A história da Sistemática: Plantas no Systema Naturae, 1758 (parte 4)

por Piter Kehoma Boll

Aqui vem a quarta parte do sistema de classificação das plantas proposto por Linnaeus. Confira aqui as partes 1, 2, 3, 5 e 6.

12. Icosandria (“vinte machos”)

“Vinte maridos em cada casamento”, isto é, vinte estames em uma flor hermafrodita.

12.1 Icosandria Monogynia (“vinte machos e uma fêmea”), vinte estames e um pistilo em uma flor hermafrodita: Cactus (cactos), Philadelphus (silindras), Psidium (araçazeiros), Eugenia (pitangueira, maçã-malaia, jambos), Myrtus (murtas, grumichama, pimenta-da-jamaica, jambolão etc), Punica (romãzeira), Amygdalus (amendoeiras e pessegueiros), Prunus (damascos, cerejeiras, ameixeira etc).

A ordem Icosandria Monogynia de Linnaeus incluía (da esquerda para a direita, de cima para baixo): cacto-mamilo-peludo (Cactus mammillaris, agora Mammillaria mammillaris), silindra-doce (Philadelphus coronarius), goiabeira (Psidium guava), pitangueira (Eugenia uniflora), murta-comum (Myrtus communis), romãzeira (Punica granatum), amendoeira (Amygdalus communis, agora Prunus dulcis), ameixeira (Prunus domestica). Créditos a Isidre Blanc (silindra), Zeynel Cebeci (pitangueira), Forest & Kim Starr (murta), Mzelle Laure (amendoeira), usuários do flickr Lourdes (cacto), mauroguanandi (goiabeira), e usuário do Wikimedia Rasbak (ameixeira).

A ordem Icosandria Monogynia de Linnaeus incluía (da esquerda para a direita, de cima para baixo): cacto-mamilo-peludo (Cactus mammillaris, agora Mammillaria mammillaris), silindra-doce (Philadelphus coronarius), goiabeira (Psidium guava), pitangueira (Eugenia uniflora), murta-comum (Myrtus communis), romãzeira (Punica granatum), amendoeira (Amygdalus communis, agora Prunus dulcis), ameixeira (Prunus domestica). Créditos a Isidre Blanc (silindra), Zeynel Cebeci (pitangueira), Forest & Kim Starr (murta), Mzelle Laure (amendoeira), usuários do flickr Lourdes (cacto), mauroguanandi (goiabeira), e usuário do Wikimedia Rasbak (ameixeira).

12.2 Icosandria Digynia (“vinte machos e duas fêmeas”), vinte estames e dois pistilos em uma flor hermafrodita: Crataegus (espinheiros-alvares e sorvas).

12.3 Icosandria Trigynia (“vinte machos e três fêmeas”), vinte estames e três pistilos em uma flor hermafrodita: Sorbus (mais sorvas), Sesuvium (beldroega-da-praia).

O espinheiro-alvar-vermelho (Crataegus coccinea, esquerda) estava na ordem Icosandria Digynia, enquanto a tramazeira (Sorbus aucuparia, centro) e a beldroega-da-praia (Sesuvium portulacastrum) estavam na ordem Icosandria Trigynia. Créditos a Eric Guinther (beldroega-da-praia) e usuário do Wikimedia VoDeTan2 (espinheiro-alvar).

O espinheiro-alvar-vermelho (Crataegus coccinea, esquerda) estava na ordem Icosandria Digynia, enquanto a tramazeira (Sorbus aucuparia, centro) e a beldroega-da-praia (Sesuvium portulacastrum) estavam na ordem Icosandria Trigynia. Créditos a Eric Guinther (beldroega-da-praia) e usuário do Wikimedia VoDeTan2 (espinheiro-alvar).

12.4 Icosandria Pentagynia (“vinte machos e cinco fêmeas”), vinte estames e cinco pistilos em uma flor hermafrodita: Mespilus (nespereira-europeia, piracanta, amelanqueiro etc), Pyrus (pereira, macieira, marmeleiro), Tetragonia (tetragônias), Mesembryanthemum (plantas-de-gelo),  Aizoon (imortais), Spiraea (doces-do-prado, buquês-de-noiva), Dalibarda (dalibarda).

A ordem Icosandria Pentagynia incluía (da esquerda para a direita, de cima para baixo) a nespereira-europeia (Mespilus germanica), a pereira-comum (Pyrus communis), a planta-de-gelo-comum (Mesembryanthemum crystallinum), o imortal-das-Canárias (Aizoon canariense), o doce-do-prado-comum (>Spiraea tomentosa) e a dalibarda (Dalibarda repens). Créditos a H. Zell (nespereira), Hans Bernhard (planta-de-gelo), Gabrielle Kothe-Heinrich (imortal), Steven G. Johnson (doce-do-prado) e usuário do Wikimedia Jomegat (dalibarda).

A ordem Icosandria Pentagynia incluía (da esquerda para a direita, de cima para baixo) a nespereira-europeia (Mespilus germanica), a pereira-comum (Pyrus communis), a planta-de-gelo-comum (Mesembryanthemum crystallinum), o imortal-das-Canárias (Aizoon canariense), o doce-do-prado-comum (>Spiraea tomentosa) e a dalibarda (Dalibarda repens). Créditos a H. Zell (nespereira), Hans Bernhard (planta-de-gelo), Gabrielle Kothe-Heinrich (imortal), Steven G. Johnson (doce-do-prado) e usuário do Wikimedia Jomegat (dalibarda).

12.5 Icosandria Polygynia (“twenty males and many females”), twenty stamens and many pistils in a hermaphrodite flower: Rosa (roseiras), Rubus (sarças e framboesas), Fragaria (morangos), Potentilla (cinco-em-ramas), Tormentilla (mais cinco-em-ramas), Geum (cravoilas), Dryas (dríades), Comarum (cinco-em-rama-do-brejo), Calycanthus (carólia).

A ordem Icosandria Polygynia incluía (da esquerda para a direita, de cima para baixo) a roseira-francesa (Rosa gallica), a framboeseira-vermelha (Rubus idaeus), o morangueiro-selvagem (Fragaria vesca), o cinco-em-rama-de-enxofre (Potentilla recta), o cinco-em-rama-europeu (Tormentilla reptans, agora Potentilla reptans), a erva-benta (Geum urbanum), a dríade-branca (Dryas octopetala), o cinco-em-rama-do-brejo (Comarum palustre), e a carólia (Calycanthus floridus). Créditos a Bogdan Giuşcă (roseira), Sander van der Molen (morangueiro), Enrico Blasutto (cinco-em-rama-europeu), Randy A. Nonemacher (erva-benta), Isidre Blanc (dríade), e usuários do Wikimedia Wo st 01 (framboeseira), AnRo0002 (cinco-em-rama-de-enxofre), Beentree (cinco-em-rama-do-brejo) e Phyzome (carólia).

A ordem Icosandria Polygynia incluía (da esquerda para a direita, de cima para baixo) a roseira-francesa (Rosa gallica), a framboeseira-vermelha (Rubus idaeus), o morangueiro-selvagem (Fragaria vesca), o cinco-em-rama-de-enxofre (Potentilla recta), o cinco-em-rama-europeu (Tormentilla reptans, agora Potentilla reptans), a erva-benta (Geum urbanum), a dríade-branca (Dryas octopetala), o cinco-em-rama-do-brejo (Comarum palustre), e a carólia (Calycanthus floridus). Créditos a Bogdan Giuşcă (roseira), Sander van der Molen (morangueiro), Enrico Blasutto (cinco-em-rama-europeu), Randy A. Nonemacher (erva-benta), Isidre Blanc (dríade), e usuários do Wikimedia Wo st 01 (framboeseira), AnRo0002 (cinco-em-rama-de-enxofre), Beentree (cinco-em-rama-do-brejo) e Phyzome (carólia).

13. Polyandria (“muitos machos”)

“Muitos maridos em cada casamento”, isto é, muitos estames em uma flor hermafrodita.

13.1 Polyandria Monogynia (“muitos machos e uma fêmea”), muitos estames e um pistilo em uma flor hermafrodita: Lecythis (sapucaias), Marcgravia (patas-de-macaco), Morisonia (morissônia), Capparis (alcaparras), Actaea (acteias), Bocconia (bocônia), Sanguinaria (sanguinária), Podophyllum (maçã-de-maio), Chelidonium (quelidônias), Papaver (papoulas), Argemone (cardos-santos), Cambogia (gamboja), Muntingia (calabura), Sarracenia (sarracênias), Nymphaea (ninfeias), Bixa (urucuzeiro), Sloanea (sapopemas), Prockia (guaí), Laetia (lécia), Seguieria (limoeiro-do-mato), Mammea (abricós), Grias (pera-anchova), Ochna (ocnas), Chrysobalanus (guajuru), Calophyllum (tamanus), Tilia (tílias), Microcos (xiral), Elaeocarpus (oliva-do-Ceilão), Delima (uma espécie desconhecida), Mesua (pau-ferro-do-Ceilão), Vateria (vatéria), Lagerstroemia (extremosa), Thea (chá), Caryophyllus (cravo-da-índia), Mentzelia (estrelas-flamejantes), Plinia (pitangões), Cistus (cistos), Corchorus (jutas).

A diversa ordem Polyandria Monogynia incluía (da esquerda para a direita, de cima para baixo): marmita-de-macaco (Lecythis olaria), pata-de-macaco-comum (Marcgravia umbellata), alcaparra-comum (Capparis spinosa), erva-cristóvão (Actaea spicata), bocônia (Bocconia frutescens), sanguinária (Sanguinaria canadensis), maçã-de-maio (Podophyllum peltatum), quelidônia-maior (Chelidonium majus), papoula-dormideira (Papaver somniferum), cardo-santo-mexicano (Argemone mexicana), calabura (Muntingia calabura), sarracênia-roxa (Sarracenia purpúrea), ninfeia-branca (Nymphaea alba), urucuzeiro (Bixa orellana), abricó-do-Pará (Mammea americana), guajuru (Chrysobalanus icaco), tamanu (Calophyllum inophyllum), tília-americana (Tilia americana), oliva-do-Ceilão (Elaeocarpus serratus), pau-ferro-do-Ceilão (Mesua ferrea), vatéria-comum (Vateria indica), extremosa (Largestroemia indica), chá (Thea sinensis, agora Camellia sinensis), cravo-da-Índia (Caryophyllus aromaticus, agora Syzygium aromaticum), cisto-negro (Cistus monspeliensis), juta-comum (Corchorus olitorius). Créditos a Pau Cabot (alcaparra), H. Zell (erva-cristóvão), Forest & Kim Starr (bocônia, guajuru, tamanu), Nicholas A. Tonelli (sanguinária), Hedwig Storch (maçã-de-maio, ninfeia), Angie Harms (papoula), Bruno Navez (cardo-santo), Denis Conrado (urucuzeiro), Fritz Flohr Reynolds (tília), Lionel Allorge (extremosa), Meneerke Bloem (cravo-da-Índia), Joaquim Alves Gaspar (cisto), e usuários do Wikimedia Nvivas (marmita-de-macaco), Marcoarbo (abricó-do-Pará), Vinayaraj (oliva-do-Ceilão, pau-ferro-do-Ceilão), Forestowlet (vatéria), apple2000 (juta).

A diversa ordem Polyandria Monogynia incluía (da esquerda para a direita, de cima para baixo): marmita-de-macaco (Lecythis olaria), pata-de-macaco-comum (Marcgravia umbellata), alcaparra-comum (Capparis spinosa), erva-cristóvão (Actaea spicata), bocônia (Bocconia frutescens), sanguinária (Sanguinaria canadensis), maçã-de-maio (Podophyllum peltatum), quelidônia-maior (Chelidonium majus), papoula-dormideira (Papaver somniferum), cardo-santo-mexicano (Argemone mexicana), calabura (Muntingia calabura), sarracênia-roxa (Sarracenia purpúrea), ninfeia-branca (Nymphaea alba), urucuzeiro (Bixa orellana), abricó-do-Pará (Mammea americana), guajuru (Chrysobalanus icaco), tamanu (Calophyllum inophyllum), tília-americana (Tilia americana), oliva-do-Ceilão (Elaeocarpus serratus), pau-ferro-do-Ceilão (Mesua ferrea), vatéria-comum (Vateria indica), extremosa (Largestroemia indica), chá (Thea sinensis, agora Camellia sinensis), cravo-da-Índia (Caryophyllus aromaticus, agora Syzygium aromaticum), cisto-negro (Cistus monspeliensis), juta-comum (Corchorus olitorius). Créditos a Pau Cabot (alcaparra), H. Zell (erva-cristóvão), Forest & Kim Starr (bocônia, guajuru, tamanu), Nicholas A. Tonelli (sanguinária), Hedwig Storch (maçã-de-maio, ninfeia), Angie Harms (papoula), Bruno Navez (cardo-santo), Denis Conrado (urucuzeiro), Fritz Flohr Reynolds (tília), Lionel Allorge (extremosa), Meneerke Bloem (cravo-da-Índia), Joaquim Alves Gaspar (cisto), e usuários do Wikimedia Nvivas (marmita-de-macaco), Marcoarbo (abricó-do-Pará), Vinayaraj (oliva-do-Ceilão, pau-ferro-do-Ceilão), Forestowlet (vatéria), apple2000 (juta).

13.2 Polyandria Digynia (“muitos machos e duas fêmeas”),  muitos estames e dois pistilos em uma flor hermafrodita: Paeonia (peônias), Curatella (curatela), Calligonum (orta).

13.3 Polyandria Trigynia (“muitos machos e três fêmeas”), muitos estames e dois pistilos em uma flor hermafrodita: Delphinium (esporinhas), Aconitum (ervas-de-lobo).

A peônia-comum (Paeonia officinalis, esquerda) e a orta (Calligonum polygonoides, centro-esquerda) estavam na ordem Polyandria Digynia, enquanto a esporinha-vela (Delphinium elatum), centro-direita) e a erva-de-lobo-do-norte (Acontinum lycoctonum, direita) estavam na ordem Polyandria Trigynia. Créditos a H. Zell (peônia), Antti Bilund (erva-de-lobo) e usuários do Wikimedia LRBurdak (orta) e Bff (esporinha).

A peônia-comum (Paeonia officinalis, esquerda) e a orta (Calligonum polygonoides, centro-esquerda) estavam na ordem Polyandria Digynia, enquanto a esporinha-vela (Delphinium elatum), centro-direita) e a erva-de-lobo-do-norte (Acontinum lycoctonum, direita) estavam na ordem Polyandria Trigynia. Créditos a H. Zell (peônia), Antti Bilund (erva-de-lobo) e usuários do Wikimedia LRBurdak (orta) e Bff (esporinha).

13.4 Polyandria Tetragynia (“muitos machos e quatro fêmeas”), muitos estames e quatro pistilos em uma flor hermafrodita: Tetracera (cipós-chifre).

13.5 Polyandria Pentagynia (“muitos machos e cinco fêmeas”), muitos estames e cinco pistilos em uma flor hermafrodita: Aquilegia (luva-de-nossa-senhora), Nigella (damas-entre-verdes), Reaumuria (reaumúria).

13.6 Polyandria Hexagynia (“muitos machos e seis fêmeas”), muitos estames e seis pistilos em uma flor hermafrodita: Stratiotes (soldado-d’água).

O cipó-cifre-comum (Tetracera volubilis, esquerda) era a única espécie na ordem Polyandria Tetragynia; a luva-de-nossa-senhora-comum (Aquilegia vulgaris, centro-esquerda) e a dama-entre-verdes (Nigella damascena, centro-direita) estavam na ordem Polyandria Pentagynia; e o soldado-d’água (Stratiotes aloides, direita) era a única espécie na ordem Polyandria Hexagynia. Créditos a Daniel H. Janzen (cipó-chifre), Isidre Blanc (luva-de-nossa-senhora), Christian Fischer (soldado-d’água).

O cipó-cifre-comum (Tetracera volubilis, esquerda) era a única espécie na ordem Polyandria Tetragynia; a luva-de-nossa-senhora-comum (Aquilegia vulgaris, centro-esquerda) e a dama-entre-verdes (Nigella damascena, centro-direita) estavam na ordem Polyandria Pentagynia; e o soldado-d’água (Stratiotes aloides, direita) era a única espécie na ordem Polyandria Hexagynia. Créditos a Daniel H. Janzen (cipó-chifre), Isidre Blanc (luva-de-nossa-senhora), Christian Fischer (soldado-d’água).

13.7 Polyandria Polygynia (“muitos machos e muitas fêmeas”), muitos estames e muitos pistilos em uma flor hermafrodita: Dillenia (maçã-de-elefante), Liriodendron (tulipeira), Magnolia (magnólias), Michelia (champaca), Uvaria (uvária e cazura), Annona (araticuns), Anemone (anêmonas), Atragene (clemátis e anêmonas), Clematis (clemátis), Thalictrum (taliestros), Adonis (adônis), Ranunculus (ranúnculos), Trollius (globos-de-ouro), Isopyrum (isópiros), Helleborus (heléboros), Caltha (malmequer-do-brejo), Hyrastis (selo-dourado).

A heterogênea ordem Polyandria Polygynia incluía (da esquerda para a direita, de cima para baixo): maçã-de-elefante (Dillenia indica), tulipeira (Liriodendron tulipifera), magnólia-branca (Magnolia grandiflora), champaca (Michelia champaca, agora Magnolia champaca), fruta-do-conde (Annona squamosa), anêmona-papoula (Anemone coronaria), clemátis-dos-Alpes (Atragene alpina, agora Clematis alpina), clemátis-roxa (Clematis viticella), taliestro-precoce (Thalictrum dioicum), olho-de-faisão (Adonis annua), ranúnculo-da-Pérsia (Ranunculus asiaticus), botão-de-ouro-europeu (Trollius europaeus), isópiro-comum (Isopyrum thalictroides), heléboro-negro (Helleborus niger), malmequer-do-brejo (Caltha palustris), selo-dourado (Hydrastis canadensis). Créditos a Shamim Munshi (maçã-de-elefante), Bruce Marlin (tulipeiro), Anna Anichkova (magnólia), Denis Conrado (champaca), Meneerke Bloem (fruta-do-conde), Zachi Evenor (anêmona, ranúnculo), Enrico Blasutto (clemátis-dos-Alpes), Frank Liebig (clemátis-roxa), Alberto Salguero (olho-de-faisão), H. Zell (botão-de-ouro), Isidre Blanc (malmequer-do-brejo), Ryan Hagerty (selo-dourado), e usuários do Wikimedia Cbaile19 (taliestro) e Wildfeuer (héloboro).

A heterogênea ordem Polyandria Polygynia incluía (da esquerda para a direita, de cima para baixo): maçã-de-elefante (Dillenia indica), tulipeira (Liriodendron tulipifera), magnólia-branca (Magnolia grandiflora), champaca (Michelia champaca, agora Magnolia champaca), fruta-do-conde (Annona squamosa), anêmona-papoula (Anemone coronaria), clemátis-dos-Alpes (Atragene alpina, agora Clematis alpina), clemátis-roxa (Clematis viticella), taliestro-precoce (Thalictrum dioicum), olho-de-faisão (Adonis annua), ranúnculo-da-Pérsia (Ranunculus asiaticus), botão-de-ouro-europeu (Trollius europaeus), isópiro-comum (Isopyrum thalictroides), heléboro-negro (Helleborus niger), malmequer-do-brejo (Caltha palustris), selo-dourado (Hydrastis canadensis). Créditos a Shamim Munshi (maçã-de-elefante), Bruce Marlin (tulipeiro), Anna Anichkova (magnólia), Denis Conrado (champaca), Meneerke Bloem (fruta-do-conde), Zachi Evenor (anêmona, ranúnculo), Enrico Blasutto (clemátis-dos-Alpes), Frank Liebig (clemátis-roxa), Alberto Salguero (olho-de-faisão), H. Zell (botão-de-ouro), Isidre Blanc (malmequer-do-brejo), Ryan Hagerty (selo-dourado), e usuários do Wikimedia Cbaile19 (taliestro) e Wildfeuer (héloboro).

Assim concluímos a primeira leva de plantas. A partir da próxima postagem entraremos no mundo das flores menos regulares.

– – –

Referências:

Linnaeus, C. 1758. Systema Naturae per Regna Tria Naturae…

– – –

Creative Commons License
Todas as imagens estão licenciadas sob uma Licença Creative Commons de Atribuição e Compartilhamento Igual 4.0 Internacional.

Anúncios

5 Comentários

Arquivado em Botânica, Sistemática, Taxonomia

5 Respostas para “A história da Sistemática: Plantas no Systema Naturae, 1758 (parte 4)

  1. Pingback: A história da Sistemática: Plantas no Systema Naturae, 1758 (parte 5) | Natureza Terráquea

  2. Pingback: A história da Sistemática: Plantas no Systema Naturae, 1758 (parte 6) | Natureza Terráquea

  3. Pingback: A história da Sistemática: Plantas no Systema Naturae, 1758 (parte 2) | Natureza Terráquea

  4. Pingback: A história da Sistemática: Plantas no Systema Naturae, 1758 (parte 3) | Natureza Terráquea

  5. Pingback: A história da Sistemática: Plantas no Systema Naturae, 1758 (Parte 7) | Natureza Terráquea

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s