Sexta Selvagem: Nematódeo-da-lama-de-intestino-marrom

por Piter Kehoma Boll

Se você estiver com a cara enterrada na lama no fundo de um lago europeu, pode acabar encontrando alguns destes pequeninos nematódeos conhecidos como Monhystera stagnalis. Como de costume, não há nome comum para a espécie, mas eu decidi chamá-la de nematódeo-da-lama-de-intestino-marrom. Por quê? Porque ele vive na lama e tem um intestino marrom-avermelhado.

monhystera_stagnalis

Um indivíduo de Monhystera stagnalis. Foto de Marco Spiller.*

O nematódeo-da-lama-de-intestino-marrom está amplamente distribuído pela Europa. Ele habita os sentimentos finos no fundo de corpos de água-doce, tanto estagnados quanto correntes, onde se alimenta de matéria orgânica depositada neste meio, tendo um gosto especial por bactérias. Ele é capaz de sobreviver em poluição orgânica moderada, mas é sensível a baixos níveis de oxigênio.

Ele é uma das espécies de nematódeo mais comuns em seu ambiente e é muito pequeno, medindo cerca de 1 mm de comprimento, com fêmeas sendo ligeiramente mais longas que machos. Eles são encontrados em todas as profundidades do sedimento e possuem uma preferência por ficarem próximos da superfície durante o inverno e mais fundo na lama durante o verão.

As fêmeas são ovovivíparas, o que significa que elas mantêm os ovos dentro de seus corpos até eclodirem, de forma que ficam grávidas de ovos. Apesar de estarmos acostumados a pensar em invertebrados produzindo centenas ou milhares de ovos de uma vez, esse não é o caso do nematódeo-da-lama-de-intestino-marrom. As fêmeas geralmente estão grávidas de um único ovo, às vezes dois ou três. Eles são vermes modestos.

– – –

Referências:

Pehofer, H. (1989). Spatial Distribution of the Nematode Fauna and Production of Three Nematodes (Tobrilus gracilis, Monhystera stagnalis, Ethmolaimus pratensis) in the Profundal of Piburger See (Austria, 913 m a.s.l) Internationale Revue der gesamten Hydrobiologie und Hydrographie, 74 (2), 135-168 DOI: 10.1002/iroh.19890740203

Traunspurger, W. (1996). Autecology of Monhystera paludicola De Man, 1880 – Seasonal, Bathymetric and Vertical Distribution of a Free-living Nematode in an Oligotrophic Lake Internationale Revue der gesamten Hydrobiologie und Hydrographie, 81 (2), 199-211 DOI: 10.1002/iroh.19960810205

– – –

*Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons de Atribuição Não Comercial e Compartilhamento Igual 2.0 Genérica.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Sexta Selvagem, vermes

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s