Sexta Selvagem: Broca-Verde-do-Freixo

por Piter Kehoma Boll

E hora do próximo besouro e desta vez nosso camarada é uma espécie que passou seu primeiro século após sua descoberta sem chamar muita atenção, mas então algo aconteceu. Seu nome é Agrilus planipennis e é comumente conhecido em inglês como emerald ash borer, que eu adaptei para o português como broca-verde-do-freixo.

Uma broca-verde-do-freixo adulta em Virginia, EUA. Foto de Bryan Wright.*

Nativa da Ásia Oriental, a broca-verde-do-freixo é encontrada no sudeste da Rússia, na Mongólia, no norte da China, na Coreia e no Japão. Os adultos medem cerca de 8.5 mm de comprimento e possuem uma cor verde metálica na cabeça, no pronoto e nos élìtros, e uma cor roxo-iridescente no lado dorsal do abdome que é visto quando as asas estão abertas. Eles vivem na copa de freixos (Fraxinus spp.) durante a primavera e o verão e se alimentam de suas folhas.

Após cerca de uma semana como adultos, as brocas-verdes-do-freixo começam a acasalar. As fêmeas permanecem nas árvores e os machos sobrevoam o local procurando por elas. Assim que uma fêmea é localizada, o macho se deixa cair sobre ela e eles começam a acasalar. Depois de o acasalamento ser concluído, as fêmeas vivem por mais algumas semanas e tipicamente põem cerca de 40 a 70 ovos, apesar de algumas viverem mais tempo e porem até 200 ovos.

Vista dorsal de uma broca-verde-do-freixo com as asas abertas mostrando o abdome roxo-iridescente.

Os ovos são postos entre frestas e rachaduras da casca e eclodem cerca de duas semanas depois. As larvas recém-eclodidas abrem um caminho com mordidas através da casca, atingem os tecidos internos e começam a se alimentar deles. Elas atingem até 32 mm de comprimento no quarto ínstar, mais de três vezes o comprimento do adulto, e empupam durante a primavera, emergindo como adultos logo depois. Na China, os adultos emergem das árvores em maio.

Uma larva dentro de um freixo na Pensilvânia, EUA. Créditos a Pennsylvania Department of Conservation and Natural Resource.**

Em sua área nativa, a broca-verde-do-freixo pode ser um incômodo, mas não é altamente problemática porque ocorre em baixa densidade. Contudo em 2002 a espécie foi encontrada nos Estados Unidos se alimentando de espécies locais de freixo. Visto que a broca-verde-do-freixo não possui inimigos naturais na América do Norte e que as espécies de freixo neste continente não evoluíram para serem resistentes à infecção, ela começou a se espalhar rapidamente. Em menos de duas décadas, o besouro matou milhões de freixos e é uma ameaça séria aos outros mais de oito bilhões de freixos que ainda ocorrem na América do Norte. Com a morte dos freixos, as florestas da América do Norte se tornam vulneráveis a mais espécies invasoras, as quais só vão piorar o cenário.

Dano causado pelas larvas a uma árvore no estado de Nova Iorque, EUA. Foto do usuário bkmertz do iNaturalist.*

De modo a controlar a disseminação da broca-verde-do-freixo, os freixos são tratados com pesticidas. Quatro vespas parasitoides da China que se sabe que atacam apenas a broca-verde-do-freixo também foram soltas na América do Norte para ajudar a controlar a disseminação e seu sucesso ainda está sendo avaliado. Armadilhas, como painéis roxos cobertos de cola, os quais são visualmente atrativos para os besouros, também são usadas para capturar os animais e determinar a extensão da invasão.

Mais uma vez, uma espécie bem tranquila levou a um desastre ecológico devido à influência humana e agora estamos correndo para evitar um colapso ecossistêmico ao longo de um continente inteiro.

– – –

Curta nossa página no Facebook!

Siga-me (@piterkeo) no Twitter!

– – –

Referências:

Francese JA, Mastro VC, Oliver JB, Lance DR, Youssef N, Lavallee SG (2005) Evaluation of colors for trapping Agrilus planipennis (Coleoptera: Buprestidae). Journal of Entomological Science 40(1): 93-95.

Liu H, Bauer LS, Miller DL, Zhao T, Gao R, Song L, Luan Q, Jin R, Gao C (2007) Seasonal abundance of Agrilus planipennis (Coleoptera: Buprestidae) and its natural enemies Oobius agrili (Hymenoptera: Encyrtidae) and Tetrastichus planipennisi (Hymenoptera: Eulophidae) in China. Biological Control 42(1): 61-71. doi: 10.1016/j.biocontrol.2007.03.011

Wang XY, Yang ZQ, Gould JR, Zhang YN, Liu GJ, Liu ES (2010) The biology and ecology of the emerald ash borer, Agrilus planipennis, in China. Journal of Insect Science 10(1): 128. doi: 10.1673/031.010.12801

Wikipedia. Emerald ash borer. Disponível em < https://en.wikipedia.org/wiki/Emerald_ash_borer >. Acesso em 9 de dezembro de 2019.

– – –

*Creative Commons License Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons de Atribuição Não Comercial 4.0 Internacional

**Creative Commons License Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons de Atribuição 3.0 Não Adaptada.

Deixe um comentário

Arquivado em Conservação, Entomologia, Extinção, Sexta Selvagem

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s