commons de Atribuição 2.0 Genérica.

Deixe um comentário

Arquivado em Ornitologia, Sexta Selvagem

A história da Sistemática: Plantas no Systema Naturae, 1758 (parte 1)

por Piter Kehoma Boll

Agora que terminei de apresentar a classificação de Linnaeus dos animais (veja aqui partes 2, 3, 4, 5 e 6), é hora de falar sobre as plantas.

A classificação de Linnaeus das plantas começou na verdade um pouco antes daquela dos animais, em sua obra Species Plantarum publicada em 1753. O sistema que ele usou ali, contudo, não mudou muito daquele apresentado na 10ª edição do Systema Naturae, então começarei daí, de forma que elas seguirão os animais no mesmo passo.

Se você tem um conhecimento considerável de seres vivos, você pode facilmente perceber que as plantas são muito mais “regulares” na anatomia que os animais. Apesar de plantas serem geralmente assimétricas, ramificadas e com órgãos temporários, elas possuem basicamente a mesma estrutura geral composta por uma raiz, um caule, folhas e órgãos reprodutivos.

Linnaeus batalhou para encontrar maneiras de classificar os animais baseando-se nos mesmos órgãos em todos os grupos. Como resultado, sua classificação dos animais possuía uma “feia” estrutura de árvore. Havia 6 classes, cada uma com ordens diferentes, isto é, era impossível para ele usar os mesmos critérios para definir as ordens de mamíferos que usou para definir ordens de aves ou vermes, mas em plantas isso funcionou e, como resultado, a classificação de plantas tinha uma “bela” estrutura de tabela.

As 24 classes de plantas foram baseadas primariamente no número de órgãos sexuais masculinos. As ordens, por outro lado, foram baseados no número de órgãos sexuais femininos. Como resultados, ordens não são exatamente subordinadas a classes, mas coexistem com elas em uma forma “cruzada” tabular.

1. Monandria (“macho único”)

“Um único marido no casamento”, isto é, um único estame em uma flor hermafrodita.

1.1 Monandria monogynia (“macho único e fêmea única”), um único estame e um único pistilo em uma flor hermafrodita: Canna (lírios-cana), Amomum (gengibres e cardamomos), Costus (canas-do-brejo), Alpinia (lírios-gengibres), Maranta (ararutas), Curcuma (cúrcuma e gengibre-chinês), Kaempferia (gengibres-da-areia), Thalia (canas-d’água), Boerhavia (tostões), Salicornia (sais-verdes), Hippuris (caudas-de-égua).

This eleven species were classified by Linnaeus as Monandria Monogynia, having “monogamic flowers” (from left to right, top to bottom): Canna indica, garden ginger (Amomum zingiber, now Zingiber officinalis), Arabic spiral ginger (Costus arabicus), Lesses Antilles’ ginger lily (Alpinia racemosa, now Renealmia pyramidalis), West Indian arrowroot (Maranta arundinacea), turmeric (Curcuma longa), sand ginger (Kaempferia galanga), bent alligator flag (Thalia geniculata), erect spiderling (Boerhavia erecta), common glasswort (Salicornia europaea), common mare’s tail (Hippuris vulgaris). Credits to Wikimedia user Asio otus (Canna), Reinaldo Aguilar (garden ginger), Smithsonian Institute (spiral ginger, ginger lily, sand ginger), Alexis López Hernández (arrowroot), H. Zell (turmeric, mare’s tail), Meneerke Bloem (alligator flag), J. M. Garg (spiderling), Wikimedia user Ghislain18 (glasswort).

Estas onze espécies foram classificadas por Linnaeus como Monandria Monogynia, tendo “flores monogâmicas” (da esquerda para a direita, de cima para baixo): cana-índica (Canna indica), gengibre-comum (Amomum zingiber, agora Zingiber officinalis), cana-roxa-do-brejo (Costus arabicus), lírio-gengibre-das-Antilhas-menores (Alpinia racemosa, agora Renealmia pyramidalis), araruta-comum (Maranta arundinacea), cúrcuma (Curcuma longa), galanga (Kaempferia galanga), cana-d’água-curvada (Thalia geniculata), tostão-ereto (Boerhavia erecta), sal-verde-comum (Salicornia europaea), cauda-de-égua-comum (Hippuris vulgaris). Créditos a usuário do Wikimedia Asio otus (cana índica), Reinaldo Aguilar (gengibre), Smithsonian Institute (cana-do-brejo, lírio-gengibre, galanga), Alexis López Hernández (araruta), H. Zell (cúrcuma, cauda-de-égua), Meneerke Bloem (cana-d’água), J. M. Garg (tostão), usuário do Wikimedia Ghislain18 (sal-verde).

1.2 Monandria Digynia (“macho único e duas fêmeas”), um único estame e dois pistilos em uma flor hermafrodita: Corispermum (ervas-de-percevejo), Callitriche (estrelas-d’água), Blitum (pés-de-ganso), Cinna (campins-juncos).

The order Monandria Digynia, “a husband with two wives”, included the following species (from left to right): hyssop-leaved bugseed (Corispermum hyssopifolium), common water starwort (Callitriche palustris), strawberry goosefoot (Blitum capitatum), sweet woodreed (Cinna arundinacea). Credits to Yu Ito (water starwort), Derek Ramsey (goosefoot), John Hilty (woodreed).

A ordem Monandria Digynia, “um marido com duas esposas”, incluía as seguintes espécies (da esquerda para a direita): erva-percevejo-de-folha-de-hissopo (Corispermum hyssopifolium), estrela-d’água-comum (Callitriche palustris), pé-de-ganso-morango (Blitum capitatum), capim-junco-doce (Cinna arundinacea). Créditos a Yu Ito (estrela-d’água), Derek Ramsey (pé-de-ganso), John Hilty (capim-junco).

2. Diandria (“dois machos”)

“Dois maridos em cada casamento”, isto é, dois estames em uma flor hermafrodita.

2.1 Diandria Monogynia (“dois machos e fêmea única”), dois estames e um pistilo único em uma flor hermafrodita: Nyctanthes (jasmins), Jasminum (mais jasmins), Ligustrum (ligustros), Phyllirea (adernos), Olea (oliveiras), Chionanthus (franjeiras), Syringa (lilases), Eranthemum (sálvias-camarão), Circaea (ervas-das-feiticeiras), Veronica (verônicas), Justicia (plantas-camarão), Dianthera (chorões-d’água), Gratiola (gracíolas), Pinguicula (ervas-manteiga), Utricularia (ervas-bexiga), Verbena (verbenas), Lycopus (ervas-ciganas), Amethystea (gemas-indianas), Ziziphora (zizíforas), Monarda (ervas-bergamota), Rosmarinus (alecrim), Salvia (sálvias), Collinsonia (bálsamos-de-boi), Morina (morinas).

The order Diandria Monogynia, “two husbands and a wife”, included the following species (from left to right, top to bottom): night-flowering jasmine (Nyctanthes arbor-tristis), common jasmine (Jasminum officinale), common privet (Ligustrum vulgare), mock privet (Phillyrea latifolia), olive (Olea europaea), white fringetree (Chionanthus virginicus), common lilac (Syringa vulgaris), Paris enchanter’s nightshade (Circaea lutetiana), bird’s-eye speedwell (Veronica chamaedrys), squirrel’s tail (Justicia betonica), American water-willow (Dianthera americana, now Justicia americana), Austral brooklime (Gratiola peruviana), pale butterwort (Pinguicula lusitanica), common bladderwort (Utricularia vulgaris), common vervain (Verbena officinalis), gypsywort (Lycopus europaeus), headed ziziphore (Ziziphora capitata), bee balm (Monarda fistulosa), rosemary (Rosmarinus officinalis), common sage (Salvia officinalis), ox-balm (Collinsonia canadensis), prickly whorlflower (Morina persica). Credits to J. M. Garg (night-flowering jasmine), Wikimedia user Pancrat (jasmine), Andrew Butko (privet), legambientearcipelagotoscano.it (mock privet), H. Zell (olive, gypsywort, ox-balm), Ranko Tomić (lilac), Wikimedia user Pethan (enchanter’s nightshade, whorlflower), Wikimedia user Algirdas (speedwell), India Biodiversity Portal (squirrel’s tail), flickr user peganum (water-willow), John Tann (brooklime), Noah Elhardt (butterwort), Christian Fischer (bladderwort), Denis Barthel (vervain), Gideon Pisanty (ziziphore), Kurt Stüber (bee balm), Giancarlo Dessi (rosemary), Wikimedia user Duk (sage).

A ordem Diandria Monogynia, “dois maridos e uma esposa”, incluía as seguintes espécies (da esquerda para a direita, de cima para baixo): jasmim-da-noite (Nyctanthes arbor-tristis), jasmim-comum (Jasminum officinale), ligustro-comum (Ligustrum vulgare), aderno-de-folhas-largas (Phillyrea latifolia), oliveira (Olea europaea), franjeira-branca (Chionanthus virginicus), lilás-comum (Syringa vulgaris), erva-das-feiticeiras-de-Paris (Circaea lutetiana), verônica-olho-de-pássaro (Veronica chamaedrys), rabo-de-esquilo (Justicia betonica), chorão-d’água-americano (Dianthera americana, agora Justicia americana), gracíola-austral (Gratiola peruviana), erva-manteiga-pálida (Pinguicula lusitanica), erva-bexiga-comum (Utricularia vulgaris), verbena-comum (Verbena officinalis), erva-cigana (Lycopus europaeus), zizífora-de-cabeça (Ziziphora capitata), bálsamo-de-abelha (Monarda fistulosa), alecrim (Rosmarinus officinalis), sálvia-comum (Salvia officinalis), bálsamo-de-boi (Collinsonia canadensis), morina-da-Pérsia (Morina persica). Créditos a J. M. Garg (jasmim-da-noite), usuário do Wikimedia Pancrat (jasmim), Andrew Butko (ligustro), legambientearcipelagotoscano.it (aderno), H. Zell (oliveira, erva-cigana, bálsamo-de-boi), Ranko Tomić (lilás), usuário do Wikimedia Pethan (erva-das-feiticeiras, morina), usuário do Wikimedia Algirdas (verônica), India Biodiversity Portal (rabo-de-esquilo), usuário do flickr peganum (chorão-d’água), John Tann (gracíola), Noah Elhardt (erva-manteiga), Christian Fischer (erva-bexiga), Denis Barthel (verbena), Gideon Pisanty (zizífora), Kurt Stüber (bálsamo-de-abelha), Giancarlo Dessi (alecrim), usuário do Wikimedia Duk (sálvia).

2.2 Diandria Digynia (“dois machos e duas fêmeas”), dois estames e dois pistilos em uma flor hermafrodita: Paspalum (gramas-do-sul), Anthoxanthum (capins-de-primavera), Bufonia (bufônias).

2.3 Diandria Trigynia (“dois machos e três fêmeas”), dois estames e três pistilos em uma flor hermafrodita: Piper (pimentas e peperômias).

The two first species (from left to right) were included in the order Diandria Digynia: knotgrass (Paspalum distichum) and sweet vernal grass (Anthoxanthum odoratum). The last species, the black pepper (Piper nigrum) was in the order Diandria Trigynia. Credits to Wikimedia user Keisotyo (knotgrass), Christian Fischer (vernal grass), H. Zell (pepper).

As duas primeiras espécies (da esquerda para a direita) foram incluídas na ordem Diandria Digynia: grama-de-forquilha (Paspalum distichum) e erva-de-cheiro (Anthoxanthum odoratum). A última espécie, a pimenta-preta (Piper nigrum) estava na ordem Diandria Trigynia. Créditos a usuário do Wikimedia Keisotyo (grama-de-forquilha), Christian Fischer (erva-de-cheiro), H. Zell (pimenta).

3. Triandria (“três machos”)

“Três maridos em cada casamento”, isto é, três estames em uma flor hermafrodita.

3.1 Triandria Monogynia (“três machos e uma fêmea”), três estames e um pistilo em uma flor hermafrodita: Valeriana (valerianas), Hirtella (frutas-de-pombo), Olax (olaz), Tamarindus (tamarindo), Cneorum (oliveiras-arruda), Comocladia (ameixas-de-moça), Melothria (pepinos-do-mato), Ortegia (ortégias), Loeflingia (folhas-de-pigmeu), Polycnemum (agulheiras), Cassytha (vinhas-do-amor), Crocus (crocos), Ixia (írises, íxias, arlequinas), Gladiolus (gladíolos), Antholyza (gladíolos, palminhas), Iris (írises), Wachendorfia (raízes-vermelhas), Commelina (trapoerabas), Xyris (capins-amarelos), Schoenus (juncos-escuros, capins-serra), Cyperus (cíperos), Scirpus (bunhos), Eriophorum (gramas-de-algodão), Nardus (gramas-tapete), Lygeum (espartos).

These 22 species were classified by Linnaeus as Triandria Monogynia (from left to right, top to bottom): garden valerian (Valeriana officinalis), pigeon berry (Hirtella americana), tamarind (Tamarindus indica), spurge olive (Cneorum tricoccon), creeping cucumber (Melothria pendula), Spanish ortegia (Ortegia hispanica), field needleleaf (Polycnemum arvense), love vine (Cassytha filiformis), saffron crocus (Crocus sativus), harlequin flower (Ixia bulbifera, now Sparaxis bulbifera), long-tubed painted lady (Gladiolus angustus), bulbil bugle-lily (Antholyza meriana, now Watsonia meriana), bearded iris (Iris germanica), straw redroot (Wachendorfia paniculata), common dayflower (Commelina communis), Indian yelloweyed grass (Xyris indica), black bogrush (Schoenus nigricans), papyrus (Cyperus papyrus), floating clubrush (Scirpus fluitans, now Isolepis fluitans), hare’s-tail cottongrass (Eriophorum vaginatum), matgrass (Nardus stricta), esparto grass (Lygeum spartum). Credits to Kurt Stüber (valerian, papyrus), INBio Costa Rica (pigeon berry), Wikimedia user Tau’olonga (tamarind), Jean Tosti (spurge olive), Smithsonian Institute (creeping cucumber), Luis Fernández García (ortegia), Mark Marathon (love vine), Wikimedia user KENPEI (crocus, bearded iris), Wikimedia user Ixitixel (harlequin flower), Andrew Massy (painted lady), Forest & Kim Starr (bugle-lily), Ori Fragman-Sapir (redroot), Bogdan Giușcă (dayflower), Wikimedia user Quoilp (yelloweyed grass), Yu Ito (clubrush), Kristian Peters (cottongrass), James K. Lindsey (matgrass), Wikimedia user Nanosanchez (esparto grass).

Essas 22 espécies foram classificadas por Linnaeus como Triandria Monogynia (da esquerda para a direita, de cima para baixo): valeriana-de-jardim (Valeriana officinalis), fruta-de-pombo (Hirtella americana), tamarindo (Tamarindus indica), oliveira-arruda (Cneorum tricoccon), pepino-do-mato (Melothria pendula), ortégia-espanhola (Ortegia hispanica), agulheira-do-campo (Polycnemum arvense), vinha-do-amor (Cassytha filiformis), açafrão-verdadeiro (Crocus sativus), arlequina (Ixia bulbifera, agora Sparaxis bulbifera), gladíolo-pintado-comprido (Gladiolus angustus), palminha-rosa (Antholyza meriana, agora Watsonia meriana), íris-alemã (Iris germanica), raíz-vermelha-capim (Wachendorfia paniculata), trapoeraba-comum (Commelina communis), capim-amarelo-da-Índia (Xyris indica), junco-preto (Schoenus nigricans), papiro (Cyperus papyrus), bunho-flutuante (Scirpus fluitans, agora Isolepis fluitans), grama-rabo-de-lebre (Eriophorum vaginatum), grama-tapete (Nardus stricta), esparto (Lygeum spartum). Créditos a Kurt Stüber (valeriana, papiro), INBio Costa Rica (fruta-de-pombo), usuário do Wikimedia Tau’olonga (tamarindo), Jean Tosti (oliveira-arruda), Smithsonian Institute (pepino-do-mato), Luis Fernández García (ortégia), Mark Marathon (vinha-do-amor), usuário do Wikimedia KENPEI (açafrão, íris-alemã), usuário do Wikimedia Ixitixel (arlequina), Andrew Massy (gladíolo), Forest & Kim Starr (palminha), Ori Fragman-Sapir (raiz-vermelha), Bogdan Giușcă (trapoeraba), usuário do Wikimedia Quoilp (capim-amarelo), Yu Ito (bunho), Kristian Peters (grama-rabo-de-lebre), James K. Lindsey (grama-tapete), usuário do Wikimedia Nanosanchez (esparto).

3.2 Triandria Digynia (“três machos e duas fêmeas”), três estames e dois pistilos em uma flor hermafrodita: Bobartia (bobárcias), Cornucopiae (gramas-capuz), Saccharum (cana-de-açúcar), Phalaris (alpistes), Panicum (capins-colonião), Phleum (capins-rabo-de-gato), Alopecurus (capins-rabo-de-raposa), Milium (milhetos), Agrostis (capins-panascos), Aira (capins-cabelos), Melica (capins-melica), Poa (capins-dos-prados), Briza (bole-boles), Uniola (aveias-do-mar), Dactylis (pés-de-galo), Cynosurus (capin-rabo-de-cachorro), Festuca (festucas), Bromus (bromos), Stipa (capins-pena), Avena (aveias), Lagurus (rabos-de-coelho), Arundo (canas, bambus, taquaras), Aristidas (capins-vassoura), Lolium (joios), Elymus (centeios-bravos), Secale (centeios), Hordeum (cevadas), Triticum (trigos).

Among the species making up the order Triandria Digynia were (from left to right, top to bottom): Indian bobartia (Bobartia indica), common hooded grass (Cornucopiae cucullatum), sugar cane (Saccharum officinarum), common canarygrass (Phalaris cannariensis), switchgrass (Panicum virgatum), timothy-grass (Phleum pretense), meadow foxtail (Alopecurus pratensis), wood millet (Milium effusum), common bent (Agrostis capillaris), silver hairgrass (Aira caryophyllea), hairy melic (Melica ciliata), Alpine meadowgrass (Poa alpina), big quaking grass (Briza maxima), sea oat (Uniola paniculata), cock’s foot (Dactylis glomerata), crested dog’s-tail (Cynosurus cristatus), red fescue (Festuca rubra), rye brome (Bromus secalinus), European feather grass (Stipa pennata), common oat (Avena sativa), hare’s tail (Lagurus ovatus), giant cane (Arundo donax), six-weeks three-awn grass (Aristida adscensionis), perennial ryegrass (Lolium perenne), Canada wild rye (Elymus canadensis), rye (Secale cereale), barley (Hordeum vulgare), common wheat (Triticum aestivum). Credits to Andrew Massyn (bobartia), Ori Fragman-Sapir (hooded grass), Bruno Navez (sugar cane), biopix.com (canarygrass), Kelly O’Donnell (switchgrass), Wikimedia user Rasbak (timothy-grass, foxtail, crested dog’s-tail, ryegrass, rye, barley), Gustav Svensson (millet), James K. Lindsey (bent), Wikimedia user Xemenendura (melic), Jerzy Opiła (meadowgrass), H. Zell (quaking grass, oat), Hans Hillewaert (sea oat), flickr user foxypar4 (cock’s foot), Kristian Peters (fescue), Kurt Stüber (rye brome, hare’s tail), Wikimedia user Prazak (feather grass), Peter Forster (giant cane), Marco Schmidt (three-awn grass), Matt Lavin (wild rye), Petr Filippov (wheat).

Entre as espécies compondo a ordem Triandria Digynia estavam (da esquerda para a direita, de cima para baixo): bobárcia-da-Índia (Bobartia indica), grama-capuz-comum (Cornucopiae cucullatum), cana-de-açúcar (Saccharum officinarum), alpiste-comum (Phalaris cannariensis), capim-colonião-do-norte (Panicum virgatum), capim-timótio (Phleum pretense), rabo-de-raposa-do-prado (Alopecurus pratensis), milheto-do-mato (Milium effusum), panasco-comum (Agrostis capillaris), capim-cabelo-prateado (Aira caryophyllea), melica-peluda (Melica ciliata), capim-dos-prados-alpino (Poa alpina), bole-bole-grande (Briza maxima), aveia-do-mar (Uniola paniculata), pé-de-galo (Dactylis glomerata), rabo-de-cachorro-cristado (Cynosurus cristatus), festuca-vermelha (Festuca rubra), bromo-centeio (Bromus secalinus), capim-pena-europeu (Stipa pennata), aveia-comum (Avena sativa), rabo-de-lebre (Lagurus ovatus), cana-comum (Arundo donax), capim-vassoura-de-seis-semanas (Aristida adscensionis), joio-perene (Lolium perenne), centeio-bravo-do-Canadá (Elymus canadensis), centeio (Secale cereale), cevada (Hordeum vulgare), trigo-comum (Triticum aestivum). Créditos a Andrew Massyn (bobárcia), Ori Fragman-Sapir (grama-capuz), Bruno Navez (cana-de-açúcar), biopix.com (alpiste), Kelly O’Donnell (capim-colonião), usuário do Wikimedia Rasbak (capim-timótio, rabo-de-raposa, rabo-de-cachorro, joio, centeio, cevada), Gustav Svensson (milheto), James K. Lindsey (panasco), usuário do Wikimedia Xemenendura (melica), Jerzy Opiła (capim-dos-prados), H. Zell (bole-bole, aveia), Hans Hillewaert (aveia-do-mar), usuário do flickr foxypar4 (pé-de-galo), Kristian Peters (festuca), Kurt Stüber (bromo-centeio, rabo-de-lebre), usuário do Wikimedia Prazak (capim-pena), Peter Forster (cana-comum), Marco Schmidt (capim-vassoura), Matt Lavin (centeio-bravo), Petr Filippov (trigo).

3.3 Triandria Trigynia (“três machos e três fêmeas”), três estames e três pistilos em uma flor hermafrodita: Eriocaulon (ervas-cachimbo), Montia (marujinhas), Proserpinaca (ervas-sereia), Triplaris (paus-formiga), Holosteum (estreladas), Polycarpon (saboeiras), Mollugo (capins-tapete), Minuartia (ervas-de-areia), Queria (mais ervas-de-areia), Lechea (alfineteiras).

These 8 species were in the order Triandria Trigynia (from left to right, top to bottom): ten-angled pipewort (Eriocaulon decangulare), water blink (Montia fontana), marsh mermaidweed (Proserpinaca palustris), ant tree (Triplaris americana), jagged chickweed (Holosteum umbellatum), four-leaved allseed (Polycarpon tetraphyllum), green carpetweed (Mollugo verticillata), thymeleaf pinweed (Lechea minor). Credits to James K. Lindsey (blink), Wikimedia user JMK (ant tree), Forest & Kim Starr (allseed), Wikimedia user Eric in SF (carpetweed), John Hility (pinweed).

Estas oito espécies estavam na ordem Triandria Trigynia (da esquerda para a direita, de cima para baixo): erva-cachimbo-de-dez-ângulos (Eriocaulon decangulare), marujinha-comum (Montia fontana), erva-sereia-do-banhado (Proserpinaca palustris), pau-formiga (Triplaris americana), estrelada-comum (Holosteum umbellatum), saboeira-de-quatro-folhas (Polycarpon tetraphyllum), capim-tapete-verde (Mollugo verticillata), alfineteira-pequena (Lechea minor). Créditos a James K. Lindsey (marujinha), usuário do Wikimedia JMK (pau-formiga), Forest & Kim Starr (saboeira), usuário do Wikimedia Eric in SF (capim-tapete), John Hility (alfineteira).

4. Tetrandria (“quatro machos”)

“Quatro maridos em cada casamento”, isto é, quatro estames em uma flor hermafrodita.

4.1 Tetrandria Monogynia (“quatro machos e uma fêmea”), quatro estames e um pistilo em uma flor hermafrodita: Leucadendron (próteas), Protea (prateadas), Cephalanthus (botões-salgueiros, sarandis), Globularia (globulárias), Dispacus (cardos-penteadores), Scabiosa (escabiosas), Knautia (mais escabiosas), Allionia (moinhos), Hedyotis (violetas-estrela), Spermacoce (ervas-quentes), Sherardia (granzas-do-campo), Asperula (aspérulas), Diodioa (ervas-botão), Knoxia (knóxias), Houstonia (zulinhas), Galium (pegamaços), Crucianella (granzas-cruz), Rubia (granzas-verdadeiras), Fuchsia (brincos-de-princesa), Siphonanthus (turbantes-de-turco), Catesbaea (lírios-espinhentos), Ixora (amores-ardentes), Scurrula (metrossexuais), Pavetta (pavetas), Avicennia (mangues), Petesia (rosas-tropiciais), Mitchella (fruta-de-perdiz), Callicarpa (roxas), Polypremum (folha-de-junípero), Penaea (folha-de-couro), Blaeria (érica-de-Blair), Buddleja (arbustos-das-borboletas), Exacum (buquês-tropicais), Plantago (tanchagens), Scoparia (vassourinhas), Rhacoma (bagas-de-moça), Centunculus (bacuru-mirim), Sanguisorba (ervas-da-faca), Cissus (cipós-uva), Epimedium (cabreiras), Cornus (cornisos), Fagara (limas-bravas), Tomex (lilás-malaio), Ptelea (lupuleiras), Ludwigia (cruzes-de-malta), Oldenlandia (ervas-diamante), Ammannia (amânias), Isnardia (isnárdias), Trapa (castanhas-d’água), Dorstenia (carapiás), Elaeagnus (oliveiras-do-paraíso), Brabejum (amêndoas-bravas), Krameria (ratânias), Rivina (cipós-de-aro, rivinas), Salvadora (árvore-de-escova-de-dente), Champhorosma (erva-canforeira), Alchemilla (pés-de-leão).

The diverse order Tetrandria Monogynia included many species, such as (from left to right, top to bottom): king sugar bush (Leucadendron cynaroides, now Protea cynaroides), silver leaf tree (Protea argentea, now Leucadendron argenteum), common buttonbush (Cephalanthus occidentalis), common ball flower (Globularia bisnagarica), wild teasel (Dipsacus fullonum), yellow scabiose (Scabiosa alpina, now Cephalaria alpina), common windmill (Allionia incarnata), ear starviolet (Hedyotis auricularia), slender false buttonweed (Spermacoce tenuior), blue field madder (Sherardia arvensis), blue woodruff (Asperula arvensis), Virginia buttonweed (Diodia virginiana), azure bluet (Houstonia caerulea), European bedstraw (Galium rubioides), narrowleaf crosswort (Crucianella angustifolia), common madder (Rubia tinctorum), three-leaved fuchsia (Fuchsia triphylla), Turk’s turban (Siphonanthus indicus, now Clerodendron indicum), lily thorn (Catesbaea spinosa), common jungle flame (Ixora coccinea), metrosexual (Scurrula parasitica), Indian pavetta (Pavetta indica), Indian mangrove (Avicennia officinalis), partridge berry (Mitchella repens), American beautyberry (Callicarpa americana), juniperleaf (Polypremum procumbens), cup leatherleaf (Penaea sarcocolla, now Saltera sarcocolla), American butterfly bush (Buddleja americana), greater plantain (Plantago major), sweet broom (Scoparia dulcis), maidenberry (Rhacoma crossopetalum, now Crossopetalum rhacoma), chaffweed (Centunculus minimus, now Lysimachia minima), great burnet (Sanguisorba officinalis), sorrelvine (Cissus trifoliata), Alpine barrenwort (Epimedium alpinum), flowering dogwood (Cornus florida), wild lime (Fagara pterota, now Zanthoxylum fagara), great wooly Malayan lilac (Tomex tomentosa, now Callicarpa tomentosa), common hoptree (Ptelea trifoliata), rattlebox (Ludwigia alternifolia), chay root (Oldenlandia umbellata), monarch redstem (Ammannia baccifera), water purslane (Isnardia palustris, now Ludwigia palustris), water caltrop (Trapa natans), true contrayerva (Dorstenia contrajerva), senjed (Elaeagnus angustifolia), wild almond (Brabejum stellatifolium), abrojo Colorado (Krameria ixine), pigeonberry (Rivina humilis), toothbrush tree (Salvadora persica), common camphorwort (Camphorosma monspeliaca), common lady’s mantle (Alchemilla vulgaris). Credits to Stan Shebs (sugar bush, windmill, plantain), Wikimedia user Chinasaur (silver leaf tree), Bob Peterson (buttonbush, buttonweed, juniperleaf), Hedwig Storch (ball flower), Muriel Bendel (teasel), Wikimedia user Dinkum (scabiose), flickr user john_amend_all2000 (starviolet), Smithsonian Institute (false buttonweed, fuchsia, maidenberry, sorrelvine, abrojo colorado), Wikimedia user Strobilomyces (field madder), Kurt Süber (woodruff), Rob Duval (bluet), Jan Ševčík (bedstraw), Michael Kesl (crosswort), H. Zell (madder, hoptree, lady’s mantle), Forest & Kim Starr (Turk’s turban), Louise Wolff (jungle flame), Indian Biodiversity Portal (metrosexual), Wikimedia user Vinayaraj (pavetta, Malayan lilac), Wikimedia user Vengolis (Indian mangrove), Wikimedia user Jomegat (partridge berry), John Murphy (beautyberry), Wikimedia user Nanosanchez (leatherleaf), Dick Culbert (butterfly bush), Alex Popovkin (chaffweed), Wikimedia user Anonymous Powered (burnet), Christian Hummert (barrenwort), Derek Ramsey (dogwood), flickr user homeredwardprice (wild lime), Fritz Flohr Reynolds (rattlebox), flickr user Lalithamba (chay root), Jayesh Patil (redstem), George Shramayr (water caltrop), Jim Conrad (contrayerva), Georg Slickers (senjed), Andew Massyn (wild almond), Wikimedia user KENPEI (pigeonberry), J. M. Garg (toothbrush tree), Muséum National d’Histoire Naturelle. Service du Patrimoine Naturel (camphorwort).

A diversa ordem Tetrandria Monogynia incluía muitas espécies, tais como (da esquerda para a direita, de cima para baixo): prótea-real (Leucadendron cynaroides, agora Protea cynaroides), prateada-comum (Protea argentea, agora Leucadendron argenteum), botão-salgueiro-comum (Cephalanthus occidentalis), globulária-comum (Globularia bisnagarica), cardo-penteador-bravo (Dipsacus fullonum), escabiosa-amarela (Scabiosa alpina, agora Cephalaria alpina), moinho-comum (Allionia incarnata), violeta-estrela-de-orelha (Hedyotis auricularia), erva-quente-fina (Spermacoce tenuior), granza-do-campo-azul (Sherardia arvensis), aspérula-azul (Asperula arvensis), erva-botão-da-Virgínia (Diodia virginiana), zulinha-azul (Houstonia caerulea), pegamaço-europeu (Galium rubioides), granza-cruz-de-folha-estreita (Crucianella angustifolia), granza-comum (Rubia tinctorum), brinco-de-princesa-de-três-folhas (Fuchsia triphylla), turbante-de-turco (Siphonanthus indicus, agora Clerodendron indicum), lírio-espinhento (Catesbaea spinosa), amor-ardente-comum (Ixora coccinea), metrossexual (Scurrula parasitica), paveta-da-Índia (Pavetta indica), mangue-da-Índia (Avicennia officinalis), fruta-de-perdiz (Mitchella repens), roxa-americana (Callicarpa americana), folha-de-juníptero (Polypremum procumbens), folha-de-couro-taça (Penaea sarcocolla, agora Saltera sarcocolla), arbusto-das-borboletas (Buddleja americana), tanchagem-maior (Plantago major), vassourinha-doce (Scoparia dulcis), baga-de-moça (Rhacoma crossopetalum, agora Crossopetalum rhacoma), bacuru-mirim (Centunculus minimus, agora Lysimachia minima), erva-da-faca (Sanguisorba officinalis), cipó-uva (Cissus trifoliata), cabreira-dos-Alpes (Epimedium alpinum), corniso (Cornus florida), lima-brava (Fagara pterota, agora Zanthoxylum fagara), lilás-malaio-grande (Tomex tomentosa, agora Callicarpa tomentosa), lupuleiro-comum (Ptelea trifoliata), cruz-de-malta-do-norte (Ludwigia alternifolia), erva-diamante (Oldenlandia umbellata), amânia-monarca (Ammannia baccifera), isnárdia-do-brejo (Isnardia palustris, agora Ludwigia palustris), castanha-d’água (Trapa natans), carapiá-verdadeiro (Dorstenia contrajerva), oliveira-do-paraíso (Elaeagnus angustifolia), amêndoa-brava (Brabejum stellatifolium), ratânia-comum (Krameria ixine), rivina (Rivina humilis), árvore-de-escova-de-dente (Salvadora persica), erva-canforeira-comum (Camphorosma monspeliaca), pé-de-leão-comum (Alchemilla vulgaris). Créditos a Stan Shebs (prótea, moinho, tanchagem), usuário do Wikimedia Chinasaur (prateada), Bob Peterson (botão-salgueiro, erva-botão, folha-de-junípero), Hedwig Storch (globulária), Muriel Bendel (cardo-penteador), usuário do Wikimedia Dinkum (escabiosa), usuário do flickr john_amend_all2000 (violeta-estrela), Smithsonian Institute (erva-quente, brinco-de-princesa, baga-de-moça, cipó-uva, ratânia), usuário do Wikimedia Strobilomyces (granza-do-campo), Kurt Süber (aspérula), Rob Duval (zulinha), Jan Ševčík (pegamaço), Michael Kesl (granza-cruz), H. Zell (granza-comum, lupuleiro, pé-de-leão), Forest & Kim Starr (turbante-de-turco), Louise Wolff (amor-ardente), Indian Biodiversity Portal (metrossexual), usuário do Wikimedia Vinayaraj (paveta, lilás-malaio), usuário do Wikimedia Vengolis (mangue), usuário do Wikimedia Jomegat (fruta-de-perdiz), John Murphy (roxa), usuário do Wikimedia Nanosanchez (folha-de-couro), Dick Culbert (arbusto-das-borboletas), Alex Popovkin (bacuru-mirim), usuário do Wikimedia Anonymous Powered (erva-da-faca), Christian Hummert (cabreira), Derek Ramsey (corniso), usuário do flickr homeredwardprice (lima-brava), Fritz Flohr Reynolds (cruz-de-malta), usuário do flickr Lalithamba (erva-diamante), Jayesh Patil (redstem), George Shramayr (castanha-d’água), Jim Conrad (carapiá), Georg Slickers (oliveira-do-paraíso), Andew Massyn (amêndoa-brava), usuário do Wikimedia KENPEI (rivina), J. M. Garg (árvore-de-escova-de-dente), Muséum National d’Histoire Naturelle. Service du Patrimoine Naturel (erva-canforeira).

4.2 Tetrandia digynia (“quatro machos e duas fêmeas”), quatro estames e dois pistilos em uma flor hermafrodita: Aphanes (falsa-salsa), Cruzeta (bredinho), Hamamelis (aveleira-de-feiticeira), Cuscuta (cipós-chumbo), Hypecoum (papoula-de-asas).

The order Tetrandria Digynia included (from left to right) the common parsley-piert (Aphanes arvensis), the Juba’s bush (Cruzeta hispanica, now Iresine diffusa), the common witch-hazel (Hamamelis virginiana), the European dodder (Cuscuta europaea), and the prostrate wingpoppy (Hypecoum procumbens). Credits to Wikimedia user Kenraiz (parsley-piert), Dick Culbert (Juba’s bush), Wikimedia user BotBln (witch-hazel), Michael Becker (dodder), Javier Martin (wingpoppy).

A ordem Tetrandria Digynia incluía (da esquerda para a direita) a falsa-salsa-comum (Aphanes arvensis), o bredinho-difuso (Cruzeta hispanica, agora Iresine diffusa), a aveleira-de-feiticeira-comum (Hamamelis virginiana), o cipó-chumbo-europeu (Cuscuta europaea), e a papoula-de-asas-prostrada (Hypecoum procumbens). Créditos a usuário do Wikimedia Kenraiz (falsa-salsa), Dick Culbert (bredinho), usuário do Wikimedia BotBln (aveleira-de-feiticeira), Michael Becker (cipó-chumbo), Javier Martin (papoula-de-asas).

4.3 Tetrandria tetragynia (“quatro machos e quatro fêmeas”), quatro estames e quatro pistilos em uma flor hermafrodita: Ilex (azevinhos), Coldennia (coldênias), Potamogeton (ervas-do-brejo), Ruppia (gramas-de-açude), Sagina (ervas-pérolas), Tillaea (erva-pigmeia).

Linnaeus classified as Tetrandria Tetragynia (from left to right) the European holly (Ilex aquifolium), prostrate coldenia (Coldenia procumbens), claspingleaf pondweed (Potamogeton perfoliatus), ditchgrass (Rupia maritima), matted pearlwort (Sagina procumbens), and water pygmyweed (Tillaea aquatica, now Crassula aquatica). Credits to Hans Hillewaert (holly), J. M. Garg (coldenia), Kristian Peters (pondweed), Yu Ito (ditchgrass), Wikimedia user Density (pearlwort), Hörður Kristinsson (pygmyweed).

Linnaeus classificou como Tetrandria Tetragynia (da esquerda para a direita, de cima para baixo) o azevinho-europeu (Ilex aquifolium), a colêndia-prostrada (Coldenia procumbens), a erva-do-brejo-perfoliada (Potamogeton perfoliatus), a grama-de-açude (Rupia maritima), a erva-pérola-rasteira (Sagina procumbens), e a erva-pigmeia-d’água (Tillaea aquatica, agora Crassula aquatica). Créditos a Hans Hillewaert (azevinho), J. M. Garg (coldênia), Kristian Peters (erva-do-brejo), Yu Ito (grama-de-açude), usuário do Wikimedia Density (erva-pérola), Hörður Kristinsson (erva-pigmeia).

Isso é tudo por enquanto, mas ainda há muito mais para mostrar. Como pode-se perceber, o conhecimento de Linnaeus em plantas era assombrosamente maior que seu conhecimento de animais, afinal, ele era um botânico e não um zoólogo.

– – –

Referências:

Linnaeus, C. (1758) Systema Naturae per regna tria Naturae…

– – –

Creative Commons License
Todas as imagens estão licenciadas sob uma Licença Creative Commons de Atribuição e Compartilhamento Igual 4.0 Internacional.

5 Comentários

Arquivado em Botânica, Sistemática, Taxonomia

Sexta Selvagem: Marro-do-mar-profundo

por Piter Kehoma Boll

Parecendo algum tipo de chocalho tribal místico, nosso mais novo integrante da Sexta Selvagem é das águas profundas do hemisfério norte. Seu nome científico é Marrus orthocanna, e eu adaptei um nome comum como “marro-do-mar-profundo”. Acho que soa legal.

Um chocalho mágico do mar profundo. Foto de Kevin Raskoff.

Um chocalho mágico do mar profundo. Foto de Kevin Raskoff.

O marro-do-mar-profundo é um cnidário sifonóforo, e como todos os sifonóforos, é um organismo colonial e não um indivíduo único. Ele é composto de vários organismos especializados (zooides) conectados uns aos outros por um longo “tronco” e incapazes de viver independentemente. É um organismo livre natante, nadando de forma pulsativa através das escuras águas marinhas profundas.

Na frente ou parte superior da colônia está o pneumatóforo, uma boia cheia de gás que é o organismo primordial da colônia, aquele que se originou diretamente do embrião. Depois dele há vários organismos translúcidos em forma de sino, os nectóforos, que são especializados em locomoção, fazendo a colônia se mover por contrações. A última parte do corpo, o sifossoma, contém uma série de zooides diferentes, incluindo indivíduos especializados em capturar presas, digerir comida e reproduzir.

O marro-do-mar-profundo é encontrando principalmente em águas árticas, mas às vezes ocorre mais ao sul, até o Mar Mediterrâneo. Ele pode crescer a até vários metros de comprimento e sua dieta muito provavelmente inclui pequenos crustáceos. É uma criatura esquisita, mas certamente linda.

– – –

Referências:

EOL –  Encyclopedia of Life: Marrus orthocanna. Disponível em: < http://eol.org/pages/1005745 >. Acesso em 21 de abril de 2016.

Wikipedia. Marrus orthocanna. Disponível em: <https://en.wikipedia.org/wiki/Marrus_orthocanna >. Access em 21 de abril de 2016.

Deixe um comentário

Arquivado em Sexta Selvagem, Zoologia

Novas espécies: 3ª semana de abril

por Piter Kehoma Boll

Aqui há uma lista de espécies descritas de 15 de abril a 21 de abril. Ela certamente não inclui todas as espécies descritas. A maior parte das informações vem dos jornais Mycokeys, Phytokeys, Zookeys, Phytotaxa e Zootaxa.

Obama nungara Carbayo, Álvarez-Presas, Jones & Riutort sp. nov. é uma nova espécie de planária terrestre da América do Sul que é invasiva na Europa.

Obama nungara Carbayo, Álvarez-Presas, Jones & Riutort sp. nov. é uma nova espécie de planária terrestre da América do Sul que é invasiva na Europa.

Plantas:

Fungos:

Cnidários:

Planárias:

Anelídeos:

Moluscos:

Nematódeos:

Tardígrados:

Aracnídeos:

Hexápodes:

Peixes de Nadadeiras Rajadas:

Mamíferos:

Répteis:

Deixe um comentário

Arquivado em Sistemática, Taxonomia

Sexta Selvagem: Pingos-de-prata

por Piter Kehoma Boll

Decidi que é hora de introduzir minha espécie favorita de borboleta aqui, Agraulis vanillae, comumente conhecida como pingos-de-prata.

A pingos-de-prata é uma borboleta da tribo Heliconini e é encontrada nas Américas, do sul dos Estados Unidos ao norte da Argentina. Ela é facilmente reconhecível por uma série de grandes manchas prateadas na parte de baixo das asas, de onde vem o seu nome popular. O lado superior é laranja com marcas pretas.

Um adulto de Agraulis vanillae em um capítulo de Zinnia elegans. Foto de Piter K. Boll.*

Um adulto de Agraulis vanillae em um capítulo de Zinnia elegans. Foto de Piter K. Boll.*

Esse padrão laranja e preto serve como alerta para potenciais predadores, especialmente aves, sobre a impalatabilidade da borboleta. Quando perturbada, elas produzem uma secreção complexa a partir de glândulas abdominais que possui um odor forte.

Como todas as Heliconini, a pingos-de-prata se alimenta de espécies de maracujá no estágio de lagarta (larval). Os adultos se alimentem do néctar de diversas flores e demonstrou-se que aprendem a associar uma cor específica a uma melhor fonte de alimento.

– – –

Referências:

Ross, G. N.; Fales, H. M.; Lloyd, H. A.; Jones, T.; Sokolski, E. A.; Marshall-Batty, K.; Blum, M. S. 2001. Novel chemistry of abdominal defensive glands of nymphalid butterfly Agraulis vanillaeJournal of Chemical Ecology27 (6): 1219-1228. DOI: 10.1023/A:1010372114144

Wikipedia. Gulf fritillary. Disponível em < https://en.wikipedia.org/wiki/Gulf_fritillary >. Accessp em 14 de abril de 2016.

Weiss, M. R. 1995. Associative colour learning in a nymphalid butterfly. Ecological Entomology20: 298-301.

– – –

Creative Commons License
*Esta imagem está licenciada sob uma Licença Creative Commons de Atribuição e Compartilhamento Igual 4.0 Internacional.

Deixe um comentário

Arquivado em Sexta Selvagem

Novas espécies: 2ª semana de abril

por Piter Kehoma Boll

Aqui há uma lista de espécies descritas de 8 de abril a 14 de abril. Ela certamente não inclui todas as espécies descritas. A maior parte das informações vem dos jornais Mycokeys, Phytokeys, Zookeys, Phytotaxa e Zootaxa.

Alburnoides damghani sp. nov. Roudbar et al., 2016, a new fish from Iran.

Alburnoides damghani sp. nov. Roudbar et al., 2016, a new fish from Iran.

Bactérias:

Heterocontos:

Plantas:

Fungos:

Cnidários:

Platelmintos:

Anelídeos:

Molluscos:

Vermes-crina-de-cavalo:

Tardígrados:

Aracnídeos:

Crustáceos:

Insetos:

Peixes de nadadeiras rajadas:

Lissanfíbios:

Répteis:

Deixe um comentário

Arquivado em Sistemática, Taxonomia