Sexta Selvagem: Gambierdisco-tóxico

por Piter Kehoma Boll

Semana passada apresentei um peixe de recifes de coral, o sambuari, e mencionei que às vezes comê-lo pode levar a ciguatera, um tipo de intoxicação alimentar. Assim, hoje decidi apresentar um dos principais responsável pela ciguatera, o dinoflagelado Gambierdiscus toxicus, ou gambierdisco-tóxico.

Imagem de microscopia óptica de Gambierdiscus toxicus. Créditos a David Patteron e Bob Andersen.*

Imagem de microscopia óptica de Gambierdiscus toxicus. Créditos a David Patteron e Bob Andersen.*

Gambierdiscus toxicus foi descoberto em 1975 em material coletado em torno das Ilhas Gambbier, onde ciguatera ocorre com frequência, e descrito em 1979. Como a maioria dos dinoflagelados, é unicelular e coberto de placas rígidas formando uma estrutura chamada teca.

Vivendo na superfície de algas marinhas, especialmente algas marrons, o gambierdisco-tóxico é ingerido por peixes que se alimentam das algas. Suas toxinas pode assim bioacumular nos tecidos do peixe e ser transferidas para peixes maiores que se alimentam dos menores. Se tais peixes são comidos por humanos, isso pode causar ciguatera.

Os sintomas de ciguatera incluem náusea, vômito, diarreia, dores de cabeça, dores musculares, perda de sensação tátil, vertigem, alucinações, etc. Eles podem durar semanas ou vários anos, às vezes até duas decadas.

Entre as principais toxinas produzidas por Gambierdiscus toxicus estão ciguatoxinas e maitotoxina. Ciguatoxinas são poliéteres lipofílicos que agem reduzindo o limiar de abertura de canais de sódio em sinapses do sistema nervoso, o que causa despolarização, levando a paralisia. Por outro lado, a maitotoxina é uma molécula hidrofílica que ativa canais extracelulares de cálcio e pode causar lise celular e subsequente necrose. Não há antídoto conhecido ou tratamento efetivo contra a ciguatera.

Assim, nossa lição é: não se meta com dinoflagelados!

– – –

Referências:

Adachi, R.; Fukuyo, Y. 1979. The thecal structure of a marine toxic dinoflagellate Gambierdiscus toxicus gen. et sp. nov. collected in a ciguatera-endemic area. Bulletin of the Japanese Society of Scientific Fisheries, 45(1): 67-71.

Bagnis, R.; Chanteau, S.; Chungue, E.; Hurtel, J. M.; Yasumoto, T.; Inoue, A. 1980. Origins of ciguatera fish poisoning: a new dinoflagellate, Gambierdiscus toxicus Adachi and Fukuyo, definetely involved as a causal agent. Toxicon, 18: 199-209.

Wikipedia. Ciguatera. Availabe at: <https://en.wikipedia.org/wiki/Ciguatera >. Access on February 29, 2016.

Wikipedia. Ciguatoxin. Available at: <https://en.wikipedia.org/wiki/Ciguatoxin&gt;. Access on February 29, 2016.

Wikipedia. Maitotoxin. Available at: <https://en.wikipedia.org/wiki/Maitotoxin >. Access on February 29, 2016.

– – –

* Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons de Atribuição e Compartilhamento Igual 3.0 Não Adaptada.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Algas, Sexta Selvagem

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s