Sexta Selvagem: Jataí

por Piter Kehoma Boll

Certamente a abelha produtora de mel mais disseminada, adaptada e bem conhecida é a Apis melifera, comumente conhecida como abelha-doméstica ou abelha-do-mel por razões óbvias. Mas há muitas outras fazedoras de mel pelo mundo todo. Hoje vou apresentar a vocês a abelha nativa mais popular na América do Sul, Tetragonisca angustula, comumente conhecida como jataí no Brasil e yateí, angelita, mariola e muitos outros nomes nos países falantes de espanhol.

Jataís na entrada da colmeia. Foto de Bernard Dupont.*

Jataís na entrada da colmeia. Foto de Bernard Dupont.*

Encontrada do sul do México ao sul do Brasil e norte da Argentina, a jataí é uma abelha sem ferrão muito pequena que facilmente se adapta a áreas urbanas. Medindo cerca de 4–5 mm, elas constroem seus ninhos em cavidades naturais de árvores e às vezes em ninhos abandonados de formigas e cupins ou mesmo em paredes de construções humanas.

Por ser uma espécie nativa da região neotropical, e portanto um agente polinizador importante, e por não possuir um ferrão, sendo assim inofensiva a humanos e animais domésticos, a jataí é uma espécie atrativa para a domesticação. De fato, a jataí é a única espécie nativa sem ferrão com uma comunidade consideravelmente grande de apicultores mantendo colmeias. Como as colmeias são pequenas e inofensivas, elas também podem ser usadas como polinizadoras de algumas plantas, como morangos, dentro de estufas.

Uma jataí individual. Foto de George Shepherd.**

Uma jataí individual. Foto de George Shepherd.**

Considerado de alta qualidade, o mel produzido pelas jataís é mais caro que o das abelhas-domésticas comuns. Em alguns lugares o preço do mel de jataí pode custar até dez vezes o preço do mel comum. Assim como o mel e o própolis da abelha comum, o mel e o própolis da jataí têm atividade antibacteriana. Pessoas de comunidades em que o consumo do mel de jataí é uma prática comum acreditam que ele possua propriedades medicinais, mas na verdade não há evidência científica de que o mel de jataí seja diferente do mel comum em relação a esse aspecto.

– – –

Referências:

Malagodi-Braga, K. S., Kleinert, A. M. P. (2004). Could Tetragonisca angustula Latreille (Apinae, Meliponinni) be effective as strawberry pollinator in greenhouses? Australian Journal of Agricultural Research, 55 (7), 771-774. DOI: 10.1071/AR03240

Miorin, P., Levy Junior, N., Custodio, A., Bretz, W., & Marcucci, M. (2003). Antibacterial activity of honey and propolis from Apis mellifera and Tetragonisca angustula against Staphylococcus aureus. Journal of Applied Microbiology, 95 (5), 913-920 DOI: 10.1046/j.1365-2672.2003.02050.x

Sawaya, A., Cunha, I., Marcucci, M., de Oliveira Rodrigues, R., & Eberlin, M. (2006). Brazilian Propolis of Tetragonisca angustula and Apis mellifera. Apidologie, 37 (3), 398-407 DOI: 10.1051/apido:2006011

Wikipedia. Tetragonisca angustula. Disponível em: < https://en.wikipedia.org/wiki/Tetragonisca_angustula >. Aceso em 1 de agosto de 2016.

– – –

*Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons de Atribuição 2.0 Genérica.

**Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons de Atribuição Não Comercial e Compartilhamento Igual 2.0 Genérica.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Entomologia, Sexta Selvagem, Zoologia

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s