Sexta Selvagem: Cara-Comum

por Piter Kehoma Boll

É sempre difícil apresentar uma espécie menos carismática aqui. Não por elas serem menos interessantes para mim, mas porque não consigo encontrar boas informações disponíveis. Mas eu tento dar o melhor de mim para mostrar todos os aspectos de nossa incrível biodiversidade.

Hoje apresentarei outra alga, uma das mais complexas, a cara-comum, conhecida cientificamente como Chara vulgaris.

...armleuchteralgen

Um “campo” de cara-comum numa poça. Foto de Markus Nolf.*

Encontrada no mundo todo em ambientes de água doce, especialmente banhados e pântanos, a cara-comum pode na verdade ser um complexo de espécies. A planta costuma se tornar incrustada de carbonato de cálcio com o tempo, dando-lhe uma aparência pedregosa. Crescendo até 120 cm em comprimento/altura e tendo um talo central articulado com vários ramos saindo de cada nó, ela pode se assemelhar a uma cavalinha, mas sua estrutura é muito mais simples.

Se você olhar mais de perto, verá que o talo é formado por uma massa simples de células em cadeia, mas células bem grandes. Na verdade as células de espécies do gênero Chara estão entre as maiores células vegetais conhecidas. E tendo células tão grandes, as caras se tornaram especializadas em ciclose, um fenômeno pelo qual organelas e fluidos fluem através do citoplasma guiados por uma interação de moléculas de miosina que deslizam ao longo de moléculas de actina. E caso você não soubesse, miosina e actina são também as moléculas responsável pelas contrações musculares em animais.

chara_vulgaris

Uma olhada mais de perto no talo da cara-comum. Foto de Kristian Peters.*

A cara-comum é muito comum em campos de arroz e serve de substrato para bactérias fixadoras de nitrogênio. Assim, apesar de geralmente ser considerada uma erva-daninha nesses campos, sua presença na verdade pode ajudar a aumentar a fertilidade do solo em campos de arroz.

– – –

Referências:

Ariosa, Y., Quesada, A., Aburto, J., Carrasco, D., Carreres, R., Leganes, F., & Fernandez Valiente, E. (2004). Epiphytic Cyanobacteria on Chara vulgaris Are the Main Contributors to N2 Fixation in Rice Fields Applied and Environmental Microbiology, 70 (9), 5391-5397 DOI: 10.1128/AEM.70.9.5391-5397.2004

Wikipedia. Charales. Available at <https://en.wikipedia.org/wiki/Charales&gt;. Access on December 15, 2016.

Wikipedia. Cytoplasmic streaming. Available at < https://en.wikipedia.org/wiki/Cytoplasmic_streaming>. Access on December 15, 2016.

– – –

*Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons de Atribuição e Compartilhamento Igual 3.0 Não Adaptada.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Botânica, Sexta Selvagem

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s