Arquivo da tag: Araceae

Fiquem que nem líquen: folhas disfarçadas de tronco para evitar serem comidas

por Piter Kehoma Boll

Todos estamos familiarizados com animais de muitas espécies que desenvolveram mecanismos interessantes para evitar serem comidos. Isso inclui, por exemplo, animais que se parecem com partes de plantas:

O famoso bicho-folha-gigante Phyllium giganteum. Foto de Bernard Dupont.**

e animais que se mesclam com o fundo:

Um chacal-da-África-Oriental, Canis mesomelas, na Savana. Consegue vê-lo? Foto de Nevit Dilmen.***

Também há animais que se parecem com outros animais não palatáveis ou perigosos para afastar os predadores:

A borboleta comestível vice-rei, Limenitis archippus (acima) imita a venenosa borboleta-monarca Danaus plexippus (abaixo). Créditos ao usuário do Wikimedia DRosenbach. Fotos de D. Gordon E. Robertson e Derek Ramsey.***

Mas nós raramente pensamos que as plantas também usam este tipo de mecanismo para evitar serem comidas. Há, no entanto, alguns casos registrados de comportamentos similares em plantas. Um caso é o da planta Corydalis benecincta, cujas folhas comumente possuem a cor amarronzada das rochas ao redor:

As folhas de Corydalis benecincta se parecem com as rochas encontradas em seu habitat natural. Foto extraída de http://www.svenlandrein.com/yunnancollections/10CS2204.html

Recentemente, um estudo com plantas do gênero Amorphophallus encontrou outro caso interessante de imitação. Este gênero, que inclui o famoso jarro-titã, geralmente desenvolve uma única folha grande que em algumas espécies atinge o tamanho de uma pequena árvore ou de um arbusto. Uma folha gigante assim parece ser a refeição perfeita para um herbívoro, mas, para evitá-los, muitas espécies do gênero desenvolveram uma série de marcas ao longo do pecíolo da folha que se parecem com líquens ou cianobactérias.

Marcas semelhantes a cianobactérias no pecíolo de Amorphophallus gigas (A); Marcas semelhantes a cianobactérias + marcas semelhantes a líquens também em A. gigas (B); e marcas semelhantes a líquens em A. hewittii (C) e A. dactylifer (D). Extraído de Claudel et al. (2019).

Com esta imitação, os pecíolos, que são bem tenros, acabam se parecendo com um tronco duro e velho que não parece tão interessante para a maioria dos herbívoros. As marcas de líquens são tão bem representadas que podem até mesmo ser associadas com gêneros reais de líquens. Por exemplo, as marcas vistas nas figuras B e C acima se parecem com líquens do gênero Cryptothecia.

Líquens da espécie Cryptothecia striata, que parecem ser imitados pelas marcas em Amorphophallus gigas e A. hewittii. Foto de Jason Hollinger.*

Como e por que estas marcas evoluíram através das espécies de Amorphophallus ainda não é bem compreendido. Apesar da hipótese de que elas ajudam a planta a imitar um tronco de árvore, algumas espécies com folhas pequenas também possuem essas marcas, enquanto outras com folhas grandes não possuem qualquer marca ou as têm em padrões mais simples. O jarro-titã Amorphophallus titanum é um bom exemplo do último caso:

Amorphophallus titanum é a maior espécie de Amorphophallus, mas apresenta um padrão de líquen consideravelmente simples. Foto do usuário do flickr Bjorn S.**

Por muito tempo, as plantas foram consideradas organismos menos dinâmicos que os animais, mas em anos recentes nosso conhecimento sobre elas está aumentando e mostrando que na verdade elas são criaturas muito versáteis e desenvolveram estratégias igualmente criativas e complexas.

– – –

Curta nossa página no Facebook!

Siga-me (@piterkeo) no Twitter!

– – –

Referência:

Claudel C, Lev-Yadun S, Hetterscheid W, & Schultz M 2019. Mimicry of lichens and cyanobacteria on tree-sized Amorphophallus petioles results in their masquerade as inedible tree trunks. Bot J Linn Soc 190: 192–214.

– – –

*Creative Commons License Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons de Atribuição 2.0 Genérica.

**Creative Commons License Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons de Atribuição e Compartilhamento Igual 2.0 Genérica.

***Creative Commons License Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons de Atribuição e Compartilhamento Igual 3.0 Não Adaptada.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Botânica, Evolução

Sexta Selvagem: Jarro-titã

por Piter Kehoma Boll

A espécie de hoje é outra estrela do reino das plantas e você provavelmente já ouviu falar dela antes. Crescendo nas florestas chuvosas de Sumatra e Java, esta espécie possui uma inflorescência gigante e emite um aroma de carne podre, algumas vezes sendo chamada de flor-cadáver, mas não a confunda com outra flor gigante com cheiro de carne podre que ocorre no mesmo lugar, a flor-cadáver Rafflesia arnoldi já apresentada aqui alguns anos atrás.

800px-corpse_flower_287119829a

A inflorescência gigante do jarro-titã. Foto do usuário Rhododendrites do Wikimedia.*

O nome da espécie de hoje é Amorphophallus titanum, que literalmente significa algo como “pênis sem forma gigante”. O nome pode não agradar muitas audiências, assim o naturalista e documentarista David Attenborough cunhou o nome popular “titan arum” em inglês, que costuma ser adaptado como “jarro-titã” em português.

O jarro-titã pertence à família Araceae, a mesma que inclui algumas plantas populares de jardim como o antúrio. É a planta com a maior inflorescência não ramificada do mundo. A estrutura gigante não é uma flor única, mas uma inflorescência gigante chamada espádice que contém muitas flores pequenas e é rodeada por uma única folha com jeitão de pétala chamada espata. Na maior parte das espécies de Araceae, o espádice inteiro contém flores, mas no jarro-titã elas estão presentes em dois anéis na base, um anel superior de flores masculinas e um inferior de flores femininas. A maior parte do espádice é somente um apêndice gigante e oco.

450px-amorphophallustitanum-280229-germany-citybonn-botgard

Flores masculinas (acima) e femininas (abaixo) vistas através de um corte da espata. Foto do usuário Rosetta do Wikimedia.**

A inflorescência do jarro-titã pode chegar a 3 metros de altura. Ela emite uma fragrância que lembra o cheiro de carne apodrecendo e atrai polinizadores, que incluem besouros e moscas que comem carniça. Na verdade o odor muda durante a abertura e maturação da inflorescência, mas sempre lembra algo em decomposição. Quando a espata está abrindo, o cheiro é mais parecido com o de frutas podres, algumas horas depois mudando para um cheiro de ovo podre e depois para um verdadeiro cheiro de carne podre. Durante esta última fase, a temperatura da inflorescência aumenta, chegando a 36°C, mais ou menos a mesma temperatura de um mamífero, e isso é considerado como uma provável característica adicional para simular a aparência de carne apodrecendo. Adicionalmente, a superfície interna da espata possui uma cor entre roxo e vermelho-escuro que também lembra carne apodrecendo.

450px-alismatales_-_amorphophallus_titanum_4

A folha gigante e única do jarro-titã. Foto de Emőke Dénes.*

Como muitas espécies de flores ou inflorescências gigantes, o jarro-tiã não é uma espécie muito folhosa. Enquanto a inflorescência está crescendo e abrindo, a planta não possui nenhuma folha. Depois que a inflorescência morre e os frutos são produzidos, uma única folha começa a crescer a partir do cormo subterrâneo (um caule que funciona como órgão de reserva) e chega ao tamanho de uma pequena árvore. O cormo, como tudo nessa espécie, também é gigante, sendo o maior cormo conhecido no mundo, geralmente atingindo cerca de 50 kg, mas alguns espécimes em jardins botânicos vão além de 100 kg depois de alguns anos.

800px-amorphophallus_corm_0136a

O cormo gigante do jarro-titã. Foto do usuário Georgialh do Wikimedia.*

O jarro-titã é realmente uma das espécies mais notáveis do nosso planeta, não concorda?

– – –

Curta nossa página no Facebook!

– – –

Referências:

Korotkova, N.; Barthlott, W. (2009) On the thermogenesis of the Titan arum (Amorphophallus titanum). Plant Signaling & Behavior, 4(11): 1096–1098.

Shirasu, M.; Fujioka, K.; Kakishima, S.; Nagai, S.; Tomizawa, Y.; Tsukaya, H.; Murata, J.; Manome, Y.; Touhara, K. (2010) Chemical identity of a rotting animal-like odor emitted from the inflorescence of the titan arum (Amorphophallus titanum). Bioscience, Biotechnology and Biochemistry 74(12): 2550–2554.

Wikipedia. Amorphophallus titanum. Disponível em < https://en.wikipedia.org/wiki/Amorphophallus_titanum >. Acesso em 14 de junho de 2018.

– – –

*Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons de Atribuição e Compartilhamento Igual 4.0 Internacional.

**Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons de Atribuição e Compartilhamento Igual 3.0 Não Adaptada.

1 comentário

Arquivado em Botânica, Sexta Selvagem