Sexta Selvagem: Musgo-prateado

por Piter Kehoma Boll

Por ser encontrado na maior parte do mundo, você provavelmente já se deparou com esse camarada várias vezes na vida, mas não prestou atenção. Afinal, é só um musgo!

Cientificamente conhecido como Bryum argenteum e popularmente como musgo-prateado, essa plantinha vive em rachaduras de pedras, muros e calçadas e por isso também é conhecida como musgo-de-calçada. Ele geralmente forma pequenos amontoados compostos por muitas plantas crescendo apertadas umas contra as outras. As folhinhas de cada planta também são bem empacotadas, dando-lhe a aparência de um pedacinho de fio de lã. A ponta da planta geralmente tem um tom prateado que pode ser mais ou menos intenso, de onde o nome musgo-prateado.

bryum_argenteum

Essa é a aparência geral do musgo-prateado, formando montinhos e macio. Foto do usuário do flickr harum.koh*

Como todos os musgos, o tapete verde que forma a parte principal do musgo-prateado são os gametófitos, organismos haploides que são ou machos ou fêmeas. Os machos produzem o gameta masculino que nada em direção à planta fêmea e fertiliza o gameta dela. Como resultado, uma nova planta sem sexo cresce no topo da fêmea, o chamado esporófito. Você pode ver os esporófitos como pequenos pedúnculos com uma bolsa na ponta.

bryum_argenteum2

Um cacho de esporófitos crescendo no topo dos gametófitos. Foto de Paul van de Velde.*

Extratos do musgo-prateado demonstraram possuir atividade microbiana, sendo eficientes contra várias espécies de bactérias e fungos, fazendo-o um candidato promissor para o desenvolvimento de novos medicamentos.

Vivendo dos polos ao equador, o musgo-prateado possui uma enorme habilidade de se adaptar a extremos de temperatura, umidade e altitude. Ele também apresenta uma tolerância consideravelmente alta de metais pesados, e isso é provavelmente a razão de ser tão comum na beira de estradas.

– – –

Referências:

EOL – Encyclopedia of Life. Bryum argenteum. Available at < http://eol.org/pages/864280/overview >. Access on September 29, 2016.

Sabovljevic, A., Sokovic, M., Sabovljevic, M., & Grubisic, D. (2006). Antimicrobial activity of Bryum argenteum Fitoterapia, 77 (2), 144-145 DOI: 10.1016/j.fitote.2005.11.002

Shaw, A., & Albright, D. (1990). Potential for the Evolution of Heavy Metal Tolerance in Bryum argenteum, a Moss. II. Generalized Tolerances among Diverse Populations The Bryologist, 93 (2) DOI: 10.2307/3243622

– – –

*Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons de Atribuição 2.0 Genérica.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Sexta Selvagem

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s