Sexta Selvagem: Orquídea-de-Darwin

por Piter Kehoma Boll

Orquídeas compreendem uma das mais numerosas famílias de plantas, então está mais do que na hora de ter uma orquídea na Sexta Selvagem. E qual escolha poderia ser melhor que a orquídea-de-Darwin, Angraecum sesquipedale?

Nativa de Madagascar, a orquídea-de-Darwin tem belas flores brancas em forma de estrela com uma aparência cerosa que são produzidas na natureza de Junho a Setembro. É uma orquídea epífita, crescendo em árvores, e suas raízes podem atingir vários metros de comprimento em torno dos troncos das árvores.

As flores brancas cerosas da orquídea-de-Darwin. Note os longos esporões pendendo das flores. Foto de Wildred Duckitt*.

As flores brancas cerosas da orquídea-de-Darwin. Note os longos esporões pendendo das flores. Foto de Wildred Duckitt*.

A característica mais distinta dessa espécie é a presença de um esporão muito longo, um tubo de até 43 cm de comprimento que contém o néctar. O epíteto “sesquipedale” é dado devido a essa estrutura, significando “um pé e meio de comprimento” em Latin, referindo-se ao comprimento do final do esporão à ponta da sépala dorsal. Após examinar várias flores, o naturalista Charles Darwin previu a existência de um polinizador com uma probóscide que seria longa o suficiente para atingir o néctar no final da espora. Mais tarde, Alfred Wallace notou que a mariposa-esfinge-de-Morgan (Xanthopan morganii), encontrada na África Oriental, possui uma probóscide quase longa o bastante para atingir o néctar e sugeriu que os naturalistas procurassem por espécies similares em Madagascar. De fato, algum tempo depois, espécimes da mariposa-esfinge-de-Morgan com uma probóscide muto longa, longa o bastante para atingir o final da espora, foram encontradas em Madagascar, confirmando a previsão de Darwin. Infelizmente isso aconteceu somente depois da morte de Darwin, de forma que ele nunca ficou sabendo da descoberta…

Atualmente há muitos cultivares e híbridos da orquídea-de-Darwin ao redor de todo o mundo.

– – –

Referências:

Nilsson, L. A. 1988. The evolution of flowers with deep corolla tubes. Nature, 333: 147-149. DOI: 10.1038/334147a0

Wikipedia. Angraecum sesquipedale. Disponível em: < https://en.wikipedia.org/wiki/Angraecum_sesquipedale >. Acesso em 18 de junho de 2016.

– – –

*Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons de Atribuição 2.0 Genérica.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Botânica, Evolução, Sexta Selvagem

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s