Arquivo da tag: cogumelos comestíveis

Sexta Selvagem: Falo-impudico

por Piter Kehoma Boll

Hoje as coisas vão se tornar meio pornográficas de novo. Algum tempo atrás eu apresentei uma planta cujas flores lembram uma vulva humana, a clitória-azul, e agora é hora de olharmos para algo do outro sexo. E o que seria melhor do que um pênis sem vergonha? Essa é basicamente a tradução do nome desse cogumelo, Phallus impudicus, que em português pode ser chamado de falo-impudico, assim mantendo o mesmo significado, mas de forma mais elegante.

phallus_impudicus2

Orgulhoso e sem vergonha. Foto do usuário do flickr Björn S…*

Encontrado através da Europa e em partes da América do Norte em florestas decíduas, o falo impudico é facilmente reconhecível por seu formato fálico e ainda mais pelo seu cheiro horrível que lembra carniça. Esse odor atrai insetos, especialmente moscas, que levam os esporos para longe. Esse é um método diferente do usado pela maioria dos fungos, que simplesmente liberam os esporos no ar. Algumas pessoas podem confundir o falo-impudico com as morelas (gênero Morchella), mas os dois são completamente diferentes, pertencendo a diferentes filos.

Apesar do cheiro ruim, o falo-impudico é comestível, especialmente no início de seu desenvolvimento, quando ele se parece com um ovo. Devido ao seu formato fálico, ele também é visto como um afrodisíaco em algumas culturas, como é comum com formas de vida em formato de genitália.

phallus_impudicus3

O corpo de frutificação imaturo do Phallus impudicus é a forma mais comumente consumida. Foto de Danny Seteven S.*

O falo-impudico parece ter algumas propriedades anticoagulantes e pode ser usado por pacientes suscetíveis a trombose nas veias, como pacientes tratando câncer de mama.

– – –

Referências:

Kuznecov, G., Jegina, K., Kuznecovs, S., & Kuznecovs, I. (2007). P151 Phallus impudicus in thromboprophylaxis in breast cancer patients undergoing chemotherapy and hormonal treatment The Breast, 16 DOI: 10.1016/s0960-9776(07)70211-4

SMITH, K. (2009). On the Diptera associated with the Stinkhorn (Phallus impudicus Pers.) with notes on other insects and invertebrates found on this fungus. Proceedings of the Royal Entomological Society of London. Series A, General Entomology, 31 (4-6), 49-55 DOI: 10.1111/j.1365-3032.1956.tb00206.x

Wikipedia. Phallus impudicus. Available at <https://en.wikipedia.org/wiki/Phallus_impudicus&gt;. Access on March 7, 2017.

– – –

*Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons de Atribuição e Compartilhamento Igual 2.0 Genérica.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Fungos, Sexta Selvagem

Sexta Selvagem: Copo-de-elfo-escarlate

por Piter Kehoma Boll

Se você gosta de prestar atenção nos cogumelos crescendo no solo das florestas, pode ter encontrado esse camarada algumas vezes, especialmente se você vive no hemisfério norte. Cientificamente conhecido como Sarcoscypha coccinea, seu nomes comuns incluem copo-de-elfo-rubi, copo-de-elfo-escarlate, chapéu-de-elfo-escarlate ou simplesmente copo-escarlate.

O copo-de-elfo-escarlate é um ascomiceto, de forma que é mais proximamente relacionado às morelas e às trufas que aos cogumelos mais famosos com forma de guarda-chuva. Seu corpo de frutificação em forma de taça possui uma cor vermelho-viva por dentro e uma cor branca por fora. Ele pode ser encontrado crescendo em madeira podre em florestas na América do Norte e da Europa, apesar de também ter sido registrado na Austrália e no Chile.

sarcoscypha_coccinea

Belos copos-de-elfo-escarlates crescendo num tronco caído. Foto do usuário ceridwen do geograph.

Os corpos de frutificação do copo-de-elfo-escarlate podem variar dependendo das condições ambientais. Geralmente aqueles crescendo em madeira enterrada em locais protegidos do vento são os maiores, enquanto aqueles crescendo em madeira sobre o solo e expostos ao vento são geralmente menores. Não há consenso sobre se os corpos de frutificação são comestíveis ou não. Alguns autores o consideram comestível, enquanto outros não recomendam sua ingestão. Contudo há registros de pessoas comendo-os, e eles também são usados como medicamento por povos nativos americanos, tal como o povo Oneida.

– – –

Referências:

EOL. Encyclopedia of Life. Sarcoscypha coccinea. Disponível em < http://eol.org/pages/1009245/overview >. Acesso em 1 de março de 2017.

Wikipedia. Sarcoscypha coccinea. Disponível em <https://en.wikipedia.org/wiki/Sarcoscypha_coccinea >. Access em 1 de março de 2017.

– – –

*Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons de Atribuição 2.0 Genérica.

Deixe um comentário

Arquivado em Fungos, Sexta Selvagem