Sexta Selvagem: Palmeira-de-cera-de-Quindio

por Piter Kehoma Boll

Então a Sexta Selvagem está de volta! Depois de quase um ano… mas está!

Para reiniciar esta seção, decidi falar sobre uma planta interessante que pode ser encontrada na região onde a misteriosa Leimacopsis terricola foi encontrada no século XIX: a palmeira-de-cera-de-Quindio, ou palma de cera del Quindío, em espanhol.

Esta palmeira, que pertence à espécie Ceroxylon quindiuense, é a árvore nacional da Colômbia e nativa do Vale Cocora, um vale de alta altitude da região andina no departamento de Quindío, Colômbia, de onde era considerada basicamente endêmica. Contudo recentemente uma população significativa foi encontrada mais ao sul nos andes do norte do Peru.

Ceroxylon quindiuense no Vale Cocora, Quindío, Colômbia. Foto de Diego Torquemada*

Ceroxylon quindiuense no Vale Cocora, Quindío, Colômbia. Foto de Diego Torquemada*

Como todas as espécies de Ceroxylon (“madeira de cera” em grego), a palmeira-de-cera-de-Quindío tem um tronco cilíndrico coberto com uma cera branca marcada por cicatrizes deixadas por bases foliares. Também é a palmeira mais alta do mundo, atingindo até 60 m de altura ou até mais.

Até o começo do século XX, ela era uma espécie muito abundante na Colômbia, mas sua população já estava sendo reduzida devido a várias atividades, principalmente por ser colhida como uma fonte importante para a fabricação de velas durante o século XIX. Além disso, até muito recentemente, folhas jovens eram cortadas para ser usadas no Domingo de Ramos, levando à morte ou retardamento do crescimento. Hoje em dia ambas as práticas estão amplamente reduzidas, mas a espécie ainda está ameaçada por outras atividades. A criação de gado tornou a maior parte da floresta onde a palmeira-de-cera-de-Quindio cresce em pasto e, apesar de haver um grande número de árvores crescendo no pasto, não há indivíduos jovens, visto que todas (ou quase todas) as mudas são comidas pelo gado. Por isso, ela é considerada em perigo (EN) na Lista Vermelha de Plantas da Colômbia e Vulnerável (VU) pela IUCN. Como uma iniciativa para salvar a espécie, ela é legalmente protegida na Colômbia desde 1985, quando se tornou a árvore nacional do país.

A redução das populações de palmeira-de-cera também ameaça espécies associadas a elas, como o papagaio-de-orelha-amarela, que faz seus ninhos nos troncos ocos das palmeiras-de-cera e é uma espécie ameaçada de acordo com a IUCN. Mas esse é assunto para outra sexta…

– – –

Referências:

Bernal, R. & Sanín, M. J. 2013. Los palmares de Ceroxylon quindiuense (Arecaceae) en el Valle de Cocora, Quindío: perspectivas de un ícono escénico de Colombia. Colombia Florestal, 16 (1), 67-79

Salaman, P. G., López-Lanús, B. & Krabbe, N. 1991. Critically endangered: Yellow-eared Parrot Ognorhynchus icterotis in Colombia Cotinga, 11, 39-41

Sanín, M. J. & Galeano, G. 2011. A revision of the Andean wax palms, Ceroxylon (Arecaceae). Phytotaxa, 34, 1-64

Wikipedia. Ceroxylon quindiuense. Disponível online em < http://en.wikipedia.org/wiki/Ceroxylon_quindiuense >. Acesso em 20 de março de 2014.

– – –

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons de Atribuição e Compartilhamento Igual 3.0 Unported.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Botânica, Sexta Selvagem

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s