Arquivo da categoria: Ecologia

Árvores italianas velhas: um passo para o reconhecimento mundial?

por Piter Kehoma Boll

Alguns anos atrás eu escrevi um artigo (você pode lê-lo aqui) sobre a importância de árvores, especialmente árvores velhas, e como seu papel ecológico é diferente de uma árvore jovem.

old_tree

Árvores antigas são preciosidades ecológicas e precisam ser preservadas pelo bem dos ecossistemas. Foto do usuário loshak do flickr.*

Na Itália, há leis específicas criadas para proteger árvores antigas, especialmente se elas são peculiares para sua espécie ou possuem algum tipo de valor estético ou cultural. Recentemente, sua importância para a preservação de uma variedade de formas de vida também passou a ser reconhecida. Um artigo recentemente publicado (veja abaixo) comparou as árvores velhas notáveis na Itália registradas numa lista anterior e uma nova. Eles concluíram que o inventário novo possui melhorias consideráveis, apesar de alguns problemas persistirem, incluindo a presença de espécies exóticas, até mesmo invasoras, na lista.

Mas tais iniciativas são ao menos importantes como um primeiro passo que pode nos levar a um melhor entendimento e manejo de árvores velhas, as quais são elementos preciosos, mas que continuam a declinar mundialmente.

Leia o estudo de graça:

Zapponi, L.; Mazza, G.; Farina, A.; Fedrigoli, L.; Mazzocchi, F.; Roversi, P. F.; Peverieri, G. S.; Mason, F. (2017) The role of monumental trees for the preservation of saproxylic biodiversity: re-thinking their management in cultural landscapes. Nature Conservation 19: 231–243.

– – –

*Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons de Atribuição Não Comercial Sem Derivações 2.0 Genérica.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Conservação, Ecologia

Indo longe com a boca aberta a novos sabores

por Piter Kehoma Boll

Todo mundo sabe que atividades humanas levaram nosso ambiente em direção a uma situação infeliz. As formas mais populares de impacto humano incluem poluição, desmatamento e superexploração de recursos naturais, mas certamente um fator importante no remodelamento de ecossistemas é a invasão de espécies.

Enquanto os humanos se movem ao redor do mundo, eles levam muitas espécies consigo, seja intencionalmente ou não, e algumas delas se estabelecem com sucesso no novo ambiente, enquanto outras não. Mas o que faz com que algumas espécies sejam invasores bem-sucedidos enquanto outras são incapazes disso?

É evidente há algum tempo que ter um nicho amplo, isto é, uma ampla tolerância a condições ambientas e um amplo uso de recursos, é importante para ser bem-sucedido em invadir um novo habitat. A amplitude de nicho trófico, isto é, a quantidade de tipos diferentes de comida que se pode ingerir, está entre as dimensões mais importantes do nicho a influenciar a disseminação de uma espécie.

Eu mesmo estudei a amplitude de nicho trófico de seis planárias terrestres neotropicais na minha dissertação de mestrado (veja referências abaixo), e ficou claro que as espécies com o nicho mais amplo são mais prováveis de se tornarem invasoras. Na verdade aquela com o nicho mais amplo, Obama nungara, já é uma invasora na Europa, como já discuti aqui.

obama_marmorata_7

Um espécime de Obama nungara do Sul do Brasil que eu usei em minha pesquisa. Foto por mim mesmo, Piter Kehoma Boll.*

Mas a O. nungara possui um nicho trófico amplo em seu local de ocorrência nativo, que inclui o sul do Brasil, e provavelmente refletiu essa amplitude na Europa. Mas uma espécie que possui um nicho trófico mais restrito em seu local nativo poderia ampliá-lo em um novo ambiente?

Um estudo recente por Courant et al. (veja referências) investigou a dieta da rã-de-unhas-africana, Xenops laevis, que é uma espécie invasora em muitas partes do mundo. Eles compararam sua dieta em seu local de origem na África do Sul com aquela em várias populações em outros países (Estados Unidos, País de Gales, Chile, Portugal e França).

xenopus_laevis

A rã-de-unhas-africana Xenopus laevis. Foto de Brian Gratwicke.**

Os resultados indicaram que X. laevis possui um nicho consideravelmente amplo tanto em seus locais nativos quanto nos não-nativos, mas a dieta em Portugal apresentou uma mudança maior comparada àquela em outras áreas, o que indica uma grande habilidade de se adaptar a novas situações. De fato, a população de Portugal vive em água corrente, enquanto em todos os outros locais esta espécie prefere água parada.

Podemos concluir que parte do sucesso da rã-de-unhas-africana ao invadir novos habitats está relacionada à sua habilidade de provar novos sabores, aumentando seu nicho trófico além daquele de suas populações originais. A situação em Portugal, incluindo um ambiente diferente e uma dieta diferente, também pode ser o resultado de uma pressão seletiva maior e talvez as chances são de que esta população irá se transformar em uma nova espécie mais cedo que as demais.

– – –

Referências:

Boll PK & Leal-Zanchet AM (2016). Preference for different prey allows the coexistence of several land planarians in areas of the Atlantic Forest. Zoology 119: 162–168.

Courant J, Vogt S, Marques R, Measey J, Secondi J, Rebelo R, Villiers AD, Ihlow F, Busschere CD, Backeljau T, Rödder D, & Herrel A (2017). Are invasive populations characterized by a broader diet than native populations? PeerJ 5: e3250.

– – –

*Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons de Atribuição e Compartilhamento Igual 4.0 Internacional.

**Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons de Atribuição 2.0 Genérica.

Deixe um comentário

Arquivado em Conservação, Ecologia, Evolução, Extinção

Quanto mais quente mais perigoso, ao menos se você for uma lagarta

por Piter Kehoma Boll

Cientistas pelo mundo todo concordam que a diversidade de espécies é maior nos trópicos do que nas regiões polares, isto é, quanto mais perto você chega do equador, mais espécies vai encontrar. Mas além de tornar as teias alimentares mais emaranhadas, ela aumenta o número geral de interações que as espécies experimentam? Afinal, apesar do aumento em riqueza de espécies, o tamanho populacional geralmente diminui. Por exemplo, enquanto há centenas de diferentes espécies de árvores na Floresta Amazônica, o número de indivíduos de cada espécie é muito menor do que o número de indivíduos de uma espécie em uma floresta temperada na Europa.

De modo a testar se um aumento na riqueza de espécies também significa um aumento de interações bióticas, um grupo de ecologistas do mundo todo fez parte de um experimento mundial usando nada mais que pequenas lagartinhas feitas de massa de modelar. Os modelinhos foram colocados em diferentes áreas das regiões polares às regiões equatoriais e o número de ataques que eles sofreram foi contado e agrupado de acordo com o tipo de predador, o que geralmente era fácil de identificar com base nas marcas deixadas nos modelos.

170518143812_1_900x600

Uma lagarta falsa em Tai Po Kau, Hong Kong. Todo de Chung Yun Tak, extraída de ScienceDaily.

Os resultados indicara que de fato há um aumento nas taxas de predação em direção ao equador, bem como em direção ao nível do mar. Áreas próximas aos polos ou a grandes elevações possuem um menor número de interações. Mas ainda mais interessante foi a revelação de que essa mudança é realmente guiada por pequenos predadores, especialmente artrópodes como formigas. As taxas de ataque de aves e mamíferos foram consideravelmente constantes através do globo.

Tal evidência sobre a importância de artrópodes predadores nos trópicos pode nos levar a reavaliar nossas ideias sobre a evolução das espécies nesses lugares, já que a maior preocupação de pequenos herbívoros como lagartas em florestas tropicais pode não ser as aves, mas mas formigas. E isso significa uma maneira completamente diferente de evoluir estratégias de defesa.

Nos vídeos abaixo você pode acompanhar a pesquisadora Larissa Boesing da USP dando maiores detalhes do estudo:

– – –

Referência:

Roslin, T., Hardwick, B., Novotny, V., Petry, W., Andrew, N., Asmus, A., Barrio, I., Basset, Y., Boesing, A., Bonebrake, T., Cameron, E., Dáttilo, W., Donoso, D., Drozd, P., Gray, C., Hik, D., Hill, S., Hopkins, T., Huang, S., Koane, B., Laird-Hopkins, B., Laukkanen, L., Lewis, O., Milne, S., Mwesige, I., Nakamura, A., Nell, C., Nichols, E., Prokurat, A., Sam, K., Schmidt, N., Slade, A., Slade, V., Suchanková, A., Teder, T., van Nouhuys, S., Vandvik, V., Weissflog, A., Zhukovich, V., & Slade, E. (2017). Higher predation risk for insect prey at low latitudes and elevations Science, 356 (6339), 742-744 DOI: 10.1126/science.aaj1631

Deixe um comentário

Arquivado em Ecologia

Sexta Selvagem: Líquen-solar-elegante

por Piter Kehoma Boll

Bipolar e alpino em distribuição, ocorrendo tanto em regiões árticas e antárticas quanto nos Alpes e áreas temperadas próximas, o líquen-solar-elegante (Xanthoria elegans) é uma bela e interessante criatura. Como todos os líquens, ele é formado por um fungo associado a uma alga.

Um líquen-solar-elegante crescendo sobre uma rocha nos Alpes. Foto do usuário do flickr Björn S...*

Um líquen-solar-elegante crescendo sobre uma rocha nos Alpes. Foto do usuário do flickr Björn S…*

O líquen-solar-elegante cresce em rochas e geralmente tem um formato circular e uma cor vermelha ou laranja. Crescendo muito lentamente, a uma taxa de 0.5 mm ao ano, ele é útil para estimar a idade da face de uma rocha por uma técnica chamada liquenometria. Conhecendo-se a taxa de crescimento de um líquen, pode-se assumir a idade do líquen pelo seu diâmetro e assim determinar o tempo mínimo em que a rocha está exposta, já que um líquen não pode crescer numa rocha se ela não está lá, certo? Esta taxa de crescimento não é tão regular entre todas as populações. Liquens crescendo perto dos polos geralmente crescem mais rápido porque parecem ter taxas metabólicas mais altas para sobreviver a climas mais frios.

Além do seu uso para determinar a idade de uma superfície de rocha, o líquen-solar-elegante é um organismo modelo em experimentos relacionados à resistência aos ambientes extremos do espaço sideral. Ele mostrou ter a habilidade de sobreviver e se recuperar de exposições ao vácuo, a radiações UV, raios cósmicos e temperaturas variáveis por até 18 meses!

Talvez quando finalmente chegarmos a um novo planeta habitável, descobriremos que o líquen-solar-elegante já chegou lá séculos antes de nós!

– – –

Referências:

Murtagh, G. J.; Dyer, P. S.; Furneaux, P. A.; Critteden, P. D. 2002. Molecular and physiological diversity in the bipolar lichen-forming fungus Xanthoria elegans. Mycological Research, 106(11): 1277–1286. DOI: 10.1017/S0953756202006615

Wikipedia. Xanthoria elegans. Available at: < https://en.wikipedia.org/wiki/Xanthoria_elegans >. Access on June 30, 2016.

– – –

Creative Commons License
*Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons de Atribuição 2.0 Genérica.

Deixe um comentário

Arquivado em Algas, Botânica, Ecologia, Evolução, Fungos, Sexta Selvagem

Briga Biológica: O misterioso colecionador de pipas

por Piter Kehoma Boll

Um fóssil descrito recentemente a partir do Lagerstätte do Siluriano de Herefordshire, no Reino Unido, chamou muita atenção.

Uma foto do fóssil em si. Imagem de Briggs et al., extraída de news.nationalgeographic.com

Uma foto do fóssil em si. Imagem de Briggs et al., extraída de news.nationalgeographic.com

A aparência da criatura foi construída escaneando-se a rocha e criando uma reconstrução 3D do fóssil. Isso revelou que o animal, obviamente um artrópode, possui várias criaturas menores presas por longos fios, como pipas. A espécie foi chamada de Aquilonifer spinosus, significando “o carregador de pipas espinhoso”.

Uma reconstrução 3D de comoAquilonifer e suas pipas teriam parecido. Imagem de Briggs et al. extraída de sci-news.com

Uma reconstrução 3D de comoAquilonifer e suas pipas teriam parecido. Imagem de Briggs et al. extraída de sci-news.com

Os autores (Briggs et al., 2016) pensaram em três possibilidades para explicar as incomuns “pipas”. Elas poderiam ser parasitas, forontes (isto é, caroneiros), ou bebês. A ideia de parasitas foi descartada porque fios tão longos separando-os do hospedeiro tornariam difícil alimentar-se propriamente. Eles também consideraram improvável ser um caso de forontes, isto é, uma espécie que usa o hospedeiro como uma forma de se mover de um local para o outro, porque havia muitos deles e o hospedeiro provavelmente os teria removido usando as longas antenas.

Impressão artística de Aquilonifer spinosus por Andrey Atuchin.

Impressão artística de Aquilonifer spinosus por Andrey Atuchin.

A opção remanescente é de que as pipas fossem prole. A mãe (ou pai) os prenderia a si de forma a carregá-los por aí em uma forma única de cuidado parental. Os autores o compararam com vários outros grupos de artrópodes nos quais algumas espécies levam seus bebês consigo durante os primeiros dias. Eles também consideram que o animal poderia ter adiado seu processo de muda para evitar descartar os filhotes com o exoesqueleto.

Mas podemos ter certeza de que é esse o caso? O entomólogo Ross Piper pensa diferente. Ele compara as pipas com ácaros uropodinos, nos quais os jovens (deutoninfas) se prendem a besouros por longos pedúnculos de forma a serem transportados de uma fonte de alimento para outra. Como existem ácaros marinhos, esse poderia ser o caso. Ele também aponta que as pipas estão espalhadas pelo corpo, o que torna improvável que sejam filhotes, já que tal distribuição só atrapalharia a mobilidade do pai ou da mãe.

Briggs et al. responderam à crítica de Piper argumentando que ácaros marinhos só evoluíram recentemente e que o Aquilonifer é muito diferente de um besouro terrestre. Ele provavelmente era uma espécie bentônica, rastejando no fundo do oceano, e não um nadador, de forma que ele não seria um bom agente dispersor.

Qual a sua opinião? Eu acho difícil escolher um lado. A comparação de Piper com ácaros é interessante, mas apenas como uma forma de sugerir uma evolução convergente. Não consigo ver como as pipas seriam realmente ácaros ou mesmo aracnídeos. Agora o argumento sobre a posição das pipas no corpo é um bom ponto. Nenhum outro grupo de animais carrega os filhotes presos a longos pedúnculos espalhados por todo o corpo. Além disso, como o pai ou a mãe colocariam os filhotes lá de forma apropriada? Só consigo ver isso sendo plausível se o hospedeiro fosse o pai e a mãe subisse nele para prender os ovos ali. Ademais, eles não poderiam ser forontes que eram benéficos ao hospedeiro? Os pequeninos poderiam se beneficiar por se moverem por aí no grandão e assim atingir novas fontes de alimento enquanto davam proteção ou outra vantagem em troca. E quanto ao adiamento da muda no esqueleto, não consigo ver qualquer evidência de que houve algum adiamento. Não sabemos quanto tempo as pipas ficaram ali e talvez depois da muda elas poderiam simplesmente deixar suas casinhas e construir novas no novo esqueleto do hospedeiro.

Talvez nunca saibamos a verdade, mas podemos seguir trocando ideias.

– – –

Referências:

Briggs, D., Siveter, D., Siveter, D., Sutton, M., & Legg, D. (2016). Tiny individuals attached to a new Silurian arthropod suggest a unique mode of brood care Proceedings of the National Academy of Sciences, 113 (16), 4410-4415 DOI: 10.1073/pnas.1600489113

Briggs, D., Siveter, D., Siveter, D., Sutton, M., & Legg, D. (2016). Reply to Piper: Aquilonifer’s kites are not mitesProceedings of the National Academy of Sciences, 113 (24) DOI: 10.1073/pnas.1606265113

Piper, R. (2016). Offspring or phoronts? An alternative interpretation of the “kite-runner” fossil Proceedings of the National Academy of Sciences, 113 (24) DOI: 10.1073/pnas.1605909113

Switek, B. 2016. This bizarre creature flew its babies like kites. National Geographic News. Available at < http://news.nationalgeographic.com/2016/04/160404-bizarre-creature-flew-babies-kites-arthropod-fossils-science/ >. Access on July 07, 2016.

 

Deixe um comentário

Arquivado em Comportamento, Ecologia, Evolução, Paleontologia, Zoologia

Briga biológica: Devemos trazer os mamutes de volta?

por Piter Kehoma Boll

Todo mundo conhece os incríveis grandes animais que são encontrados na África e no Sudeste da Ásia. Elefantes, girafas, rinocerontes, hipopótamos, cavalos, leões, tigres… essas grandes criaturas, a maioria mamíferos, são geralmente chamadas de megafauna, a “grande fauna”.

Mamíferos tão grandes quanto o elefante-africano-da-savana já vagaram pelas Américas. Foto do usuário do flickr nickmandel2006*.

Mamíferos tão grandes quanto o elefante-africano-da-savana já vagaram pelas Américas. Foto do usuário do flickr nickmandel2006*.

As Américas outrora também tinham uma impressionante megafauna, cheia de mastodontes, mamutes, preguiças gigantes, tatus gigantes e tigres-dentes-de-sabre. Hoje em dia ela é restrita a alguns ursos e onças. O que aconteceu com o resto deles? Bem, a maioria se extinguiu no final do Pleistoceno, cerca de 11 mil anos atrás.

A América do Sul já teve mamíferos tão grandes quanto o elefante-Africano-da-savana, tal como a preguça-gigante. Imagem de Dmitry Bogdanov** (dibdg.deviantart.com)

A América do Sul já teve mamíferos tão grandes quanto o elefante-Africano-da-savana, tal como a preguiça-gigante. Imagem de Dmitry Bogdanov** (dibdg.deviantart.com)

Visto que os humanos já habitavam as Américas nesta época, sempre se especulou se humanos tiveram algo a ver com a extinção. É verdade que hoje em dia centenas, milhares de espécies estão ameaçadas devido a atividades humanas, então é fácil pensar que humanos são a melhor explicação para a extinção, mas há 10 mil anos o número de humanos no planeta era milhares de vezes menor do que é hoje e nossa tecnologia ainda era muito primitiva, de forma que é improvável que pudéssemos caçar uma espécie até a extinção nesse período… se estivéssemos trabalhando sozinhos.

Não, não estou falando de humanos cooperando com aliens! Nosso camarada foi a famosa mudança climática. Períodos de extremo calor durante o pleistoceno parecem ter tido um forte impacto sobre populações de muitos grandes mamíferos e, com a ajuda de humanos caçando-os e se espalhando como uma espécie invasora, os pobres gigantes pereceram.

Le Mammouth por Paul Jamin

Le Mammouth por Paul Jamin

Isso aconteceu há mais de 10 mil anos, DEZ MIL ANOS.

Na África, elefantes e grandes carnívoros são bem conhecidos pela sua importância em estruturar comunidades, especialmente devido às interações tróficas que moldam outras populações. A megafauna extinta das Américas muito provavelmente tinha o mesmo impacto no ecossistema. Como resultado, sugestões para restaurar esta megafauna extinta foram propostas, seja por clonagem de espécies extintas ou, mais plausivelmente, pela introdução de espécies com um papel ecológico similar.

Svenning et al. (2015) revisaram o assunto e argumentaram em favor da reintroduão da megafauna para restaurar papéis ecológicos perdidos no Pleistoceno, uma ideia chamada de “renaturalização pleistocênica” ou “renaturalização trófica”, como eles preferem. Eles apresentam alguns mapas que mostram a distribuição atual de grandes mamíferos e sua distribuição histórica no Pleistoceno, a qual eles chamam de “natural”. Eles também propõem algumas espécies para serem introduzidas de forma a substituir aquelas extintas, incluindo substituições de espécies extintas há até 30 mil anos. Agora isso é uma boa ideia? Eles acham que é, e um dos exemplos usados é a reintrodução de lobos no Parque Nacional de Yellowstone. Mas lobos são estavam extintos ali por milênios, nem são uma espécie diferente que substituiria o papel de uma extinta.

Uma alcateia de lobos no Parque Nacional de Yellowstone.

Uma alcateia de lobos no Parque Nacional de Yellowstone.

Rubenstein & Rubenstein (2016) criticaram a ideia, argumentando que deveríamos focar em proteger os ecossistemas restantes e não em tentar restaurar aqueles que foram corrompidos milhares de anos atrás. Eles também argumentam que usar espécies similares pode ter consequências não intencionadas. Svenning et al. responderam que isso é apenas uma opinião e que um programa sistemático de pesquisa em renaturalização trófica deveria ser desenvolvido. A reintrodução de cavalos no Novo Mundo e suas consequências não-catastróficas são outro ponto usado para responder às críticas.

Então qual é sua opinião? Devemos trazer mamutes, mastodontes, preguiças gigantes e tigres-dentes-de-sabre de volta? Devemos introduzir elefantes e leões nas Américas para desempenharem o papel que mastodontes e esmilodontes tinham?

Minha opinião é não. A ideia pode parecer bela, mas penso que é na verdade fantástica, fabulosa demais e sensacionalista. Cavalos podem ter voltado às Américas sem trazer destruição, mas não podemos ter certeza de nada, mesmo com vários estudos teóricos e em pequena escala. Todos sabemos o quão frequentemente introduzir espécies dá errado, muito errado. Olhem para os pobres Austrália e Havaí, por exemplo. Além disso, esses mamíferos gigantes se etinguiram HÁ DEZ MIL ANOS. Certamente os ecossistemas se adaptaram à sua extinção. A vida sempre encontra um jeito. Há ameaças piores a esses ecossistemas que devem ser abordadas, tal como a destruição iminente para construir mais cidades e criar mais gado e plantações.

Superem. Os mamutes se foram. Vamos tentar salvar os elefantes em vez disso, mas sem trazê-los para o cerrado brasileiro. Eles não pertencem a esse lugar. Eles pertencem à savana africana.

– – –

Referências:

Rubenstein, D. R.; Rubenstein, D. I. From Pleistocene to trophic rewilding: A wolf in sheep’s clothing. PNAS, 113(1): E1. DOI: 10.1073/pnas.1521757113

Svenning, J-C.; Pedersen, P. B. M.; Donlan, C. J.; Ejrnæs, R.; Faurby, S.; Galetti, M.; Hansen, D. M.; Sandel, B.; Sandom, C. J.; Terborgh, J. W.; Vera, F. W. M. 2016. Science for a wilder Anthropocene: Synthesis and future directions for trophic rewilding research. PNAS, 113(4): 898-906. DOI: 10.1073/pnas.150255611

Svenning, J-C.; Pedersen, P. B. M.; Donlan, C. J.; Ejrnæs, R.; Faurby, S.; Galetti, M.; Hansen, D. M.; Sandel, B.; Sandom, C. J.; Terborgh, J. W.; Vera, F. W. M. 2016. Time to move on from ideological debates on rewilding. PNAS, 113(1): E2-E3. DOI: 10.1073/pnas.1521891113

Wade, L. 2016. Giant jaguars, colossal bears done in by deadly combo of humans and heat. Science News. DOI: 10.1126/science.aag0623

Wade, L. 2016. Humans spread through South America like an invasive species. Science News. DOI: 10.1126/science.aaf9881

– – –

*Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons de Atribuição 2.0 Genérica.

**Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons de Atribuição e Compartilhamento Igual 3.0 Não Adaptada.

Deixe um comentário

Arquivado em Conservação, Ecologia, Evolução, Extinção, mamíferos, Paleontologia, Zoologia

O lagarto teju e a origem dos animais de sangue quente

por Piter Kehoma Boll

Sangue quente é a forma popular de se referir à endotermia, a habilidade que certos animais possuem de manter uma temperatura corporal elevada pelo uso de calor gerado no metabolismo, especialmente em órgãos internos. Mamíferos e aves são os únicos grupos vivos nos quais todos os representantes são endotérmicos, mas alguns peixes também possuem esta característica.

Atuns são peixes verdadeiramente endotérmicos, de forma similar a aves e mamíferos. Foto de opencage.info**

Atuns são peixes verdadeiramente endotérmicos, de forma similar a aves e mamíferos. Foto de opencage.info**

De maneira a manter uma temperatura corporal elevada, animais endotérmicos precisam de uma quantidade muito maior de alimento diário que animais ectotérmicos (aqueles que dependem de fontes do ambiente para ajustar a temperatura corporal). Deve haver, portanto, uma vantagem considerável na endotermia para explicar tal aumento no consumo de recursos. As vantagens incluem a habilidade de se manter ativo em áreas de temperaturas baixas e um aumento na eficiência de reações enzimáticas, contrações musculares e transmissão de moléculas através de sinapses.

A origem da endotermia ainda é motivo de debate e várias hipóteses foram levantadas. As principais são:

1. Migração de ectotermia para homeotermia inercial e finalmente endotermia

De acordo com essa hipótese, animais que eram inicialmente ectotérmicos cresceram em tamanho, tornando-se inercialmente homeotérmicos, isto é, eles mantinham uma temperatura interna consideravelmente constante devido à área de superfície reduzida em relação ao volume. Mais tarde, pressões seletivas forçaram esses animais a reduzirem em tamanho, o que fez com que se tornassem incapazes de sustentar uma temperatura interna constante e assim suas eficiências enzimática, muscular e sináptica ficaram ameaçadas. Como resultado, eles foram forçados a desenvolver uma maneira alternativa de manter uma temperatura corporal elevada e a adquiriram através da endotermia.

Inicialmente considerada uma explicação plausível devido ao tamanho corporal dos ancestrais dos mamíferos no registro fóssil, novas interpretações filogenéticas causaram uma completa mistura de animais de corpo grande e de corpo pequeno, de forma que fósseis atualmente não sustentam mais essa ideia.

2. Um encéfalo grande aquecendo o corpo

O encéfalo em espécies endotérmicas produz muito mais calor que qualquer outro órgão. Isso levou à suposição de que talvez um grande encéfalo gerando calor foi o responsável pelo posterior desenvolvimento de endotermia completa. Contudo evidências tanto de espécies vivas quanto de fósseis apontam para o oposto. Parece mais razoável que um encéfalo grande evoluiu após a endotermia e não o oposto.

3. Uma vida noturna precisa de mais calor

Esta ideia afirma que o desenvolvimento da endotermia aconteceu como uma maneira de permitir que animais sejam ativos durante a noite. O fato de a maioria dos mamíferos primitivos parecer ter sido noturna a princípio sustenta esta hipótese, mas de fato muitos mamíferos noturnos atuais possuem uma temperatura corporal mais baixa que mamíferos diurnos. Outro aspecto que conta contra esta hipótese é que os ancestrais dos mamíferos já mostravam evidências de um aumento em temperatura corporal apesar de provavelmente não serem noturnos.

4. O calor ajuda os embriões a se desenvolverem

Como vocês devem saber, em muitos vertebrados ectotérmicos, tal como répteis, os ovos precisam ser incubados a uma temperatura constante para que se desenvolvam adequadamente. Endotermia, portante, poderia ter evoluído como uma maneira de permitir que os pais incubem os ovos eles mesmos e que haja um controle maior sobre a estabilidade da temperatura. Um fato que sustenta essa teoria é o papel duplo de hormônios tireoides na reprodução e no controle da taxa metabólica.

Dove_incubating_eggs

5. Capacidade aeróbica levando ao aquecimento de órgãos internos

De acordo com essa hipótese, a endotermia evoluiu após o aumento da capacidade aeróbica, isto é, a primeira coisa que aconteceu foi o aumento da habilidade dos músculos de consumir oxigênio para liberar energia, o que auxiliou o animal a se mover mais depressa, entre outras coisas. Essa capacidade aeróbica aumentada foi adquirida ao aumentar-se o número de mitocôndrias em células musculares, o que levou a uma temperatura corporal mais alta nos músculos e consequentemente uma temperatura visceral mais alta. Apesar de fósseis indicarem que os ancestrais de mamíferos desenvolveram adaptações morfológicas que indicam um aumento da capacidade aeróbica, não é possível afirmar que a endotermia já não estava presente nessas espécies.

Muito recentemente, descobriu-se que os lagartos tejus (Salvator merianae) da América do Sul aumentam sua temperatura corporal durante a estação reprodutiva, chegando a até 10°C acima da temperatura ambiente durante a noite. Assim, parece que eles são capazes de aumentar a produção e a conservação de calor de formas similares às usadas por animais inteiramente endotérmicos.

O teju Salvator merianae é um endotermo facultativo. Foto de Jami Dwyer.

O teju Salvator merianae é um endotermo facultativo. Foto de Jami Dwyer.

Como tal aumento na temperatura corporal acontece durante o ciclo reprodutivo, isso suporta a hipótese da endotermia evoluindo para ajudar no desenvolvimento de embriões, como explicando acima. Além disso, indica que ectotermos podem realizar endotermia temporário e a endotermia permanente talvez possa ter evoluindo usando esse caminho.

Mais estudos sobre os tejus são necessários para esclarecer esse interessante fenômeno e expandir nosso conhecimento sobre a evolução de endotermia em mamíferos e aves.

– – –

Referências:

References:

Kemp, T. (2006). The origin of mammalian endothermy: a paradigm for the evolution of complex biological structure Zoological Journal of the Linnean Society, 147 (4), 473-488 DOI: 10.1111/j.1096-3642.2006.00226.x

Tattersall, G., Leite, C., Sanders, C., Cadena, V., Andrade, D., Abe, A., & Milsom, W. (2016). Seasonal reproductive endothermy in tegu lizards Science Advances, 2 (1) DOI: 10.1126/sciadv.1500951

Wikipedia. Endotherm. Disponível em: <https://en.wikipedia.org/wiki/Endotherm&gt;. Acesso em 1 de fevereiro de 2016.

– – –

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons de Atribuição e Compartilhamento Igual 2.0 Licença Genérica.

** Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons de Atribuição e Compartilhamento Igual 2.5 Licença Genérica.

Deixe um comentário

Arquivado em Comportamento, Ecologia, Evolução, Paleontologia, Zoologia