Arquivo do mês: outubro 2016

Sexta Selvagem: Besouro-do-sol

por Piter Kehoma Boll

Quem disse que besouros não podem ser fofos? Dá uma olhada nesses caras:

pachnoda_marginata

Eles estão comendo um pedaço de banana. Foto do usuário do Wikimedia Evanherk.*

Estes carinhas são besouros da espécie Pachnoda marginata, conhecidos comumente como besouro-do-sol ou besouro-táxi. Nativos da África, eles atingem até 30 mm como adultos e 60 mm como larvas e são um dos besouros mais comuns de serem criados como animais de estimação.

pachnoda_marginata_peregrina

Um adulto com as asas expostas, prestes a voar. Foto do usuário Wikimedia Drägüs.*

O besouro-do-sol apresenta nove subespécies, cada uma com um padrão de coloração particular. A subespécie mais bem conhecida é Pachnoda marginata peregrina e é a mostrada nas fotos acima.

Como o besouro-do-sol é fácil de ser mantido em laboratório, ele também é eventualmente usada em estudos científicos, especialmente alguns relacionados à neurologia dos receptores olfativos.

– – –

Referências:

Larsson, M. C., Stensmyr, M.. C., Bice, S. B., & Hansson, B. S. (2003). Attractiveness of Fruit and Flower Odorants Detected by Olfactory Receptor Neurons in the Fruit Chafer Pachnoda marginata Journal of Chemical Ecology, 29 (5), 1253-1268 DOI: 10.1023/A:1023893926038

Stensmyr, Marcus C., Larsson, Mattias C., Bice, Shannon, & Hansson, Bill S. (2001). Detection of fruit- and flower-emitted volatiles by olfactory receptor neurons in the polyphagous fruit chafer Pachnoda marginata (Coleoptera: Cetoniinae) Journal of Comparative Physiology A, 187 (7), 509-519

Wikipedia. Pachnoda marginata. Availabe at: < https://en.wikipedia.org/wiki/Pachnoda_marginata >. Access on September 8, 2016.

– – –

*Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons de Atribuição Não Comercial 3.0 Não Adaptada.

Deixe um comentário

Arquivado em Entomologia, Sexta Selvagem

Sexta Selvagem: Manteiga-de-bruxa

por Piter Kehoma Boll

Semana passada apresentei uma bactéria que me lembra a infância e que é comumente conhecida como geleia-de-bruxa ou manteiga-de-bruxa. Mas manteiga-de-bruxa também é o nome comum de um fungo, então pensei que seria interessante apresentá-lo hoje. Seu nome científico é Tremella mesenterica.

tremella_mesenterica

Manteiga-de-bruxa em madeira morta. Foto de Jerzy Opiała.*

Também chamado de cérebro-amarelo, a manteiga-de-bruxa é encontrada em todos os continentes e aparece como um material gelatinoso em lóbulos crespos crescendo em madeira morta e pode ser confundido com uma espécie sapróbica, um decompositor de madeira, mas isso não é verdade. A manteiga-de-bruxa é na verdade um parasita de fungos sapróbicos do gênero Peniophora, tal como a crosta-rosada Peniophora incarnata.

A manteiga-de-bruxa é comestível, mas geralmente é considerada insossa. Alguns resultados preliminares indicam que ela pode reduzir os nívels de glicose do sangue, assim tendo o potencial de ser desenvolvida em um agente hipoglicêmico para o tratamento de diabetes mellitus.

– – –

Referências:

Lo, H., Tsai, F., Wasser, S., Yang, J., & Huang, B. (2006). Effects of ingested fruiting bodies, submerged culture biomass, and acidic polysaccharide glucuronoxylomannan of Tremella mesenterica Retz.:Fr. on glycemic responses in normal and diabetic rats Life Sciences, 78 (17), 1957-1966 DOI: 10.1016/j.lfs.2005.08.033

Wikipedia. Tremella mesenterica. Disponível em <https://en.wikipedia.org/wiki/Tremella_mesenterica&gt;. Acesso em 22 de setembro de 2016.

– – –

*Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons de Atribuição e Compartilhamento Igual 3.0 Não Adaptada.

Deixe um comentário

Arquivado em Fungos, Sexta Selvagem

Novas Espécies: 11 a 20 de outubro

por Piter Kehoma Boll

Aqui está uma lista de espécies descritas de 11 a 20 de outubro. Ela certamente não inclui todas as espécies descritas. A maior parte das informações vem dos jornais Mycokeys, Phytokeys, Zookeys, Phytotaxa, Zootaxa, International Journal of Systematic and Evolutionary Microbiology e Systematic and Applied Microbiology, além de revistas restritas a certos táxons.

habronattus-arcalorus

Habronattus arcalorus é uma nova espécie de aranha-saltadora descrita nos últimos 10 dias.

SARs

Plantas

Fungos

Esponjas

Cnidários

Platelmintos

Nematódeos

Tardígrados

Aracnídeos

Miriápodes

Crustáceos

Insetos

Equinodermos

Peixes cartilaginosos

Peixes de nadadeiras rajadas

Deixe um comentário

Arquivado em Sistemática, Taxonomia

Sexta Selvagem: Geleia-de-bruxa

por Piter Kehoma Boll

Quantas pessoas será que podem dizer que têm uma bactéria que lhes lembre da infância? Bom, pelo menos eu posso dizer que tenho.

Quando eu era criança e comecei a conhecer sobre o incrível mundo dos seres vivos que enchem nosso planeta, eu passava a maior parte do tempo do lado de fora olhando em cada cantinho do quintal e das matas próximas em busca de formas de vida interessantes. E uma que sempre chamou minha atenção era uma estranha massa gelatinosa verde-amarronzada que aparecia no chão na estação chuvosa.

nostoc_commune

Você já encontrou algo assim no chão? Foto do usuário do flickr gailhampshire.*

De início pensei ser algum tipo de alga verde, mas não fui capaz de identificar a espécie. Muitos anos depois eu finalmente descobri o que é, uma colônia de cianobactérias chamada Nostoc commune e comumente conhecida como gelatina-das-estrelas, manteiga-de-bruxa, geleia-de-bruxa, entre outros. Ela é  encontrada no mundo inteiro, dos trópicos até  as regiões polares.

Como em outras cianobactérias, a geleia-de-bruxa é formada por uma colônia de organismos unicelulares conectados em cadeia. Estas estão mergulhadas numa matriz gelatinosa de polissacarídeos que dá à colônia sua aparência gelatinosa.

nostoc_commune

Cadeias de Nostoc commune na matriz de polissacarídeos vistas sob o microscópio. Foto de Kristian Peters.**

Durante períodos secos, as colônias da geleia-de-bruxa dessecam e se tornam uma camada fina inconspícua no solo. Elas podem permanecer neste estado por décadas, talvez séculos, até que as condições ideais retornem.

Em alguns lugares, especialmente no Sudeste da Ásia, a geleia-de-bruxa é consumida como alimento, sendo um alimento tradicional no Ano Novo Lunar Chinês.

– – –

Referências:

Lipman, C. (1941). The Successful Revival of Nostoc commune from a Herbarium Specimen Eighty- Seven Years Old Bulletin of the Torrey Botanical Club, 68 (9) DOI: 10.2307/2481755

Tamaru, Y., Takani, Y., Yoshida, T., & Sakamoto, T. (2005). Crucial Role of Extracellular Polysaccharides in Desiccation and Freezing Tolerance in the Terrestrial Cyanobacterium Nostoc commune Applied and Environmental Microbiology, 71 (11), 7327-7333 DOI: 10.1128/AEM.71.11.7327-7333.2005

Wikipedia. Nostoc commune. Disponível em: < https://en.wikipedia.org/wiki/Nostoc_commune >. Acesso em 19 de setembro de 2016.

– – –

*Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons de Atribuição 2.0 Genérica.

**Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons de Atribuição e Compartilhamento Igual 3.0 Não Adaptada.

Deixe um comentário

Arquivado em Algas, Bactérias, Sexta Selvagem

Novas Espécies: 1 a 10 de outubro

por Piter Kehoma Boll

Aqui está uma lista de espécies descritas de 1 a 10 de outubro. Ela certamente não inclui todas as espécies descritas. A maior parte das informações vem dos jornais Mycokeys, Phytokeys, Zookeys, Phytotaxa, Zootaxa, International Journal of Systematic and Evolutionary Microbiology e Systematic and Applied Microbiology, além de revistas restritas a certos táxons.

rhodnius_marabaensis

Rhodnius marabaensis é uma nova espécie de barbeiro descrita nos últimos 10 dias.

Arqueias

Bactérias

SARs

Plantas

Fungos

Cnidários

Platelmintos

Anelídeos

Moluscos

Aracnídeos

Crustáceos

Insetos

Equinodermos

Peixes de nadadeiras rajadas

Répteis

Deixe um comentário

Arquivado em Sistemática, Taxonomia

Sexta Selvagem: Glúgea-de-solha

por Piter Kehoma Boll

Ao procurar por linguados você pode eventualmente encontrar um com algum crescimento grotesco no corpo, como o na foto abaixo:

glugea_stephani_xenoma

Um xenoma causado por Glugea stephani em um linguado Limanda limanda. Foto de Hans Hillewaert.*

Esse tipo de tumor é chamado de xenoma e, em linguados, é causado por um fungo microscópico e parasítico chamado Glugea stephani, ou a glúgea-de-solha.

A glúgea-de-solha é parte de um grupo de fungos chamado Microscoporidia que até recentemente eram classificados como protistas. Eles são unicelulares e parasitam outros organismos, especialmente crustáceos e peixes.

Uma vez dentro de um linguado, a glúgea-de-solha entra numa célula intestinal e começa a se desenvolver. Elas podem induzir a célula hospedeira a aumentar de tamanho e podem originar xenomas, que são o estágio mais extremo no desenvolvimento da doença. A proliferação e o estágio ativo da glúgea são livres no citoplasma da célula hospedeira, mas elas podem se converter em uma forma similar a um esporo, chamada esporoblasto, que se mantém dentro de um vacúolo.

glugea_stephani

Imagem de microscopia eletrônica de uma célula intestinal de uma solha-de-inverno (Pseudopleuronectes americanus) infectada por glúgea-de-solha (Glugea stephani). O S indica esporoblastos dentro de um vacúolo (SV) e o P são os organismos proliferando dentro do citoplasma (H) do hospedeiro. Imagem extraída de Takvorian & Cali (1983).

Felizmente a maioria das infecções são amenas e não comprometem a saúde do peixe, pelo menos não muito…

– – –

Referências:

Takvorian, P. M.; Cali, A. (1983). Appendages associated with Glugea stephani, a microscporidian found in flounder. Journal of Protozoology, 30(2): 251-256.

Wikipedia. Xenoma. Available at: . Access on September 17, 2016.

– – –

*Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons de Atribuição e Compartilhamento Igual 3.0 Não Adaptada.

Deixe um comentário

Arquivado em Doenças, Fungos, Peixes, Sexta Selvagem