Arquivo da tag: Curiosidades

Sexta Selvagem: Arqueia-Quadrada-de-Walsby

por Piter Kehoma Boll

Depois de mais de cem Sextas Selvagens, há um grupo ainda sem representantes aqui: as arqueias. Mas isso vai mudar hoje com a apresentação de nossa primeira arqueia, e ela é sem dúvida uma espécie muito interessante.

Cientificamente conhecida como Haloquadratum walsbyi, ela é às vezes chamada de arqueia-quadrada-de-Walsby e, como o nome sugere, tem um formato quadrado incomum.

haloquadratum_walsbyi00

Um desenho mostrando um conjunto de quatro células da arqueia-quadrada-de-Walsby.

Essa interessante arqueia foi descoberta em 1980 por Anthony Edward Walsby em lagos salinos da Península do Sinai. Posteriormente ela foi encontrada em vários outros lagos com altas concentrações de sal pelo mundo e foi cultivada em laboratório pela primeira vez em 2004, mas só em 2007 foi formalmente descrita e recebeu sua nomenclatura binomial.

As células quadradas da arqueia-quadrada-de-Walsby são muito finas, com cerca de 0.2 µm de espessura, e medem cerca de 2 µm de cada lado. Elas crescem bem lentamente, formando uma fina camada sobre uma superfície, tendo a maior camada já registrada medido 40 × 40 µm. Se as condições de crescimento não são ideias, as células deterioram em uma forma achatada irregularmente quadrada ou sem forma definida nenhuma.

haloquadratum

Fotografias de células de Haloquadratum walsbyi mostrando os vacúolos em forma de cristal. Imagem extraída de Burns et al. (2007).

Dentro das células, a arqueia-quadrada-de-Walsby possui pequenas vesículas de gás que se parecem com pequenos cristais. Elas ajudam a célula a permanecer na superfície da água muito salgada em que vivem. De forma a sobreviver, essa arqueia precisa de água com concentrações de sal de pelo menos 14%, mas as condições se tornam ideias somente acima de 23%.

Apesar de conhecermos coisas interessantes sobre essa espécie, ainda há muito para aprender. Quem sabe quais mistérios essa criaturinha quadrada está escondendo de nós?

– – –

Referências:

Bolhuis, H.; Poele, E. M. t.; Rodriguez-Valera, F. (2004) Isolation and cultivation of Walsby’s square archaeonEnvironmental Microbiology 6(12): 1287–1291.

Burns, D. G.; Janssen, P. H.; Itoh, T.; Kamekura, M.; Li, Z.; Jensen, G.; Rodríguez-Valera, F.; Bolhuis, H.; Dyall-Smith, M. L. (2007) Haloquadratum walsbyi gen. nov., sp. nov., the square haloarchaeon of Walsby, isolated from saltern crystallizers in Australia and SpainInternational Journal of Systematic and Evolutionary Microbiology57: 387–392.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Arqueias, Curiosidades, Sexta Selvagem

Sexta Selvagem: Zigena-de-seis-pontos

por Piter Kehoma Boll

Encontrada na Europa, a espécie da Sexta Selvagem de hoje é uma bela mariposa diurna com cores bonitas e compostos tóxicos. Cientificamente conhecida como Zugaena filipendulae, seu nome comum é zigena-de-seis-pontos, referindo-se aos seis pontos vermelhos nas asas dianteiras. Estes pontos contrastam belamente com o fundo azul-escuro ou verde-metálico das asas, dando-lhe uma aparência mística, não acha?

Zygaena_filipendulae

As cores dizem “não sou comestível”. Foto de Vlad Proklov.*

Quando é lagarta, a zigena-de-seis-pontos se alimenta de plantas leguminosas, especialmente trevos, e tem uma aparência bem diferente, como é comum em lepidópteros. Ela é amarela a amarelo-esverdeada e tem duas linhas de pontos negros correndo ao longo do dorso.

Zygaena_filipendulae_larva

Uma lagarta amarela gordinha. Foto de Harald Süpfle.**

As plantas usadas como alimento pela lagarta contêm glucósidos cianogênicos, substâncias que são armazenadas individualmente e produzem cianeto de hidrogênio quando em contato uma com a outra. Isso é usado como um mecanismo de defesa pela planta, mas as lagartas ingerem e armazenam esses compostos para usarem em sua própria defesa. Também foi demonstrado que a lagarta é capaz de produzir esses glucósidos cianogênicos por si mesma, assim não dependendo somente da porção ingerida com o alimento. A maior parte dos compostos, no entanto, é perdida durante a metamorfose, de forma que os adultos são muito menos tóxicos que as lagartas.

– – –

Referências:

Zagrobelny, M., Bak, S., Olsen, C., & Møller, B. (2007). Intimate roles for cyanogenic glucosides in the life cycle of Zygaena filipendulae (Lepidoptera, Zygaenidae) Insect Biochemistry and Molecular Biology, 37 (11), 1189-1197 DOI: 10.1016/j.ibmb.2007.07.008

Wikipedia. Six-spot burnet. Disponível em: < https://en.wikipedia.org/wiki/Six-spot_burnet >. Acesso em 1 de agosto de 2016.

– – –

*Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons de Atribuição Não Comercial e Compartilhamento Igual 2.0 Genérica.

**Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons de Atribuição 2.5 Genérica.

Deixe um comentário

Arquivado em Entomologia, Sexta Selvagem, Zoologia